Re-induction of desiccation tolerance after germination of Cedrela fissilis Vell. seeds

TATHIANA E. MASETTO JOSE M. FARIA ANA C.R. FRAIZ Sobre os autores

O objetivo deste trabalho foi caracterizar a re-indução da tolerância à dessecação em sementes germinadas de Cedrela fissilis, utilizando polietileno glicol (PEG 8000). As mudanças celulares foram investigadas pelas avaliações citológicas (viabilidade celular e microscopia eletrônica de transmissão), bem como a integridade do DNA durante a perda e o restabelecimento da tolerância à dessecação. A perda da TD foi caracterizada pela secagem de sementes germinadas com diferentes comprimentos de radículas (1, 2, 3, 4 e 5 mm) em sílica gel, diminuindo o teor de água em intervalos a cada 10 pontos percentuais, seguido de pré-umidificação (100% UR / 24h) e reidratação. Para reinduzir a TD, sementes germinadas foram tratadas durante 72 h com PEG (-2.04 MPa) e PEG (-2.04 MPa) + ABA (100 µM) antes da desidratação. As sementes germinadas não toleraram a secagem até 10% de teor de água, independente do comprimento de radícula. Entretanto, quando incubadas em PEG, sementes com 1 e 2 mm de comprimento de radícula atingiram 71% e 29% de sobrevivência, respectivamente. O tratamento com PEG + ABA foi eficiente para restabelecer a tolerância à dessecação em sementes com radícula de 1 mm de comprimento (100% de sobrevivência). As avaliações ultraestruturais das células oriundas de radículas com 2 e 5 mm de comprimento confirmaram os resultados fisiológicos obtidos. Sementes germinadas de C. fissilis constituem ferramenta útil para as investigações de tolerância à dessecação.

alterações citológicas; integridade do DNA; plântulas; teor de água


Academia Brasileira de Ciências Rua Anfilófio de Carvalho, 29, 3º andar, 20030-060 Rio de Janeiro RJ Brasil, Tel: +55 21 3907-8100 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: aabc@abc.org.br