The transition from memory retrieval to extinction

Martín Cammarota Daniela M. Barros Mónica R.M. Vianna Lia R.M. Bevilaqua Adriana Coitinho Germán Szapiro Luciana A. Izquierdo Jorge H. Medina Iván Izquierdo Sobre os autores

A retenção das memórias é avaliada através da sua expressão. A expressão do traço mnemônico é iniciada freqüentemente pelo estímulo condicionado (CS); porém, como definido por Pavlov, a apresentação apenas do CS induz extinção. A esquiva inibitória de apenas uma sessão (IA) é um paradigma de condicionamento ao medo muito utilizado, no qual o CS é a parte segura da caixa de treinamento (plataforma), o estímulo incondicionado (US) é um choque aplicado nas patas do animal quando o mesmo desce da plataforma e a resposta condicionada é permanecer na área segura. Na IA, a expressão da memória é medida na ausência do US, sendo definida como a latência para descer da área segura. A extinção é instalada no momento da primeira sessão de teste, tal como fica claramente demonstrado pelo fato de que várias drogas, entre elas inibidores de síntese protéica, de PKA e de ERK e antagonistas dos receptores NMDA, impedem a extinção quando administrados no hipocampo ou na amígdala basolateral no momento da primeira sessão de teste, mas não mais tardiamente. Alguns, mas não todos os sistemas moleculares requeridos para a extinção, também são ativados pela expressão das memórias, fortalecendo a hipótese de que mesmo que a expressão seja comportamental e bioquimicamente necessária para a ocorrência da extinção, este último processo constitui um novo aprendizado, secundário a expressão do traço original.

memória; expressão; extinção; reconsolidação; esquiva inibitória


Academia Brasileira de Ciências Rua Anfilófio de Carvalho, 29, 3º andar, 20030-060 Rio de Janeiro RJ Brasil, Tel: +55 21 3907-8100 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: aabc@abc.org.br
Accessibility / Report Error