Avaliação físico-química de frutos de bananeiras

Physiochemical evaluation of resistant banana fruits

Resumos

A produção nacional de banana está comprometida pela atuação da sigatoka-negra (Mycosphaerella fijiensis Morelet) por todo o país, e particularmente no Amapá. Os cultivares Caipira, Thap Maeo, PV03-44, FHIA-01 e FHIA-18, altamente resistentes à doença, e o cultivar suscetível FHIA-21 foram avaliados quanto às características físico-químicas dos frutos, no período de 2003-2004, nas condições edafoclimáticas do Estado do Amapá. O teor médio de umidade dos frutos de banana foi de 74,61% onde FHIA-18 (75,91%) diferiu estatisticamente de Thap Maeo (74,01%), FHIA-21 (73,96%) e de PV03-44 (73,68%). Em relação à matéria seca dos frutos (média de 25,39%), FHIA-18 (24,09%) apresentou valores significativamente menores que PV03-44 (26,32%), FHIA-21 (26,04%) e Thap Maeo (25,99%). Foi observado que as polpas dos cultivares apresentaram natureza ácida (pH 4,8), sendo que PV03-44 (5,1) diferiu estatisticamente de FHIA-18 (4,6). No teor de sólidos solúveis (média de 21,51ºBrix), o cultivar FHIA 21 (24,82ºBrix) diferiu significativamente dos demais. A relação SS/AT (média de 82,90) do cultivar FHIA-21 (99,23) diferiu estatisticamente de Thap Maeo (78,95), FHIA-18 e PV03-44 (77,48). Em relação à acidez titulável (0,27% ácido málico) e ao teor de lipídeos (0,17%), não houve diferenciação entre os cultivares. Quanto ao teor protéico dos materiais resistentes à sigatoka-negra, a média do ensaio foi de 4,59%, tendo o genótipo PV03-44 (4,08%) diferido estatisticamente dos demais. Os cultivares resistentes estudados apresentaram aspectos positivos de qualidade, principalmente na relação SS/AT, um dos principais parâmetros de atributo qualitativo de sabor da fruta.

banana; parâmetros químicos; composição


Banana's national production is committed by the performance of the black sigatoka (Mycosphaerella fijiensis Morelet) for the whole country, and particularly in Amapá, Brazil. This work aimed at evaluating cultivars highly resistant to the disease, Caipira, Thap Maeo, PV03-44, FHIA-01, FHIA-18, and to susceptible cultivar FHIA-21, with relationship to the physical and chemical characteristics of the fruits, in the period of 2003-2004, under the edafoclimatic conditions of the state of Amapá. The medium moisture content of banana fruits was 74,61%, and FHIA-18 (75,91%) differed statistically of Thap Maeo (74,01%), FHIA-21 (73,96%) and PV03-44 (73,68%). In relation to the dry matter of fruits (25,39%), FHIA-18 (24,09%) presented values significantly smaller than PV03-44 (26,32%), FHIA-21 (26,04%) and Thap Maeo (25,99%). It was observed that the pulps of the cultivars presented acid nature (pH 4,8), and PV03-44 (5,1) differed statistically of FHIA-18 (4,6). In the soluble solids content (average of 21,51ºBrix), the cultivar FHIA-21 (24,82ºBrix) differed significantly of the others. The ratio SS/TA (average of 82,90) of the cultivar FHIA-21 (99,23) differed statistically of Thap Maeo (78,95), FHIA-18 and PV03-44 (77,48). In relation to the titratable acidity (0,27% malic acid) and to lipids content (0,17%), there was not difference among the cultivars. Regarding to the protein content of the resistant materials to the black sigatoka, the average of the experiment was of 4,59%, and the genotype PV03-44 (4,08%) differed statistically of the others. The resistant cultivars presented positive aspects of quality, mainly in the ratio TSS/TTA, one of the main parameters of qualitative attribute of fruit flavor.

