The configuration of the Brazilian scientific field

RITA B. BARATA ERIKA ARAGÃO LUIS E.P. FERNANDES DE SOUSA TARIS M. SANTANA MAURICIO L. BARRETO Sobre os autores

O artigo descreve a configuração do campo científico no Brasil caracterizando as comunidades científicas em cada grande área do conhecimento em termos de sua capacidade instalada, capacidade de formação de novos pesquisadores e capacidade de produção acadêmica. São utilizados dados empíricos de diferentes fontes de informação para a caracterização das diferentes comunidades. Articulando as contribuições teóricas de Pierre Bourdieu, Ludwik Fleck e Thomas Kuhn são analisados os seguintes tipos de capital de cada comunidade: capital social (prestígio científico), capital simbólico (paradigma dominante), capital político (liderança na política de C&T) e capital econômico (recursos). O prestígio científico é analisado levando em conta o volume de produção, o índice de atividade, as citações e outros indicadores. Para a caracterização do capital simbólico são analisados teoricamente os paradigmas dominantes que distinguem as ciências naturais, as humanidades, as ciências aplicadas e o desenvolvimento da tecnologia. O capital político é medido pela presidência por uma das principais agências do sistema nacional de C&T e o capital econômico é determinado pelos recursos para pesquisa e concessão de bolsas. O artigo discute a composição destes diferentes tipos de capitais bem como suas correspondências com as capacidades estruturantes das diversas comunidades visando descrever a configuração do campo científico brasileiro.

comunidade científica; campo científico; ciência brasileira; capital científico


Academia Brasileira de Ciências Rua Anfilófio de Carvalho, 29, 3º andar, 20030-060 Rio de Janeiro RJ Brasil, Tel: +55 21 2533-6274, +55 21 2532-0562 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: aabc@abc.org.br