Novas referências de hepáticas (Marchantiophyta) da Floresta Nacional de Caxiuanã para o Estado do Pará, Brasil

New liverwort records for the Caxiuanã National Forest Pará State, Brazil

Resumos

São apresentadas no presente trabalho oito hepáticas referidas pela primeira vez para o Estado do Pará, sendo cinco delas novas referências também para a região Norte do país. Todas são provenientes da Estação Científica Ferreira Penna (ECFPn) (1º42'30"S e 51º31'45"W), localizada na Floresta Nacional de Caxiuanã (Flona Caxiuanã, Amazônia Oriental). São elas Ceratolejeunea desciscens (Sande-Lac.) Schiffn., Colura greig-smittii Jovet-Ast, Lejeunea raddiana Lindenb. Gottsche, Rectolejeunea emarginuliflora (Gottsche) A. Evans, Arachniopsis monodactyla (Spruce) R.M. Schust., Plagiochila aerea Tayl., Plagiochila gymnocalycina (Lehm. & Lindenb.) Lindenb. e Plagiochila martiana (Nees) Lindenb. São fornecidos comentários taxonômicos relevantes e ilustrações das espécies.

briófitas; brioflora; Estação Científica Ferreira Penna; Amazônia Oriental


Eight new records of liverwort species for Pará state are reported; five of these are also new records for Northern Brazil. These species come from the Ferreira Penna Scientific Station (1º42'30"S; 51º31'45"W) located in Caxiuanã National Forest (Eastern Amazonia). They are Ceratolejeunea desciscens (Sande-Lac.) Schiffn., Colura greig-smittii Jovet-Ast, Lejeunea raddiana Lindenb. Gottsche, Rectolejeunea emarginuliflora (Gottsche) A. Evans, Arachniopsis monodactyla (Spruce) R.M. Schust., Plagiochila aerea Tayl., Plagiochila gymnocalycina (Lehm. & Lindenb.) Lindenb. and Plagiochila martiana (Nees) Lindenb. Relevant taxonomic comments are included as well as species illustrations.

bryophytes; bryoflora; Ferreira Penna Scientific Station; Eastern Amazonia


Novas referências de hepáticas (Marchantiophyta) da Floresta Nacional de Caxiuanã para o Estado do Pará, Brasil

New liverwort records for the Caxiuanã National Forest Pará State, Brazil

Lisi Dámaris Pereira AlvarengaI,1 1 Autor para correspondência: lisidamaris@yahoo.com.br ; Regina Célia Lobato LisboaII; Ana Cláudia Caldeira TavaresIII

IUniversidade Federal de Pernambuco, CCB, Departamento de Botânica, Rua Prof. Moraes Rego s.n., Cidade Universitária, 50670-420 Recife, PE, Brasil (lisidamaris@yahoo.com.br)

IIMuseu Paraense Emílio Goeldi, C. Postal 399, 66040-170 Belém, PA, Brasil (regina@museu-goeldi.br)

IIIInstituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rua Pacheco Leão, 2040, Horto, 20460-430 Rio de Janeiro, RJ, Brasil (anatavares@jbrj.gov.br)

RESUMO

São apresentadas no presente trabalho oito hepáticas referidas pela primeira vez para o Estado do Pará, sendo cinco delas novas referências também para a região Norte do país. Todas são provenientes da Estação Científica Ferreira Penna (ECFPn) (1º42'30"S e 51º31'45"W), localizada na Floresta Nacional de Caxiuanã (Flona Caxiuanã, Amazônia Oriental). São elas Ceratolejeunea desciscens (Sande-Lac.) Schiffn., Colura greig-smittii Jovet-Ast, Lejeunea raddiana Lindenb. Gottsche, Rectolejeunea emarginuliflora (Gottsche) A. Evans, Arachniopsis monodactyla (Spruce) R.M. Schust., Plagiochila aerea Tayl., Plagiochila gymnocalycina (Lehm. & Lindenb.) Lindenb. e Plagiochila martiana (Nees) Lindenb. São fornecidos comentários taxonômicos relevantes e ilustrações das espécies.

