Differential regulation of catecholamine synthesis and transport in rat adrenal medulla by fluoxetine treatment

Mostramos recentemente que o tratamento crônico com fluoxetina agiu de forma a aumentar significativamente as concentrações de noradrenalina e adrenalina no plasma tanto nos controles quanto em ratos machos adultos cronicamente estressados. No entanto, os possíveis efeitos da fluoxetina na síntese de catecolaminas e recaptação na medula adrenal são em grande parte desconhecidos. No presente estudo, os efeitos do tratamento crônico com fluoxetina sobre a tirosina hidroxilase, uma enzima limitante da velocidade de síntese de catecolaminas, bem como a expressão gênica de um transportador de norepinefrina e do Transporter 2 de monoamina vesicular na medula adrenal foram investigados em animais expostos ao estresse leve crônico imprevisível (CUMS) durante 4 semanas. Análises de expressão gênica foram realizadas utilizando transcrição reversa-PCR quantitativa em tempo real. Animais com estresse crônico tiveram níveis aumentados de mRNA para tirosina hidroxilase e a expressão diminuída de ambos os transportadores. A fluoxetina aumentou a tirosina hidroxilase e diminuiu a expressão do gene transportador de norepinefrina tanto em ratos não estressados quanto em CUMS. Estes resultados sugerem que o tratamento crônico com fluoxetina aumentou os níveis plasmáticos de catecolaminas por afetar alterações opostas na síntese e absorção de catecolaminas.

medula adrenal; antidepressivos; expressão gênica; transportador de norepinefrina; tirosina hidroxilase


Academia Brasileira de Ciências Rua Anfilófio de Carvalho, 29, 3º andar, 20030-060 Rio de Janeiro RJ Brasil, Tel: +55 21 2533-6274, +55 21 2532-0562 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: aabc@abc.org.br