banana; physicochemical; composition


Avaliação físico-química de frutos de bananeiras

Physiochemical evaluation of resistant banana fruits

Valéria Saldanha BezerraI; Jurema do Socorro Azevedo DiasII

IEmbrapa Amapá - valeria@cpafap.embrapa.br

IIEmbrapa Amapá - jurema@cpafap.embrapa.br

RESUMO

A produção nacional de banana está comprometida pela atuação da sigatoka-negra (Mycosphaerella fijiensis Morelet) por todo o país, e particularmente no Amapá. Os cultivares Caipira, Thap Maeo, PV03-44, FHIA-01 e FHIA-18, altamente resistentes à doença, e o cultivar suscetível FHIA-21 foram avaliados quanto às características físico-químicas dos frutos, no período de 2003-2004, nas condições edafoclimáticas do Estado do Amapá. O teor médio de umidade dos frutos de banana foi de 74,61% onde FHIA-18 (75,91%) diferiu estatisticamente de Thap Maeo (74,01%), FHIA-21 (73,96%) e de PV03-44 (73,68%). Em relação à matéria seca dos frutos (média de 25,39%), FHIA-18 (24,09%) apresentou valores significativamente menores que PV03-44 (26,32%), FHIA-21 (26,04%) e Thap Maeo (25,99%). Foi observado que as polpas dos cultivares apresentaram natureza ácida (pH 4,8), sendo que PV03-44 (5,1) diferiu estatisticamente de FHIA-18 (4,6). No teor de sólidos solúveis (média de 21,51ºBrix), o cultivar FHIA 21 (24,82ºBrix) diferiu significativamente dos demais. A relação SS/AT (média de 82,90) do cultivar FHIA-21 (99,23) diferiu estatisticamente de Thap Maeo (78,95), FHIA-18 e PV03-44 (77,48). Em relação à acidez titulável (0,27% ácido málico) e ao teor de lipídeos (0,17%), não houve diferenciação entre os cultivares. Quanto ao teor protéico dos materiais resistentes à sigatoka-negra, a média do ensaio foi de 4,59%, tendo o genótipo PV03-44 (4,08%) diferido estatisticamente dos demais. Os cultivares resistentes estudados apresentaram aspectos positivos de qualidade, principalmente na relação SS/AT, um dos principais parâmetros de atributo qualitativo de sabor da fruta.

PALAVRAS-CHAVE: banana, parâmetros químicos, composição

ABSTRACT

Banana's national production is committed by the performance of the black sigatoka (Mycosphaerella fijiensis Morelet) for the whole country, and particularly in Amapá, Brazil. This work aimed at evaluating cultivars highly resistant to the disease, Caipira, Thap Maeo, PV03-44, FHIA-01, FHIA-18, and to susceptible cultivar FHIA-21, with relationship to the physical and chemical characteristics of the fruits, in the period of 2003-2004, under the edafoclimatic conditions of the state of Amapá. The medium moisture content of banana fruits was 74,61%, and FHIA-18 (75,91%) differed statistically of Thap Maeo (74,01%), FHIA-21 (73,96%) and PV03-44 (73,68%). In relation to the dry matter of fruits (25,39%), FHIA-18 (24,09%) presented values significantly smaller than PV03-44 (26,32%), FHIA-21 (26,04%) and Thap Maeo (25,99%). It was observed that the pulps of the cultivars presented acid nature (pH 4,8), and PV03-44 (5,1) differed statistically of FHIA-18 (4,6). In the soluble solids content (average of 21,51ºBrix), the cultivar FHIA-21 (24,82ºBrix) differed significantly of the others. The ratio SS/TA (average of 82,90) of the cultivar FHIA-21 (99,23) differed statistically of Thap Maeo (78,95), FHIA-18 and PV03-44 (77,48). In relation to the titratable acidity (0,27% malic acid) and to lipids content (0,17%), there was not difference among the cultivars. Regarding to the protein content of the resistant materials to the black sigatoka, the average of the experiment was of 4,59%, and the genotype PV03-44 (4,08%) differed statistically of the others. The resistant cultivars presented positive aspects of quality, mainly in the ratio TSS/TTA, one of the main parameters of qualitative attribute of fruit flavor.

KEY WORDS: banana, physicochemical, composition

INTRODUÇÃO

A banana é uma das frutas mais consumidas no mundo e no Brasil, ocupa segundo lugar no ranking das fruteiras tropicais em volume de produção (6,8 milhões t), perdendo apenas para a cultura da laranja (17,9 milhões t). A Região Norte contribuiu no ano de 2005 com 1,1 milhão t de frutos e o estado do Amapá com 2,6 mil t de frutos (IBGE, 2005).

