Accessibility / Report Error

Grau de hidrometria do córtex de seis espécies arbóreas da caatinga

Hidrometric rate of the cortex of six arboreous species in the caatinga

Resumos

O grau de hidrometria do córtex é um dos principais fatores que influenciam o estabelecimento de epífitas no tronco das árvores. Considerando a ausência de informações sobre o assunto na literatura para as espécies da caatinga, o grau de absorção de água pelo córtex de seis espécies típicas de região semi-árida (Salgueirc-PE) foi determinado. Oito amostras de 100cm², com três repetições de cada espécie, foram coletadas em árvores adultas e sadias; as amostras foram colocadas em estufa (100ºC) por três dias, para obtenção do peso seco, mantidas em seguida em atmosfera saturada (UR 90-100%) por quatro dias, pesadas, imersas em água por dois dias e pesadas, para determinar a capacidade de absorção de água. Para cada espécie, correspondendo ao peso (g/100cm²) de (1) córtex desidratado, (2) água absorvida em atmosfera saturada e (3) água absorvida após imersão, os seguintes valores foram obtidos: Schinopsis brasiliensis Engl. (braúna): (1) 43,15; (2) 7,75; (3) 27,77; Spondias tuberosa Arr. Cam. (umbuzeiro): (1) 17,98; (2) 3,50; (3) 20,97; Bumelia sartorum Mart. (quixabeira): (1) 30,80; (2) 7,17; (3) 46,40; Mimosa hostilis Benth. (jurema-preta): (1) 35,77; (2) 7,63; (3) 29,34; Aspidosperma pyrifolium Mart. (pereiro): (1) 16,36; (2) 2,64; (3) 12,72; Croton sonderianus Muell. Arg. (marmeleiro): (1) 13,73; (2) 2,22; (3) 13,53. Considerando a água absorvida pelo córtex após imersão, as forófitas foram classificadas como: muito xéricas (pereiro e marmeleiro), xéricas (umbuzeiro, braúna, jurema-preta) e pouco xéricas (quixabeira).

epífitas; caatinga; córtex; hidrometria


The hidrometric rate of the bark is one of the main elements that influences the settlement of epiphytes on the trunk of trees. Considering there's no information in literature on this subject, for the species in the "caatinga", the extent of absorption of water by the cortex of six species typical of the semi dry region (Salgueiro-PE) was determined. Eight samples of 100 cm², with three repetitions of each species, were collected in healthy adult trees. The samples were placed in a stove (100ºC) for three days, to obtain dry weight. They were kept in saturated atmosphere (UR 90-100%) for four days, weighed, immersed in water (2 days) and weighed again to determine the capacity of the water absorption. For each species, corresponding to weight (g/100cm²) of (1) dehydrated bark, (2) water absorbed in saturated atmosphere and (3) water absorbed after immersion, these values were obtained: Schinopsis brasiliensis Engl, (braúna): (1) 43,15; (2) 7,75; (3) 27,77; Spondias tuberosa Arr. Cam. (umbuzeiro): (1) 17,98; (2) 3,50; (3) 20,97; Bumelia sartorum Mart, (quixabeira): (1) 30,80; (2) 7,17; (3) 46,40; Mimosa hostilis Benth. (jurema-preta): (1) 35,77; (2) 7,63; (3) 29,34; Aspidosperma pyrifolium Mart, (pereiro): (1) 16,36; (2) 2,64; (3) 12,72; Croton sonderianus muell. Arg. (marmeleiro): (1) 13,73; (2) 2,22; (3) 13,53. Considering the water absorbed by the cortex after immersion, the phorophytes were classified as: very xeric ("pereiro', "marmeleiro"), xeric ("umbuzeiro", "braúna", "jurema-preta") and low xeric ("quixabeira").

epiphytes; bark; "caatinga"; hidrometric rate


Grau de hidrometria do córtex de seis espécies arbóreas da caatinga

Hidrometric rate of the cortex of six arboreous species in the caatinga

Marilena Ferrari; Laise de H. C. Andrade; Maria Cleoneide S. Brito; Silas C. Brito Jr

Departamento de Botânica, Centro de Ciências Biológicas, Cidade Universitária, Recife-PE-Brasil