Palavras-chave: briófitas, brioflora, Estação Científica Ferreira Penna, Amazônia Oriental

ABSTRACT

Eight new records of liverwort species for Pará state are reported; five of these are also new records for Northern Brazil. These species come from the Ferreira Penna Scientific Station (1º42'30"S; 51º31'45"W) located in Caxiuanã National Forest (Eastern Amazonia). They are Ceratolejeunea desciscens (Sande-Lac.) Schiffn., Colura greig-smittii Jovet-Ast, Lejeunea raddiana Lindenb. Gottsche, Rectolejeunea emarginuliflora (Gottsche) A. Evans, Arachniopsis monodactyla (Spruce) R.M. Schust., Plagiochila aerea Tayl., Plagiochila gymnocalycina (Lehm. & Lindenb.) Lindenb. and Plagiochila martiana (Nees) Lindenb. Relevant taxonomic comments are included as well as species illustrations.

Key words: bryophytes, bryoflora, Ferreira Penna Scientific Station, Eastern Amazonia

Introdução

O conhecimento sobre a brioflora brasileira teve início no começo de século XIX com o trabalho de naturalistas que realizavam expedições de coleta principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Norte do país (Pôrto 1996; Gradstein & Costa 2003).

O primeiro relato de briófitas para o Brasil foi feito por Raddi, em 1820, que publicou uma nova espécie de musgo, porém os estudos de maior importância para a flora briológica brasileira só apareceram a partir de 1830 com os trabalhos de Nees von Esenbeck, Martius, Montagne, Hornschuch, Müller, Hampe, Spruce, Mitten, entre outros (Vital 1969).

Ao longo de pouco mais de 200 anos, o conhecimento sobre a flora briofítica no Brasil tem aumentado bastante, no entanto quando se considera as áreas ainda não estudadas observa-se a necessidade de intensificar os trabalhos de coleta, principalmente quando se refere à Amazônia.

Segundo Lisboa (1991) os estudos de briófitas na Amazônia podem ser divididos em dois períodos: 1º-Período dos Grandes Naturalistas, iniciado com Martius e outros grandes naturalistas europeus; 2º- Período dos Briologistas, iniciado por volta de 1970 com as primeiras coletas de G. T. Prance e a vinda do briólogo Dana Griffin III para a Amazônia, além de outros pesquisadores do Projeto Flora Amazônica. Este período estende-se até os dias atuais.

Diversos levantamentos vêm sendo realizados na região amazônica, sendo a maioria deles incluídos no Projeto Briófitas do Estado do Pará, o qual dispõe de informações sobre vários municípios deste Estado que, entre outros, podem ser encontradas em: Lisboa (1993; 1994), Lisboa & Ilkiu-Borges (1997a; b), Lisboa & Nazaré (1997; 2002), Lisboa et al. (1999), Lisboa & Ilkiu-Borges (2001), Ilkiu-Borges & Lisboa (2002a; b; c; d; 2004), Santos & Lisboa (2003), Osakada & Lisboa (2004), Lisboa & Santos (2005a; b), Souza & Lisboa (2005). Nesses trabalhos observa-se sempre registros de novas ocorrências para o Estado do Pará, e em alguns deles até para a Amazônia e Brasil, fato já previsto em Lisboa (1994) onde ressaltou que à medida que fossem realizados mais trabalhos de coletas, novos registros seriam encontrados.

O presente trabalho objetivou ampliar o conhecimento sobre a brioflora através do registro de oito espécies de hepáticas para o Estado do Pará.

Material e métodos

O material é proveniente da Estação Científica Ferreira Penna (ECFPn) que se localiza no interior da Floresta Nacional de Caxiuanã (FLONA de Caxiuanã, 1º42'30"S-51º31'45"W), município de Melgaço, Pará. A cobertura vegetal em Caxiuanã apresenta ecossistemas típicos da floresta amazônica, possuindo áreas de mata de terra firme, mata de inundação (várzea e igapó) trechos de vegetação secundária (capoeira) de diversas idades e trechos de vegetação savanóide (campinas amazônicas) (Lisboa 2002).