A doença conhecida como sigatoka-negra (Mycosphaerella fijiensis Morelet) está se disseminando por todo o território brasileiro, nos estados do Amazonas, Pará, Roraima, Amapá, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (Gasparotto et al., 2006, citado por Gasparotto et al., 2008). É considerado um dos principais problemas fitossanitários da cultura no estado, comprometendo totalmente a qualidade e a quantidade de banana produzida (Dias et al., 2001). A planta atacada pela doença apresenta uma destruição precoce de suas folhas, alterando o processo de fotossíntese e consequentemente maturação dos frutos, tornando-os prematuros e em casos extremos, amarelecendo antes do ponto de colheita, comprometendo totalmente o volume de produção (Dias et al., 2001). Os cachos se apresentam pequenos, com número de pencas menores, bananas menores e disformes, com a polpa cremosa e de sabor ligeiramente ácido (Suman, 1996).

A maioria das variedades comerciais de bananeiras cultivadas no Amapá é suscetível à doença (Dias et al., 2005). Uma das soluções viáveis é a utilização de materiais resistentes (Garcia, 1999), tendo sido recomendados os cultivares Caipira, Thap Maeo, FHIA-01, FHIA-02, FHIA-03, FHIA-18, FHIA-20, FHIA-21, Figo, Ouro e Pelipita para as condições amazônicas (Gasparotto et al., 2002), sendo que os cultivares Caipira, Thap Maeo, FHIA-01, FHIA-18 e PV03-44 foram recomendadas para as condições do estado do Amapá (Dias et al., 2005).

A escolha da variedade pelo produtor é conseqüência de alguns atributos dos frutos destas variedades como: sabor, vida útil e aparência (Matsuura et al., 2004), sendo que alguns destes atributos estão relacionados a algumas características intrínsecas dos frutos. Os cultivares resistentes recomendados possuem toda uma caracterização agronômica, mas as informações sobre as características físico-químicas de seus frutos são muito incipientes. Este estudo teve por objetivo avaliar as características físico-químicas de frutos de bananeiras resistentes à sigatoka-negra nas condições do Estado do Amapá.

MATERIAL E MÉTODOS

Uma Unidade de Observação com os cultivares Caipira, FHIA-18, PV03-44 FHIA-01 e Thap Maeo, foi instalada em agosto de 2002, em área de terra firme no município de Porto Grande/AP em área com considerável quantidade de bananeiras, todas susceptíveis à sigatoka-negra, assim como o cultivar FHIA-01, que não apresentou o mesmo comportamento dos demais quanto à resistência.

A área de plantio foi roçada e gradeada e as mudas das bananeiras foram instaladas em covas, no tamanho de 40 cm x 40cm x 40cm. Nos primeiros meses após a implantação do experimento, foi utilizada a irrigação das plantas e a adubação foi realizada com 15 L de esterco de curral, 80 g de superfosfato triplo e 500 g de calcário, divididos em 300 g dentro da cova e 200 fora da cova já aberta, no momento do plantio. Em cobertura foram aplicados 80 g de uréia, 100 g de KCl e 50 g de superfosfato triplo, após estas aplicações o agricultor seguiu a seguinte recomendação: quatro aplicações de 50 g de uréia/touceira e três aplicações de 225 g de KCl/touceira. Após este primeiro ano, a adubação foi repetida no ano de 2003. Os tratos culturais foram constituídos de roçagens da área como forma de limpeza, retirada de folhas secas e quebradas e o desperfilhamento, deixando três plantas por touceira (mãe, filha e neta).

Os frutos colhidos no segundo ciclo de produção, compreendido no período de setembro de 2003 a março de 2004 foram analisados no delineamento experimental inteiramente casualizado, com três repetições e em triplicatas, quanto às características físico-químicas. A matéria seca (%) foi determinada gravimetricamente em estufa a 65ºC, durante 48 horas. A acidez titulável - AT (% ácido málico) foi determinada com NaOH 0,1N e para a leitura do pH foi utilizado peagâmetro marca METROHM. Para os sólidos solúveis - SS (ºBrix), a leitura foi realizada em refratômetro Optical American (AOAC, 1990). O extrato etéreo ou teor de lipídeos foi obtido por extração contínua com éter etílico em aparelho tipo Soxhlet (AOAC, 1990). O teor de proteína bruta determinado pelo método micro-Kjedahl conforme procedimento da AOAC (1990). As análises estatísticas foram realizadas pelo software SANEST e as médias comparadas pelo teste de Tukey (5%).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O teor médio de umidade (Tabela 1) dos frutos de banana (74,61%) está próximo aos encontrados para genótipos selecionados (72,6%) no Banco Ativo de Germoplasma da Embrapa Mandioca e Fruticultura (Jesus et al., 2004), onde foi observado uma variação de 67,7% (Pacovan) a 78,9% (Prata Graúda), enquanto Nogueira & Torrezan (1997) relataram umidade de 75,6% em banana Nanica, e Motta & Motta (1958) citados por Nogueira & Torrezan (1997) observaram 74,8% em banana Prata. O aumento de umidade dos frutos confere-lhes uma característica de maior turgidez, podendo ser atribuído à alta umidade relativa média regional, que apresenta UR > 80%. O cultivar FHIA-18 (75,91%) diferiu estatisticamente da Thap Maeo (74,01%), FHIA-21 (73,96%) e de PV03-44 (73,68%).