RESUMO

O grau de hidrometria do córtex é um dos principais fatores que influenciam o estabelecimento de epífitas no tronco das árvores. Considerando a ausência de informações sobre o assunto na literatura para as espécies da caatinga, o grau de absorção de água pelo córtex de seis espécies típicas de região semi-árida (Salgueirc-PE) foi determinado. Oito amostras de 100cm2, com três repetições de cada espécie, foram coletadas em árvores adultas e sadias; as amostras foram colocadas em estufa (100ºC) por três dias, para obtenção do peso seco, mantidas em seguida em atmosfera saturada (UR 90-100%) por quatro dias, pesadas, imersas em água por dois dias e pesadas, para determinar a capacidade de absorção de água. Para cada espécie, correspondendo ao peso (g/100cm2) de (1) córtex desidratado, (2) água absorvida em atmosfera saturada e (3) água absorvida após imersão, os seguintes valores foram obtidos: Schinopsis brasiliensis Engl. (braúna): (1) 43,15; (2) 7,75; (3) 27,77; Spondias tuberosa Arr. Cam. (umbuzeiro): (1) 17,98; (2) 3,50; (3) 20,97; Bumelia sartorum Mart. (quixabeira): (1) 30,80; (2) 7,17; (3) 46,40; Mimosa hostilis Benth. (jurema-preta): (1) 35,77; (2) 7,63; (3) 29,34; Aspidosperma pyrifolium Mart. (pereiro): (1) 16,36; (2) 2,64; (3) 12,72; Croton sonderianus Muell. Arg. (marmeleiro): (1) 13,73; (2) 2,22; (3) 13,53. Considerando a água absorvida pelo córtex após imersão, as forófitas foram classificadas como: muito xéricas (pereiro e marmeleiro), xéricas (umbuzeiro, braúna, jurema-preta) e pouco xéricas (quixabeira).

Palavras-chave: epífitas; caatinga; córtex; hidrometria.

ABSTRACT

The hidrometric rate of the bark is one of the main elements that influences the settlement of epiphytes on the trunk of trees. Considering there's no information in literature on this subject, for the species in the "caatinga", the extent of absorption of water by the cortex of six species typical of the semi dry region (Salgueiro-PE) was determined. Eight samples of 100 cm2, with three repetitions of each species, were collected in healthy adult trees. The samples were placed in a stove (100ºC) for three days, to obtain dry weight. They were kept in saturated atmosphere (UR 90-100%) for four days, weighed, immersed in water (2 days) and weighed again to determine the capacity of the water absorption. For each species, corresponding to weight (g/100cm2) of (1) dehydrated bark, (2) water absorbed in saturated atmosphere and (3) water absorbed after immersion, these values were obtained: Schinopsis brasiliensis Engl, (braúna): (1) 43,15; (2) 7,75; (3) 27,77; Spondias tuberosa Arr. Cam. (umbuzeiro): (1) 17,98; (2) 3,50; (3) 20,97; Bumelia sartorum Mart, (quixabeira): (1) 30,80; (2) 7,17; (3) 46,40; Mimosa hostilis Benth. (jurema-preta): (1) 35,77; (2) 7,63; (3) 29,34; Aspidosperma pyrifolium Mart, (pereiro): (1) 16,36; (2) 2,64; (3) 12,72; Croton sonderianus muell. Arg. (marmeleiro): (1) 13,73; (2) 2,22; (3) 13,53. Considering the water absorbed by the cortex after immersion, the phorophytes were classified as: very xeric ("pereiro', "marmeleiro"), xeric ("umbuzeiro", "braúna", "jurema-preta") and low xeric ("quixabeira").

Key words: epiphytes; bark; "caatinga"; hidrometric rate.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Agradecimentos

Os autores agradecem ao Prof. Antônio Lisboa, da Universidade Federal de Pernambuco, a ajuda na análise estatística dos dados.

  • ANDRADE-LIMA, D. de. 1960. Estudos fitogeográficos de Pernambuco. Arquivos do Instituto de Pesquisas Agronômicas, Recife, 5: 305-341.
  • ______. 1970. Recursos vegetais de Pernambuco. Boletim Técnico do Instituto de Pesquisas Agronômicas, Recife, 41:1-32.
  • BARKMAN, J. J. 1958. Phytosociology and ecology of Criptogamic epiphytes. Van Gorcum and Co., Assen, 628 p.
  • FERRARI, M.; ANDRADE, L. de H. C. & DUARTE, M. T. M. B. 1989. Grau de hidrometria do córtex e epitifismo em três indivíduos de Pterocarpus violaceus Vog. existentes no Jardim Botânico do Curado (Recife-PE). Revista nordestina de biologia (suplemento): entregue para publicação.
  • LE BLANC, F. 1962. Hydrométrie des écorces et épiphytisme. Revue Canadienne de Biologie, 21(1): 41-45.
  • LIMA, J. L. S. de. 1982. Reconhecimento de trinta espécies arbóreas e arbustivas da caatinga através da morfologia da casca. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.
  • RANAL, M. A. 1988. Estabelecimento e desenvolvimento da geração esporofítica de Pteridófitas em mata seca semidecídua do Estado de São Paulo. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Rio Claro.
  • REIS, A. C. de S. 1976. Clima de Caatinga. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 48(2): 325-335.
  • SCHWANKL, A. 1956. Bark. Thames and Hudson, London. 100 p.
  • SILVA. G. C. da. 1985. Flora e vegetação das depressões inundáveis da região de Ouricuri-PE. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    15 Jun 2011
  • Data do Fascículo
    1989
Sociedade Botânica do Brasil SCLN 307 - Bloco B - Sala 218 - Ed. Constrol Center Asa Norte CEP: 70746-520 Brasília/DF. - Alta Floresta - MT - Brazil
E-mail: acta@botanica.org.br