As coletas de briófitas foram realizadas de acordo com Lisboa (1993), retirando-se, com auxílio de facão, as populações dos substratos aos quais estão na maioria das vezes firmemente aderidas, quando possível retirando juntamente parte destes para a melhor preservação da estrutura original das plantas. Os espécimes foram acondicionados em sacos de papel de 1 kg ou 2 kg. Em seguida à coleta, o material foi seco dentro dos sacos ao sol ou em estufa de campo (40-60 ºC) quando necessário, por exemplo, em caso de material muito úmido, como briófitas em galhos submersos.

Em laboratório, o material botânico foi examinado ao estereomicroscópio para observação do hábito e confecção de lâminas visando à observação ao microscópio de luz. Para a identificação específica e o embasamento dos comentários taxonômicos fornecidos nos resultados foi utilizada, basicamente, a seguinte bibliografia: Evans (1906), Jovet-Ast (1953), Fulford (1968), Gradstein (1994), Heinrichs et al. (1998), Grolle & Heinrichs (1999), Reiner-Drehwald & Goda (2000), Gradstein et al. (2001), Gradstein & Costa (2003), Dauphin (2003), Bastos (2004). A distribuição geográfica foi baseada em Gradstein & Costa (2003) e nos catálogos de Yano (1981; 1984; 1989; 1995). O sistema de classificação seguido foi o contido em Crandall-Stotler & Stotler (2000) para hepáticas e Buck &Goffinet (2000) para musgos. Todas as amostras encontram-se registradas no herbário "João Murça Pires" (MG) do Museu Paraense Emílio Goeldi.

Resultados e discussão

As oito hepáticas (Marchantiophyta) que são referidas pela primeira vez para o estado do Pará, são brevemente comentadas e ilustradas a seguir. As espécies que são novas ocorrências para a região Norte estão assinaladas com asterisco.

MARCHANTIOPHYTA

LEJEUNEACEAE

Ceratolejeunea desciscens (Sande-Lac.) Schiffn., Engler & Prantl., Nat. Pflanzenfam. 1(3): 126. 1893. Tipo. Suriname. Sem localidade, Focke s.n. (Holótipo, L).

Fig. 1-3

Esta é caracterizada pelo anfigastro inteiro, lóbulos tipicamente inflados na porção inferior e planos em direção à margem livre e perianto com cornos bulbosos. C. desciscens é a espécie mais comum do subgênero e se diferencia por apresentar (1)2-6 ocelos em fileira, diferindo de C. grandiloba Jack & Steph. e C. szyszylowiczii (Loitl.) Steph. que apresentam ocelos espalhados na lâmina, e pela margem do filídio inteira, diferindo de C. globulifera Herz. que possui margens denteadas. É encontrada, geralmente, como epífita em ambientes abertos como copas das árvores, e é registrada apenas para a Bacia Amazônia (floresta de planície) e para os Andes (até 1.400 m). Na ECFPn ocorreu sobre tronco vivo e tronco morto apenas em mata de terra firme.

Descrição detalhada: Dauphin (2003).

Distribuição geográfica: Neotropical. No Brasil: AM (Dauphin 2003).

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, trilha para o Plot 1 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco vivo, 18/X/2004, L.D.P. Alvarenga 202 (MG); ibidem, Plot 6 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco morto, 5/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 465 (MG).

Colura greig-smithii Jovet-Ast, Rev. Bryol. Lichénol. 22: 293. 1953. Tipo. Trinidad. Blanchisseuse Road. P. Greig-Smith (Holótipo, PC).

Fig. 4-7.

