SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

CALDEIRA, Ana Paula Sampaio. De Lisboa ao Rio de Janeiro: a trajetória da Coleção Diogo Barbosa Machado. Varia hist. [online]. 2012, vol.28, n.47, pp. 211-233. ISSN 0104-8775.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-87752012000100010.


    1 BAIÃO, Antonio. O testamento de Diogo Barbosa Machado. Porto: Tipografia Siqueira, 1937; [ Links ]

    COSTA, Manuel Alberto Nunes. Diogo Barbosa Machado e a bibliografia portuguesa. Anais da Academia Portuguesa de História, Lisboa, p.291-340, 1986; [ Links ]

    MOTA, Isabel Ferreira da. A Academia Real da História: os intelectuais, o poder cultural e o poder monárquico no século XVIII. Coimbra: Edições Minerva Coimbra, 2003; [ Links ]

    MONTEIRO, Rodrigo Bentes. Reis, príncipes e varões insignes na coleção Barbosa Machado. Anais de História de Além-Mar, Lisboa, v.6, p.215-251, 2005. [ Links ]


    2 MACHADO, Diogo Barbosa. Cathalogo dos livros da livraria Diogo Barbosa Machado distribuídos por matérias e escrito por sua própria mão. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional. [ Links ]


    3 A Coleção Diogo Barbosa Machado foi objeto de estudo do Professor Rodrigo Bentes Monteiro, que escreveu diversos artigos sobre esse acervo, entre eles: MONTEIRO, Rodrigo Bentes e CARDIM, Pedro. Seleta de uma sociedade: hierarquias sociais nos documentos compilados por Diogo Barbosa Machado. In: MONTEIRO, Rodrigo Bentes; FEITLER, Bruno; CALAINHO, Daniela Buono e FLORES, Jorge. (orgs.) Raízes do privilégio: mobilidade social no mundo ibérico do Antigo Regime. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, p.69-104; [ Links ]

    MONTEIRO, Rodrigo Bentes. Folhetos em ordem na coleção Barbosa Machado. In: ALGRANTI, Leila Mezan e MEGIANI, Ana Paula Torres (orgs.) O Império por escrito: formas de transmissão da cultura letrada no mundo ibérico (séculos XVI-XIX). São Paulo: Alameda, 2009, p.201-228; [ Links ]

    MONTEIRO, Rodrigo Bentes e LEITE, Jorge Miranda. Os "manifestos de Portugal". Reflexões acerca de um Estado moderno. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel; GONTIJO, Rebeca. (orgs.) Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p.111-130; [ Links ]

    MONTEIRO, Rodrigo Bentes. Recortes de memória: o varão insigne Diogo Barbosa Machado. In: VAINFAS, Ronaldo; SANTOS, Georgina Silva dos; NEVES, Guilherme Pereira das. (orgs.) Retratos do império: trajetórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX. Niterói: EdUFF, 2006, p.81-95; [ Links ]

    MONTEIRO, Rodrigo Bentes. Recortes de memória: reis e príncipes na coleção Barbosa Machado. In: SOIHET, Rachel; BICALHO, Maria Fernanda Baptista; GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. (orgs.) Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino da História. Rio de Janeiro: Mauad, 2005, p.127-154; [ Links ]

    MONTEIRO, Rodrigo Bentes e CALDEIRA, Ana Paula Sampaio. A ordem de um tempo: folhetos na coleção Barbosa Machado. Topoi, v.8, p.77-113, 2007; [ Links ]

    MONTEIRO, Rodrigo Bentes. Reis, príncipes e varões insignes na coleção Barbosa Machado. [ Links ]


    5 BRUM, José Zeferino de Meneses. Introdução. In: Catálogo dos retratos coligidos por Diogo Barboza Machado. Rio de Janeiro: G. Leuzinger e Filhos, 1893-1905, v.1, p.I-VIII. [ Links ]


    6 BRIGOLA, João Carlos Pires. Colecções, gabinetes e museus em Portugal no século XVIII. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003, p.507. [ Links ]


    7 BRIGOLA, João Carlos Pires. Colecções, gabinetes e museus em Portugal no século XVIII, p.508-13. [ Links ]


    8 Sobre a importância de documentos para a escrita da história, ver GRAFTON, Anthony. As origens trágicas da erudição: pequeno tratado sobre a nota de rodapé. Campinas: Papirus, 1998; [ Links ]

