Estimativa da evapotranspiração na Bacia Amazônica (* * — Trabalho realizado com o auxílio da CNEN e da FAPESP (Processo-Física 73/479) e coordenado pelo DPCT da CNEN. )

N. A. Villa Nova E. Salati E. Matsui Sobre os autores

Resumo

O balanço hídrico da Bacia Amazônica é um problema de difícil solução, não somente pelas dimensões e características da região, como também pela escassez de dados meteorológicos e hidrológicos. Procurando estimar a grandeza dos principais componentes do balanço hídrico, foi realizado um estudo com dados da Região Amazônica brasileira e de algumas estações de outros países. Fez-se o balanço de energia e, com base no mesmo, fez-se o balanço hídrico da região, adaptando-se o método de Penman para as condições de florestas. Os dados obtidos indicam que 90% da evapotranspiração deve-se ao balanço de energia. A evapotranspiração real, deve, nesta região, ser aproximadamente igual à potencial e a média encontrada foi da ordem de 4mm/dia, ou seja, 1460mm/ano. Em uma primeira aproximação, a Bacia Amazônica funciona como. um sistema que recebe, através da precipitação, 12x1012m3 de água por ano, sendo este total balanceado por uma descarga superficial de 5,5 x 1012m3/ano e uma evapotranspiração de 6,48x1012m3/ano. Desde que a transpiração pelas plantas representa 54% da precipitação, tudo indica que um desmatamento intensivo deverá trazer alterações no ciclo hidrológico.

Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Av. André Araujo, 2936 Aleixo, 69060-001 Manaus AM Brasil, Tel.: +55 92 3643-3030, Fax: +55 92 643-3223 - Manaus - AM - Brazil
E-mail: acta@inpa.gov.br