É uma espécie tipicamente epífila, como é comum no gênero, e apresenta as células do saco inflado mamilosas por projeções cônicas e saco oblongo a ovalado não mais que duas vezes mais longo que largo. C. greig-smithii se assemelha a C. tortifolia (Nees & Mont.) Steph., sendo que esta última possui o saco com forma cilíndrica e até quatro vezes mais longo que largo. C. greig-smithii ocorre, geralmente, em florestas tropicais e é registrada apenas para a América do sul em elevações desde o nível do mar até 700 m. Na ECFPn ocorreu sobre folha em mata de várzea e mata de terra firme.

Descrição detalhada: Jovet-Ast (1953).

Distribuição geográfica: América do Sul. No Brasil: AM, PE e SP (Gradstein & Costa 2003; Germano & Pôrto 2004).

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, igarapé Curuá, mata de várzea, sobre folha, 20/X/2004, L.D.P. Alvarenga 226 (MG); ibidem, trilha para o Plot 2 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre folha, 1/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 392 (MG).

*Lejeunea raddiana Lindenb. Gottsche, Lindenb. & Nees, Syn. Hepat.: 342. 1845. Tipo. Brasil. Raddi s.n. (holótipo, W [Lindenb. Hep. 6306]; isótipo, G 18049).

Fig. 8-10

Esta espécie caracteriza-se pelas margens dos filídios e dos periantos conspicuamente crenuladas, filídios geralmente apiculados e anfigastros pequenos. L. raddiana ocorre preferencialmente em madeira em decomposição e possui registro apenas para a Serra do Mar no Brasil (até 70 m) e para a Bolívia (até 700 m). Na ECFPn ocorreu como epífita e epíxila em mata de terra firme.

Descrição detalhada: Reiner-Drehwald & Goda (2000).

Distribuição geográfica: Brasil e Bolívia. No Brasil: RJ, SP e RS (Reiner-Drehwald & Goda 2000; Gradstein & Costa 2003)

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, trilha para o Plot 5 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre raiz de tronco vivo, 9/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 496 (MG); ibidem, sobre tronco morto, 9/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 505 (MG); ibidem, Plot 3 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco morto, 12/XI/2004, L. D. P. Alvarenga 588 (MG).

*Rectolejeunea emarginuliflora (Gottsche) A.Evans, Bull. Torrey Bot. Club 33: 14. 1906. Tipo. Cuba s/col, s/d, Wright 55.

Fig. 11-13

A presença de filídios caducos poucos modificados e produzidos em ramos ordinários e ocelos em menor número diferencia R. emarginuliflora de R. berteroana (Gottsche ex Steph.) A. Evans, a espécie mais comum do gênero, que produz os filídios caducos menores e em ramos flageliformes especializados. Ambas compartilham, contudo, o caráter dióico da inflorescência, o que as separa de R. monoica R.M. Schust. Outros caracteres típicos de R. emarginuliflora são as gemas talóides nas margens dos filídios caducos, ou protonemas conforme denomina Evans (1906), e ocelos basais pouco conspícuos, laminares e indistintos. A espécie geralmente ocorre como epífita em florestas ombrófilas e cerrado litorâneo. Na ECFPn ocorreu sobre tronco vivo em mata de terra firme e mata de várzea.

Descrição detalhada: Evans (1906).

Distribuição geográfica: Cuba, Porto Rico e Brasil. No Brasil: BA e SP (Gradstein & Costa 2003; Bastos & Yano 2003).

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, trilha para o Plot 1 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco vivo, 18/X/2004, L.D.P. Alvarenga 202 (MG); ibidem, igarapé Curuá, mata de várzea, sobre tronco vivo, 20/X/2004, L.D.P. Alvarenga 221 (MG).

LEPIDOZIACEAE

Arachniopsis monodactyla (Spruce) R.M.Schust. Nova Hedwigia 10: 30. 1965. Tipo. Brasil. S. Gabriel. Spruce, Hep. Scpruc.; fl. Negro, Cataracas, (Isótipo, NY); S. Gabriel e Panduré, Spruce, Hep. Spruc. (BM, G-13418, NY).