A matéria seca (Tabela 1) apresentada pelos frutos dos materiais (25,39%) foi abaixo dos valores indicados por Moreira (1999) para o cultivar Grande Naine em relação aos graus internacionais de maturação de números 5, 6 e 7 (26,72%, 26,39% e 26,08%, respectivamente). O cultivar FHIA-18 (24,09%) apresentou diferença significativa em relação a PV03-44 (26,32%), FHIA-21 (26,04%) e Thap Maeo (25,99%), obtendo o menor valor de matéria seca.

Os cultivares apresentaram, em média, polpas com pH 4,8, caracterizando a natureza ácida dos mesmos (Tabela 1). Este valor é semelhante aos encontrados na banana ‘Grande Naine' nos graus de maturação 5, 6 e 7 (4,77; 4,75 e 4,78, respectivamente) (Moreira, 1999) e nos genótipos elites Caipira e UENF 1526 (4,85 e 4,76, respectivamente) (Gomes et al., 2007). Contudo, esta média foi superior ao observado por Parrela et al. (2002) nos genótipos Pioneira, FHIA-18, SH-3640, Caipira e FHIA-01 no estágio maduro de maturação (média de 4,5) e nos materiais UENF 1529 (4,58), Maçã e Prata Anã (4,56) avaliados por Gomes et al. (2007). O cultivar PV03-44 (5,1) diferiu estatisticamente de FHIA-18 (4,6), enquanto Caipira (4,9) apresentou pH superior ao da média do ensaio (4,8). O cultivar FHIA-18 apresentou pH de polpa (4,6) abaixo da média do ensaio (4,8), e Gomes et al. (2007) ao estudar genótipos elites também observou a característica ácida deste cultivar (4,3), que pode comprometer sua aceitação pelo mercado consumidor.

O teor de sólidos solúveis médio dos frutos dos cultivares (Tabela 2) ficou em torno de 21,54ºBrix, sendo que Coneglian et al. (2002) relataram para o cultivar Prata valores entre 22,02ºBrix e 24,80ºBrix num período de 12 dias pós-colheita, enquanto Busquet et al. (2002) ao avaliarem o cultivar Prata Anã observaram valores compreendidos entre 7,2ºBrix e 26,6ºBrix em 8 dias a temperatura ambiente. Jesus et al. (2004) observaram valores médios (23,9ºBrix) superiores, assim como Botelho et al. (2002) (23,05ºBrix), enquanto que o genótipo elite UENF 1529 alcançou 29,6ºBrix em estudo de Gomes et al. (2007). De acordo com Bleinroth (1985), o valor máximo alcançado para as diversas variedades é 27%, podendo diminuir quando a fruta encontra-se madura. O cultivar Thap Maeo (24,50ºBrix) diferiu significativamente dos demais. O cultivar Thap Maeo (25,1ºBrix) apresentou o mesmo comportamento superior quando comparado com os genótipos FHIA-18 (21,2ºBrix) e Pioneira (22,2ºBrix) (Jesus et al., 2004), e segundo Botelho et al. (2002) observaram que este genótipo (24,05ºBrix) foi igualmente superior a Caipira (23,03ºBrix) Nanicão (22,2ºBrix), Grande Naine (21,54ºBrix) e SH-3640 (21,47). No entanto, Parrela et al. (2002) encontraram valores inferiores em frutos maduros de bananeira, notadamente em FHIA-01 (15,5ºBrix) e Caipira (19,3ºBrix), assim como Silva Filho & Moreira (2005) ao estudarem cachos de banana não ensacados de FHIA-18 (14,25ºBrix), Thap Maeo (13,42ºBrix) e Prata Zulu (12,22).

