AVALIAÇÃO DO PADRÃO ÓSSEO ALVEOLAR EM MULHERES OBESAS E NÃO OBESAS, ANTES E APÓS A CIRURGIA BARIÁTRICA: UM ESTUDO DE COORTE PROSPECTIVO

Jefry Alberto VARGAS Rafaela Carolina Soares BONATO Eliel Soares ORENHA Silvia Helena de Carvalho SALES-PERES Sobre os autores


Radiografias periapicais direita e esquerda com exemplo em A de eutrófica com nível ósseo normal; em B de obesa mórbida antes da operação bariátrica, apresentando perda óssea; e em C de obesa mórbida após seis meses da operação apresentando grande perda óssea.

DESCRITORES:
Obesidade mórbida; Mandíbula; Implante dentário Subperiósteo


RESUMO

Racional:

A cirurgia bariátrica pode ter um impacto negativo na estrutura óssea bucal.

Objetivo:

Verificar o padrão ósseo alveolar por meio de índices radiomorfométricos da radiografia panorâmica e medidas lineares realizadas em radiografias periapicais, em pacientes eutróficas e obesas mórbidas antes e após a cirurgia bariátrica.

Métodos:

A amostra foi constituída por 31 mulheres com idade de 20 a 35 anos, sendo divididas em dois grupos: grupo obeso (GO-obesas de grau III) e grupo controle (GC-eutróficas). Foram avaliadas 20 eutróficas e 11 obesas mórbidas no pré e pós-operatório de operação bariátrica (seis meses). Índices radiomorfométricos e de placa dentária em ambos os grupos foram avaliados nos tempos T0 (baseline) e T1 (seis meses). Na análise radiográfica foram avaliados o padrão trabecular através da escada visual de Lindh e a perda óssea por meio do cálculo da distância da junção cemento-esmalte à crista óssea, em radiografias periapicais. Já as radiografias panorâmicas mensuram índice da cortical mandibular (ICM), índice mentoniano (IM) e índice panorâmico mandibular (IPM), além do índice de placa de Turesky.

Resultados:

Houve perda óssea significativa em T1 em pacientes do GO, quando comparada com as eutróficas (p<0,05). O padrão trabecular tornou-se mais esparso após a operação apresentando diferença visual. No índice de placa foi observada ligeira melhora após a operação e os eutróficos mantiveram valores similares ao longo do tempo.

Conclusão:

Pacientes obesas apresentam maior perda óssea, a qual piora após a operação bariátrica, quando comparada com pacientes eutróficas. O mesmo acontece com o trabeculado ósseo que se torna mais esparso após a operação.

DESCRITORES:
Obesidade mórbida; Mandíbula; Implante dentário Subperiósteo

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 - 6° - Salas 10 e 11, 01318-901 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (11) 3288-8174/3289-0741 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistaabcd@gmail.com