Fig. 14

É uma espécie bastante pequena e delicada em comparação com outras espécies de hepáticas, composta de caulídios com quatro a cinco fileiras de células e filídios bastante rudimentares consistindo de 1(2)-4 células com uma papila na extremidade. A. monodactyla é registrada para as Guianas, Colômbia, Costa Rica e Brasil e ocorre geralmente sobre madeira em decomposição e solo em sítios muito úmidos de florestas tropicais. Na ECFPn ocorreu em tronco morto e tronco vivo em mata de terra firme.

Descrição detalhada: Fulford (1968).

Distribuição geográfica: Neotropical. No Brasil: AM e ES.

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, Plot 5 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco morto, 9/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 528 (MG); ibidem, trilha para o Plot 3 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco morto, 12/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 560 (MG); ibidem, plot 1 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre raiz de tronco vivo, 16/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 616 (MG).

PLAGIOCHILACEAE

*Plagiochila aerea Tayl., London J. Bot. 5: 263. 1846. Tipo. Equador, Esmeralda 1827, Jamerson, s.n. "Greville Herb" (holótipo, E 00002817 [c. per., male]; Isótipo MANCH CC 7242, NY [c.per.], SW.

Fig. 15-17

Varia bastante em suas características, mas possui como peculiaridades mais distintivas os filídios linear-oblongos com dentes ciliados a lanceolados, geralmente com dois dentes bastante conspícuos no ápice, e as células da lâmina fortemente alongadas e com paredes espessas. P. aerea era registrada até então como epífita em florestas nebulosas. Na ECFPn ocorreu sobre tronco vivo em mata de várzea.

Descrição detalhada: Grolle & Heinrichs (1999).

Distribuição geográfica: Neotropical. No Brasil: DF (Gradstein & Costa 2003).

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, igarapé Curuá, mata de várzea, sobre tronco vivo, 20/X/2004, L.D.P. Alvarenga 219 (MG).

*Plagiochila gymnocalycina (Lehm. & Lindenb.) Lindenb. D'Orbigny, Voy Amer. Mér. 7, Bot. 2: 81. 1839.

Fig. 18-20

Caracteriza-se pelos filídios alongados e voltados para o lado ventral do caulídio, periantos nus e inférteis, com a boca finamente e densamente ciliada e invólucro feminino muito reduzido, isto é, periantos não envoltos por brácteas. Heinrichs et al. (1998) consideram P. gymnocalycina sinônimo de P. simplex (Sw.) Lindenb. mas, conforme comentam Gradstein & Costa (2003), esta última possui filídios menos alongados. P. gymnocalycina ocorre geralmente em tronco vivo e rochas em sítios úmidos de florestas montanas e formações arbustivas em elevações de 500 a 2.400 m. Na ECFPn ocorreu sobre tronco vivo, eventualmente na serrapilheira, em mata de terra firme.

Descrição detalhada: Heinrichs et al. (1998).

Distribuição geográfica: Neotropical. No Brasil: PE, MG, RJ, SP e SC (Gradstein & Costa 2003).

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, trilha para o Plot 1 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco vivo, 18/X/2004, L.D.P. Alvarenga 210 (MG); ibidem, trilha para o Plot 4 do projeto TEAM ,mata de terra firme, sobre tronco vivo, 22/X/2004, L.D.P. Alvarenga 275 (MG); ibidem, sobre tronco vivo, 26/X/2004, L.D.P. Alvarenga 296 (MG); ibidem, trilha para a torre de observação de 56 m, mata de terra firme, sobre tronco vivo, 31/X/2004, L.D.P. Alvarenga 366 (MG); ibidem, trilha para o Plot 2 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco vivo, 1/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 376 (MG); sobre tronco vivo, 1/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 380 (MG); ibidem, Plot 5 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre solo, 9/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 537 (MG); ibidem, trilha para o Plot 1 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre raiz de tronco vivo, 16/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 606 (MG).

*Plagiochila martiana (Nees) Lindenb. Sp. Hepat.: 75. 1840. Tipo. Brasil, col. Martius s.n.