Entre os materiais estudados não houve diferença em relação à acidez titulável (Tabela 2) e a média deste parâmetro (0,27% ácido málico) foi reduzida; muito abaixo dos valores encontrados por Salomão & Maia (2003) aos avaliarem os cultivares Nanicão (0,60% ácido málico), SH 3640 (0,86% ácido málico), Prata (0,90% ácido málico) e Prata Anã (0,92% ácido málico). Por outro lado, a média do ensaio foi bastante próxima aos relatados por Silva et al. (2002) em Prata Anã (0,29% ácido málico) e Coneglian et al. (2002) em frutos de banana Prata aos 12 dias após colheita (0,22% ácido málico). Este valor médio também se aproxima das observações de Martins et al. (2002) em frutos de Prata Anã com calibres de 32mm e 37mm de diâmetro (0,23% ácido málico e 0,25% ácido málico, respectivamente) e dentro da faixa observada por Ribeiro [2003] ao avaliar a aceitação e preferência sensorial de cultivares triplóides como Prata Anã, Prata Comum, Pacovan, Nam, Caipira e Nanicão (0,24% ácido málico a 0,64% ácido málico), mas abaixo dos híbridos tetraplóides Pioneira, PA03-22, PA03-44, PV03-76, JV03-15 e FHIA-18 (0,36% ácido málico a 0,53% ácido málico).

Grande parte dos sabores apresentados por muitos frutos é resultante da mistura das notas atribuídas ao sabor doce e ácido, sendo que a proporção açúcar/ácido pode ser acompanhada naturalmente através da relação SS/AT, permitindo que os frutos amadureçam até o ponto onde os açúcares tenham aumentado e os ácidos reduzidos para a proporção desejável. A relação SS/AT média (82,90) dos materiais estudados (Tabela 2) apresentou valor próximo aos encontrados nos genótipos Caipira (86,3) e Nanica (79,6) (Jesus et al.,2004), no genótipo nanicão (82,71) (Botelho et al., 2002) e no genótipo elite UENF 1529 (80,4) conforme Gomes et al. (2007). Por outro lado, pode ser considerada bastante elevada ao ser comparada aos valores encontrados por Silva et al. (2002) para PV42-68 (39,10), Pacovan (41,54) e Prata Comum (44,72) no estádio 6 de maturação, assim como nos estudos de Botelho et al. (2002) em frutos no primeiro ciclo de produção (média de 54,50). O cultivar FHIA-21 (99,23) diferiu estatisticamente de Thap Maeo (78,95), FHIA-18 e PV03-44 (77,48).

Os materiais apresentaram teor médio de lipídeos de 0,17% (Tabela 2) sem haver diferença estatística entre eles. Este desempenho foi bastante aproximado aos encontrados em bananas D'água crua e Banana-da-Terra (0,20%) (Franco, 2001), em Nanica (0,20%) (Nogueira & Torrezan, 1997), assim como em banana Ouro (0,20%) (Medina, 1985 citado por Nogueira & Torrezan, 1997), Prata e Banana-da-Terra (0,20%) (Motta & Motta, 1958, citados por Nogueira & Torrezan, 1997). Por outro lado, esta média foi inferior quando comparada aos valores de banana Prata crua (0,30%) relatados por Franco (2001) e Donadio (2007) para polpa de banana (0,30%).

Em relação ao teor protéico dos frutos dos cultivares resistentes à sigatoka-negra, a média do ensaio foi de 4,59% (Tabela 2), sendo superior aos valores encontrados por Franco (2001) em polpas cruas de bananas D'água e Prata (1,30%), Banana-da-Terra (2,20%) e Ouro (2,39%), assim como no cultivar Nanica (1,20%) relatado por Nogueira & Torrezan (1997), e em Ouro (2,39%) relatado por Medina (1985) citado por Nogueira & Torrezan (1997) e em Maçã (1,44%), Prata (2,30%), e Banana-da-Terra (2,60%) observados por Motta & Motta (1958) citados por Nogueira & Torrezan (1997). O cultivar PV03-44 (4,08%) diferiu estatisticamente dos demais, que apresentaram valores variando de 4,80% (Thap Maeo) a 4,53% (FHIA-21).

CONCLUSÕES

Os cultivares estudados Caipira, Thap Maeo, FHIA-01, FHIA-18 e PV03-44, considerados resistentes à sigatoka-negra, apresentaram diferenças quanto às características físico-químicas de seus frutos, nas condições de cultivo do Amapá.

