SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

ALVES, Gabriel Soares Ledur  and  ARAUJO, Renata Brasil. A utilização dos jogos cooperativos no tratamento de dependentes de crack internados em uma unidade de desintoxicação. Rev Bras Med Esporte [online]. 2012, vol.18, n.2, pp.77-80. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922012000200002.

    1. Ferreira PE, Martini R. Cocaína: lendas, história e abusos. Rev Bras Psiquiatr 2001; 23(2): 96-9. [ Links ]

    2. Ferri C, Laranjeira RR, Silveira DX, Dunn J, Formigoni, MLOS. Aumento da procura de tratamento por usuários de crack em dois ambulatórios na cidade de São Paulo, nos anos de 1990 a 1993. Rev Ass Med Brasil 1997; 43(1): 25-8. [ Links ]

    3. Rigotto SD, Gomes WB. Contextos de Abstinência e de Recaída na Recuperação da Dependência Química. Psic.: Teor e Pesq 2002;18:95-106. [ Links ]

    4. Araujo RB, Oliveira MS, Pedroso RS, Miguel AC, Castro MGT. Craving e dependência química: conceito, avaliação e tratamento. J Bras Psiquiatr 2008; vol. 57: 57-63. [ Links ]

    5. Araujo RB, Oliveira MS, Mansur MA. A validação brasileira do Questionnaire of Smoking Urges. Cad Saúde Pública 2006; 22:2157-67. [ Links ]

    6. Araujo RB, Oliveira MS, Moraes JFD, Pedroso RS, Port F, Castro MGT. Validação da versão brasileira do Questionnaire of Smoking Urges-Brief. Rev Psiquiatr Clín 2007;34:166-75. [ Links ]

    7. Fox HC, Hong KA, Siedlarz K, Sinhá R. Enhanced Sensitivity to Stress and Drug/Alcohol Craving in Abstinent Cocaine-Dependent Individuals Compared to Social Drinkers. Neuropsychopharmacology 2008;33:796-805. [ Links ]

    8. Silva CJ, Serra, AM. Terapias Cognitiva e Cognitivo-Comportamental em dependência química. Rev Bras Psiquiatr 2004;26:33-9. [ Links ]

    9. Miller WR, Rollnick S. Entrevista Motivacional: preparando as pessoas para a mudança de comportamentos adictivos. Porto Alegre: Artmed, 2001. [ Links ]

    10. Amaral JD. Jogos Cooperativos. São Paulo: Phorte, 2007. [ Links ]

    11. Soler R. Brincando e aprendendo com os jogos cooperativos. Rio de Janeiro: Sprint, 2008. [ Links ]

    12. Orlick T. Libres para cooperar libres para crear. Barcelona: Editorial paidotribo, 1999. [ Links ]

    13. Marlatt A, Gordon J. Prevenção de Recaída - Estratégias de manutenção no tratamento de comportamentos adictivos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. [ Links ]

    14. Organização Mundial da Saúde. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. [ Links ]

    15. Folstein MF, Folstein SE, Mchugh PR. "Mini-mental state". A practical method for grading the cognitive state of patient for the clinician. J Psychiatr Res 1975;12:189-98. [ Links ]

    16. Figlie NB. Motivação em alcoolistas tratados em ambulatório específico para alcoolismo e em ambulatório de gastroenterologia. Dissertação de Mestrado Não Publicada, Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, São Paulo, Brasil, 1999. [ Links ]

    17. Beck AT, Steer RA. Beck anxiety inventory: manual San Antonio. Psychological Corporation, 1993. [ Links ]

    18. Cunha JA. Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001. [ Links ]

    19. Dols M, van den Hout M, Kindt M, Willems B. The urge to smoke depends on the expectation of smoking. Addiction 2002;97:87-93. [ Links ]

    20. Brotto FO. Jogos cooperativos: um exercício de com-vivência. São Paulo: SESC, 1999. [ Links ]

    21. Weineck J. Treinamento ideal. São Paulo: Manole, 2003. [ Links ]

    22. Mcmurray RG, Hackney, AC. Respostas endócrinas ao exercício e ao treinamento. In: Garrett jr WE, Kirkendall DT (org.). A Ciência do Exercício e dos Esportes. Porto Alegre: Artmed, 2003;159-87. [ Links ]

    23. Goldfarb A, Hatfield BD, Potts J, Armstrong D. Beta-endorphin time course of response to intensity of exercise: effect of training status. Int J Sports Med 1991;12:264-8. [ Links ]