Fig. 21-23

Caracteriza-se pelos filídios imbricados com margem ventral curto-decurrente e dorsal longo-decurrente e as margens denteadas, assemelhando-se a P. patula sendo que esta última é bem mais robusta e possui a base da margem ventral conspicuamente longo decurrente. P. martiana ocorre geralmente sobre tronco vivo em florestas de planície e sub-montanas desde o nível do mar até 1.100 m. Na ECFPn ocorreu sobre tronco vivo, algumas vezes semi-imerso, em mata de terra firme e mata de várzea.

Descrição detalhada: Gradstein & Costa (2003).

Distribuição geográfica: Neotropical. No Brasil: PE, MG, RJ, SP, SC, PR e RS (Gradstein & Costa 2003).

Material examinado: BRASIL. Pará: Município de Melgaço, Floresta Nacional de Caxiuanã, ECFPn, trilha para o Plot 5 do projeto TEAM, mata de terra firme, sobre tronco vivo, 9/XI/2004, L.D.P. Alvarenga 492 (MG); ibidem, entrada do Igarapé Santa Rosa, vegetação de várzea, sobre galho semi-imerso, 29/X/2004, L.D.P. Alvarenga 344 (MG); ibidem, sobre galho caído, 29/X/2004, L.D.P. Alvarenga 346 (MG); ibidem, sobre tronco vivo, 29/X/2004, L.D.P. Alvarenga 347 (MG); ibidem, Praia do Lisboa, vegetação de várzea, sobre tronco vivo, 29/X/2004, L.D.P. Alvarenga 354 (MG); ibidem, sobre base/raiz de tronco vivo, 29/X/2004, L.D.P. Alvarenga 357 (MG).

Mesmo com todos os extensivos levantamentos, a riqueza e diversidade da Amazônia têm se mostrado inesgotável. A exemplo, Lisboa & Ilkiu-Borges (1997) referiram 11 novas espécies para os estado do Pará e duas novas para o Brasil, e Ilkiu-Borges & Lisboa (2004), referiram três para o Pará e três para o Brasil. Este último trabalho é parte da dissertação de mestrado da primeira autora na qual, além das mencionadas, são referidas duas novas ocorrências para o estado do Pará e quatro para o Brasil, sendo uma nova para a América do Sul e uma nova para a ciência. É oportuno salientar que a autora analisou apenas uma família de briófitas, Lejeuneaceae, que é a mais importante e bem representada nos ecossistemas tropicais (Gradstein & Pócs 1989; Gradstein et al. 2001). Naturalmente, estudos incluindo todos os grupos podem revelar ainda muitas novidades.

Tendo em mente que estas foram resultantes de um breve inventário, o assinalamento destas novas referências para o Estado do Pará, portanto, ratifica a necessidade de estudos contínuos no bioma Floresta Amazônica. Conforme salientou Lisboa (1991), o estudo das briófitas na Amazônia é relativamente recente e necessita ser mais bem aprofundado.

Agradecimentos

As autoras agradecem a Maria Aparecida de Freitas do projeto TEAM (Tropical Ecology Assessement and Monitoring); à coordenação da Estação Científica Ferreira Penna e do Programa de Residência em Estudos Amazônicos nas pessoas de Alcir Favacho e Luiza Magali Henrique, respectivamente.