    KRIEGEL, Blandine. L'histoire à l'age classique. Paris: PUF, 1988, v.4. [ Links ]


    9 MACHADO, Diogo Barbosa. Prólogo. In: Bibliotheca lusitana. Lisboa Ocidental: Oficina de António Isidoro da Fonseca, 1741-1759, v.1. [ Links ]


    11 SOUZA, Manuel Caetano de. Introdução panegírica na conferência pública da Academia Real da História Portuguesa. In: MACHADO, Diogo Barbosa. Aplausos oratórios e poéticos no complemento de anos dos sereníssimos reis, rainhas e príncipes de Portugal. Biblioteca Nacional, v.1, p.224-30. [ Links ]


    12 SYLVA, Manoel Telles da. Historia da Academia Real da Historia Portugueza. Lisboa: Oficina de Joseph Antonio da Sylva, 1727, p.85. [ Links ]


    13 SYLVA, Manoel Telles da. Historia da Academia Real da Historia Portugueza, p.85. [ Links ]


    14 BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico (...) Coimbra: Real Colégio das Artes da Cia de Jesus, 1713, v.4, p.39-40. (Grifo nosso). [ Links ]


    15 KOSELLECK, Reinhart. Futuro pasado: para uma semántica de los tiempos históricos. Barcelona, Buenos Aires, México: Paidos, [s.d.], p.43. [ Links ]


    16 CATROGA, Fernando. Os passos do homem como restolho do tempo: memória e fim do fim da história. Coimbra: Almedina, 2009, p.63. [ Links ]


    17 GALVÃO, Ramiz. Diogo Barbosa Machado. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v.1, p.39, 1876. [ Links ]


    18 CASTRO, César Augusto. História da biblioteconomia brasileira. Brasília: Thesaurus, 2000, p.44-5. [ Links ]


    19 BRUM, José Zeferino de Meneses. Introdução. In: Catálogo dos retratos colligidos por Diogo Barboza Machado, p.I-VIII. [ Links ]


    20 Lygia Cunha entrou na Biblioteca Nacional em 1941, depois de fazer um curso de dois anos na própria instituição. Sua formação é marcada pela erudição e por viagens de estudo para vários lugares da Europa, como França, Alemanha e Itália. Exerceu as funções de chefe da seção de Iconografia (criada com a reforma de 1945/46) e diretora da Divisão de Obras Raras, que compreendia os setores de Manuscritos, Música, Iconografia e Obras Raras propriamente ditas. A vivência que Lygia Cunha teve durante o longo período em que trabalhou na Biblioteca Nacional (1941-1990) é importante para entendermos um pouco da história da Coleção Barbosa Machado, uma vez que essa bibliotecária, além de ter lidado com a compilação de retratos, vivenciou vários momentos daquela instituição. Ela passou, por exemplo, por um processo em que a erudição, anteriormente característica indispensável para as estudantes de biblioteconomia, foi cedendo cada vez mais lugar à técnica. O período em que Rubem Borba de Moraes esteve à frente da diretoria da biblioteca (1945-47) é caracterizado pela reorganização técnica dos serviços, pelo início da classificação do acervo baseada em normas universais - o método Dewey - e pela higienização dos livros; CUNHA, Lygia. Entrevista a Rodrigo Bentes Monteiro e Ana Paula Sampaio Caldeira. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 02 mar. 2005. [ Links ]


    21 BRUM, José Zeferino de Meneses. Introdução. In: Catálogo dos retratos colligidos por Diogo Barboza Machado, p.I-VIII. [ Links ]


    22 BRUM, José Zeferino de Meneses et al. Registro dos relatórios trimestrais da secção de estampas da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1876-98. [ Links ]


    24 BRUM, José Zeferino de Meneses. Introdução. In: Catálogo dos retratos colligidos por Diogo Barboza Machado, p.I-VIII. (Grifo nosso). [ Links ]


    25 DUTRA, Eliana de Freitas. Rebeldes literários da república: história e identidade nacional no Almanaque Brasileiro Garnier (1903-1914). Belo Horizonte: UFMG, 2005. [ Links ]


    26 TUBINO, Nina. Sinopse biográfica de Benjamim Franklin Ramiz Galvão (Barão de Ramiz) 1846-1938. Brasília: [s.n], 1994. [ Links ]


    28 GALVÃO, Ramiz. Vida de Frei Camilo. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v.?, p.159, 1884/85. [ Links ]