Os cultivares resistentes apresentaram aspectos positivos de qualidade, principalmente no parâmetro relacionado ao atributo de sabor representado pela relação SS/AT, cujo valor elevado possivelmente leva à aceitação pelo consumidor.

BIBLIOGRAFIA CITADA

Association of Official Analytical Chemists (AOAC). 1990. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 15.ed. Washington, D.C. 2v.

Bleinroth, E.W. 1985. Matéria-prima. In: Medina, J.C.; Bleinroth, E.W.; Martin, Z.J. de.; Moretti, V.A. Banana - cultura, matéria-prima, processamento e aspectos econômicos. 2. ed. rev. e ampl. Instituto de Tecnologia de Alimentos, Campinas, São Paulo. p.133-196.

Botelho, M.A.P.; Vasconcelos, L.F.L.; Veloso, M.E. da C.; Souza, V.A.B. de; Carvalho, J.R.P. de. 2002. Avaliação de genótipos de bananeira no estado do Piauí. 3. Qualidade de fruto. In: 17º Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.

Busquet, R.N.B.; Coneglian, R.C.C.; Vasconcellos, M.A. da S.; Rosa, R. de C. da. 2002. Avaliação da maturação da banana prata (Musa spp.), submetida a diferentes concentrações de carbureto de cálcio. In: 17º Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.

Coneglian, R.C.C.; Santiago, A. da S.; Shimizu, M.K.; Costa, A.C.T. da. 2002. Utilização de reguladores vegetais e refrigeração na conservação pós-colheita em frutos de banana cv. 'Prata'. In: 17º Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.

Dias, J. do S.A.; Santos, I.C. dos; Souza, G.D. de; Oliveira, L.P.S. de. 2001. Doenças de plantas cultivadas no Amapá. Embrapa Amapá, Macapá, Amapá. 17p. (Circular Técnica, 19).

Dias, J. do S.A.; Yokomizo, G.K.; Rodrigues, M.C.; Silva, R.A. da; Gazel Filho, A.B. 2005. Avaliação da resistência de variedades de bananeira à sigatoka-negra no estado do Amapá. Fitopatologia Brasileira, 30(Suplemento): s.81.

Donadio, L.C. 2007. Dicionário das frutas. Jaboticabal, São Paulo. 300p.

Franco, G. 2001. Tabela de composição química dos alimentos. 9.ed. Ed. Atheneu, São Paulo. 307p.

Garcia, A. 1999. A sigatoka negra (Mycosphaerella fijiensis Morelet) - mais uma ameaça à produtividade da bananeira (Musa sp.) em Rondônia. EMBRAPA-CPAF- Rondônia, Porto Velho, Rondônia. 15p. (Circular Técnica, 46).

Gasparotto, L.; Pereira, J.C.R.; Pereira, M.C.N. 2002. Agricultura familiar no Amazonas - cultivares de bananeira resistentes à sigatoka-negra. Embrapa Amazônia Ocidental, Manaus, Amazonas. 1 Folder.

Gasparotto, L., Pereira, J.C.R., Albertino, S.M.F.; Pereira, M.C.N. 2008. Plantio adensado não controla a sigatoka-negra da bananeira. Acta Amazônica, 38(2): 189-192.

IBGE. 2005. Levantamento sistemático da produção agrícola. Disponível em: http//: ibge.com.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa. Acesso: 24/08/2005.

Gomes, M. da C.; Viana, A.P.; Oliveira, J.G. de; Pereira, M.G.; Gonçalves, G.M.; Ferreira, C.F. 2007. Avaliação de germoplasma elite de bananeira. Ceres, 54(312): 18-190.

Jesus, S.C. de; Folegatti, M.I. da S.; Matsuura, F.C.A.U.; Cardoso, R.L. 2004. Caracterização física e química de frutos de diferentes genótipos de bananeira. Bragantia, 63(3): 315-323.

Matsuura, F.C.A.U.; Costa, J.I.P. da; Folegatti, M.I. da S. 2004. Marketing de banana: preferências do consumidor quanto aos atributos de qualidade dos frutos. Revista Brasileira de Fruticultura, 26(1): 48-52.

Martins, R.N.; Dias, M.S.C.; Lima, L.C.; Costa, S.M.; Ribeiro Júnior, P.M.; Silva, M. S.; Castro, M.V. de. 2002. Efeito do diâmetro do fruto e do tratamento químico na conservação de bananas ‘Prata Anã' acondicionadas em atmosfera modificada e armazenada sob refrigeração. In: 17º Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.