Recebido em 19/06/2006. Aceito em 21/12/2006

  • Bastos, C.J.P. 2004. Lejeuneaceae (Marchantiophyta) no estado da Bahia, Brasil Tese de Doutorado, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • Bastos, C.J.P. & Yano, O. 2003. New Records of the Genus Rectolejeunea (Lejeuneaceae) for the State of The Bahia, Brazil. Nova Hedwigia 76: 477-485.
  • Buck, W.R. & Goffinet, B. 2000. Morphology and Classification of Mosses. Pp. 71-123. In: J. Shaw & B. Goffinet (eds.). Bryophyte Biology Cambridge: Cambridge University Press.
  • Crandall-Stotler, B. & Stotler, R.E. 2000. Morphology and classification of Marchantiophyta. Pp. 21-70. In: J. Shaw & B. Goffinet (eds.). Bryophyte Biology Cambridge University Press, Cambridge.
  • Dauphin, G. 2003. Ceratolejeunea Flora Neotropica Monograph 90: 1-86.
  • Evans, A.W. 1906. Hepaticae of Puerto Rico. IV. Cheilolejeunea, Rectolejeunea, Cystolejeunea and Pycnolejeunea Bulletin of the Torrey Botanical Club 31: 183-226.
  • Fullford, M.H. 1968. Manual of leafy hepaticae of Latin America - Part III. Memoirs of The New York Botanical Garden 11: 277-392.
  • Germano, S.R. & Pôrto, K.C. 2004. Novos Registros de Briófitas para Pernambuco, Brasil. Acta Botanica Brasilica 18: 343-350.
  • Gradstein, S.R. 1994. Lejeuneaceae; Ptychantheae, Brachiolejeuneae. Flora Neotropica, Monograph 62: 1-225.
  • Gradstein, S.R. & Costa, D.P. 2003. Liverworts and Hornworts of Brazil. Memoirs of The New York Botanical Garden 88: 1-673.
  • Gradstein, S.R. & Pócs, T. 1989. Bryophytes. In: H. Lieth & M.J.A. Werger (eds.). Tropical Rain Forest Ecosystems 16: 311-325, Amsterdam.
  • Gradstein, S.R.; Churchill, S.P. & Salazar-Allen., N. 2001. Guide to the Bryophytes of Tropical America. Memoirs of The New York Botanical Garden 86: 1-577.
  • Grolle, R. & Heinrichs, J. 1999. Redescription and synonymy of Plagiochila aerea Taylor 1846 (Hepaticae), first described as Lycopodium pinnatum by Lamarck 1792. Nova Hedwigia 68: 511-525.
  • Heinrichs, J.; Gradstein, S.R. & Grolle, R. 1998. A revision of the neotropical species of Plagiochila (Dumort.) Dumort. (Hepaticae) described by Olof Swartz. Journal of the Hattori Botanical Laboratory 85: 1-32.
  • Ilkiu-Borges, A.L. & Lisboa, R.C.L. 2002a. Os Gêneros Cyrtolejeunea A. Evans e Drepanolejeunea Steph. (Lejeuneaceae) na Estação Científica Ferreira Penna (PA) e Novas Ocorrências. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica 18: 231-245.
  • Ilkiu-Borges, A.L. & Lisboa, R.C.L. 2002b. Os Gêneros Leptolejeunea e Raphidolejeunea (Lejeuneaceae) na Estação Científica Ferreira Penna, Pará, Brasil. Acta Amazonica 32: 205-215.
  • Ilkiu-Borges, A.L. & Lisboa, R.C.L. 2002c. Os Gêneros Lejeunea e Microlejeunea (Lejeuneaceae) na Estação Científica Ferreira Penna, Estado do Pará, Brasil, e Novas Ocorrências. Acta Amazonica 32: 541-553.
  • Ilkiu-Borges, A.L. & Lisboa, R.C.L. 2002d. Lejeuneaceae (Hepaticae). cap 5. Pp. 399-419. In: P.L.B. Lisboa (org.). Caxiuanã: Populações Tradicionais, Meio Físico e Diversidade Biológica Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi.
  • Ilkiu-Borges, A.L. & Lisboa, R.C.L. 2004. Cololejeuneae (Lejeuneaceae, Hepaticae) na estação Científica Ferreira Pena, Melgaço, PA, Brasil. Acta Botanica Brasilica 18: 887-902.
  • Jovet-Ast, S. 1953. Lê genre Colura Hépatiques. Lejeuneaceae, Diplasiae. Revue Bryologique et Lichénologique 22: 206-312.
  • Lisboa, P.L.B. (org.) 2002. Caxiuanã: populações tradicionais, meio físico e diversidade biológica Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi.
  • Lisboa, R.C.L. 1991. Histórico da briologia na Amazônia brasileira. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica 7: 69-77.
  • Lisboa, R.C.L. 1993. Musgos Acrocárpicos do Estado de Rondônia Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi.
  • Lisboa, R.C.L. 1994. Adições à brioflora do Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi 10: 15-42.
  • Lisboa, R.C.L. & Ilkiu-Borges, A.L. 1997a. Novas ocorrências de Bryophyta (musgos) para o Estado do Pará, Brasil. Acta Amazonica 27: 81-102.
  • Lisboa, R.C.L. & Ilkiu-Borges, A.L. 1997b. A Família Splacnobryaceae (Bryophyta) no Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica 13: 103-111.
  • Lisboa, R.C.L. & Ilkiu-Borges, A.L. 2001.Briófitas de São Luís do Tapajós, município de Itaituba, com novas adições para o Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica 17: 75-91.
  • Lisboa, R.C.L. & Lima, M.J.L. 1997. Leucophanaceae, nova família de Bryophyta para o Pará, Brasil. Acta Botanica Brasilica 11: 79-85.
  • Lisboa, R.C.L. & Santos, R.C.P.2005a. Helicophyllaceae (Bryophyta), nova ocorrência para o Estado do Pará, Brasil. Acta Amazonica 36: 343-346.
  • Lisboa, R.C.L. & Santos, R.C.P. 2005b. Ocorrência do Gênero Papillaria (Müll. Hal.) Müll. Hal. (Meteoriaceae, Bryophyta) na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Ciências Naturais 1: 61-63.
  • Oliveira-e-Silva, M.I.M.N. 1998. Briófitas da Reserva Ecológica de Rio das Pedras, Município de Mangaratiba, do Parque Estadual da Ilhas Grande e da Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul, Município de Angra dos Reis, Estado do Rio de Janeiro Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências. São Paulo.
  • Osakada, A. & Lisboa, R.C.L. 2004. Novas ocorrências de hepáticas (Marchantiophyta) para o Estado do Pará Brasil. Acta Amazonica 34: 197-200.
  • Pôrto, K.C. 1996. Briófitas. Pp. 91-103. In: E.V.S.B. Sampaio; S.J. Mayo & M.R.V. Barbosa (eds.). Pesquisa Botânica Nordestina: Progresso e Perspectivas Sociedade Botânica do Brasil, Regional Pernambuco, Recife.
  • Reiner-Drehwald, M.E. & Goda, A. 2000. Revision of the genus Crossotelejeunea (Lejeuneaceae, Hepaticae). The Journal of the Hattori Botanical Laboratory 89: 154.
  • Souza, A.P.S & Lisboa, R.C.L. 2005. Musgos (Bryophyta) na Ilha Trambioca, Barcarena, PA, Brasil. Acta Botanica Brasilica 19: 487-492.
  • Yano, O. 1981. A checklist of Brazilian Mosses. The Journal of the Hattori Botanical Laboratory 50: 279-456.
  • Yano, O. 1984. Checklist of Brazilian liverworts and hornworts. The Journal of the Hattori Botanical Laboratory 56: 481-548.
  • Yano, O. 1989. An additional checklist of Brazilian bryophytes. The Journal of the Hattori Botanical Laboratory 66: 371-434
  • Yano, O. 1995. A new additional annotated checklist of Brazilian bryophytes. The Journal of the Hattori Botanical Laboratory 78: 7-182.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    22 Nov 2007
  • Data do Fascículo
    Set 2007

Histórico

  • Aceito
    21 Dez 2006
  • Recebido
    19 Jun 2006
Sociedade Botânica do Brasil SCLN 307 - Bloco B - Sala 218 - Ed. Constrol Center Asa Norte CEP: 70746-520 Brasília/DF - Alta Floresta - MT - Brazil
E-mail: acta@botanica.org.br