MOREIRA, R.S. 1999. Banana - teoria e prática de cultivo. 2.ed. Fundação Cargill, São Paulo. 1 CD-ROM.

Nogueira, R.I.; Torrezan, R. 1997. Processamento e utilização. In: Alves, E.J. (Org.). A cultura da banana - aspectos técnicos, socioeconômicos e agroindustriais. Embrapa-SPI, Brasília, DF/Embrapa-CNPMF, Cruz das Almas, Bahia. p.545-585.

Parrela, R.A. da C.; Rodrigues, M.G.V.; Lima, L.C.; Dias, M.S.C.; Almeida, E.F.A.; Souza, I.A. de; Carvalho, M.M.; Araújo, R.A.; Silva, S. de O. e. 2002. Caracterização físico-química dos frutos de genótipos de bananeira produzidos no norte de Minas. In: 17º Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.

Ribeiro, D.E. [2003]. Avaliação sensorial de frutos de cultivares e híbridos de bananeira. In: Teses de fruticultura 1997-2002. [S.l.]: Sociedade Brasileira de Fruticultura, [2003]. 1 CD-ROM. Resumo.

Salomão, L.C.C.; Maia, V.M. 2003. Uso do ethephon para a climatização de quatro cultivares de banana. In: 5º Simpósio Brasileiro sobre Bananicultura. 1º Workshop do genoma Musa. Nova Civilização, Cruz das Almas, Bahia. p. 220-223.

Silva, S. de O.E.; Borges, A.L.; Alves, E.J.; Silveira, J.R.S. 2002. Nova bananeira. Cultivar, 2(11): 06-07.

Silva Filho, L.P. da; Moreira, A. 2005. Ensacamento de cachos na produção, maturação e qualidade dos frutos de bananeiras cultivadas no estado do Amazonas. Acta Amazonica, 35(4): 407-412.

Suman, R. 1996. Sigatoka negra - doença da bananeira. COBRAFI, Brasília, DF. 12p. (Alerta Quarentenário, 2).

Recebido em 14/12/2007

Aceito em 11/03/2009

  • Association of Official Analytical Chemists (AOAC). 1990. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 15.ed. Washington, D.C. 2v.
  • Bleinroth, E.W. 1985. Matéria-prima. In: Medina, J.C.; Bleinroth, E.W.; Martin, Z.J. de.; Moretti, V.A. Banana - cultura, matéria-prima, processamento e aspectos econômicos. 2. ed. rev. e ampl. Instituto de Tecnologia de Alimentos, Campinas, São Paulo. p.133-196.
  • Botelho, M.A.P.; Vasconcelos, L.F.L.; Veloso, M.E. da C.; Souza, V.A.B. de; Carvalho, J.R.P. de. 2002. Avaliação de genótipos de bananeira no estado do Piauí. 3. Qualidade de fruto. In: 17ş Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.
  • Busquet, R.N.B.; Coneglian, R.C.C.; Vasconcellos, M.A. da S.; Rosa, R. de C. da. 2002. Avaliação da maturação da banana prata (Musa spp.), submetida a diferentes concentrações de carbureto de cálcio. In: 17ş Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.
  • Coneglian, R.C.C.; Santiago, A. da S.; Shimizu, M.K.; Costa, A.C.T. da. 2002. Utilização de reguladores vegetais e refrigeração na conservação pós-colheita em frutos de banana cv. 'Prata'. In: 17ş Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.
  • Dias, J. do S.A.; Santos, I.C. dos; Souza, G.D. de; Oliveira, L.P.S. de. 2001. Doenças de plantas cultivadas no Amapá. Embrapa Amapá, Macapá, Amapá. 17p. (Circular Técnica, 19).
  • Dias, J. do S.A.; Yokomizo, G.K.; Rodrigues, M.C.; Silva, R.A. da; Gazel Filho, A.B. 2005. Avaliação da resistência de variedades de bananeira à sigatoka-negra no estado do Amapá. Fitopatologia Brasileira, 30(Suplemento): s.81.
  • Donadio, L.C. 2007. Dicionário das frutas. Jaboticabal, São Paulo. 300p.
  • Franco, G. 2001. Tabela de composição química dos alimentos. 9.ed. Ed. Atheneu, São Paulo. 307p.
  • Garcia, A. 1999. A sigatoka negra (Mycosphaerella fijiensis Morelet) - mais uma ameaça à produtividade da bananeira (Musa sp.) em Rondônia. EMBRAPA-CPAF- Rondônia, Porto Velho, Rondônia. 15p. (Circular Técnica, 46).
  • Gasparotto, L.; Pereira, J.C.R.; Pereira, M.C.N. 2002. Agricultura familiar no Amazonas - cultivares de bananeira resistentes à sigatoka-negra. Embrapa Amazônia Ocidental, Manaus, Amazonas. 1 Folder.
  • Gasparotto, L., Pereira, J.C.R., Albertino, S.M.F.; Pereira, M.C.N. 2008. Plantio adensado não controla a sigatoka-negra da bananeira. Acta Amazônica, 38(2): 189-192.
  • IBGE. 2005. Levantamento sistemático da produção agrícola. Disponível em: http//: ibge.com.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa Acesso: 24/08/2005.
  • Gomes, M. da C.; Viana, A.P.; Oliveira, J.G. de; Pereira, M.G.; Gonçalves, G.M.; Ferreira, C.F. 2007. Avaliação de germoplasma elite de bananeira. Ceres, 54(312): 18-190.
  • Jesus, S.C. de; Folegatti, M.I. da S.; Matsuura, F.C.A.U.; Cardoso, R.L. 2004. Caracterização física e química de frutos de diferentes genótipos de bananeira. Bragantia, 63(3): 315-323.
  • Matsuura, F.C.A.U.; Costa, J.I.P. da; Folegatti, M.I. da S. 2004. Marketing de banana: preferências do consumidor quanto aos atributos de qualidade dos frutos. Revista Brasileira de Fruticultura, 26(1): 48-52.
  • Martins, R.N.; Dias, M.S.C.; Lima, L.C.; Costa, S.M.; Ribeiro Júnior, P.M.; Silva, M. S.; Castro, M.V. de. 2002. Efeito do diâmetro do fruto e do tratamento químico na conservação de bananas Prata Anã' acondicionadas em atmosfera modificada e armazenada sob refrigeração. In: 17ş Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.
  • MOREIRA, R.S. 1999. Banana - teoria e prática de cultivo. 2.ed. Fundação Cargill, São Paulo. 1 CD-ROM.
  • Nogueira, R.I.; Torrezan, R. 1997. Processamento e utilização. In: Alves, E.J. (Org.). A cultura da banana - aspectos técnicos, socioeconômicos e agroindustriais. Embrapa-SPI, Brasília, DF/Embrapa-CNPMF, Cruz das Almas, Bahia. p.545-585.
  • Parrela, R.A. da C.; Rodrigues, M.G.V.; Lima, L.C.; Dias, M.S.C.; Almeida, E.F.A.; Souza, I.A. de; Carvalho, M.M.; Araújo, R.A.; Silva, S. de O. e. 2002. Caracterização físico-química dos frutos de genótipos de bananeira produzidos no norte de Minas. In: 17ş Congresso Brasileiro de Fruticultura: Os novos desafios da fruticultura brasileira, Sociedade Brasileira de Fruticultura. Belém, Pará. 1 CD-ROM.
  • Salomão, L.C.C.; Maia, V.M. 2003. Uso do ethephon para a climatização de quatro cultivares de banana. In: 5ş Simpósio Brasileiro sobre Bananicultura. 1ş Workshop do genoma Musa. Nova Civilização, Cruz das Almas, Bahia. p. 220-223.
  • Silva, S. de O.E.; Borges, A.L.; Alves, E.J.; Silveira, J.R.S. 2002. Nova bananeira. Cultivar, 2(11): 06-07.
  • Silva Filho, L.P. da; Moreira, A. 2005. Ensacamento de cachos na produção, maturação e qualidade dos frutos de bananeiras cultivadas no estado do Amazonas. Acta Amazonica, 35(4): 407-412.
  • Suman, R. 1996. Sigatoka negra - doença da bananeira. COBRAFI, Brasília, DF. 12p. (Alerta Quarentenário, 2).

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    11 Ago 2009
  • Data do Fascículo
    2009

Histórico

  • Aceito
    11 Mar 2009
  • Recebido
    14 Dez 2007
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Av. André Araujo, 2936 Aleixo, 69060-001 Manaus AM Brasil, Tel.: +55 92 3643-3030, Fax: +55 92 643-3223 - Manaus - AM - Brazil
E-mail: acta@inpa.gov.br