Colectomia eletiva laparoscópica esquerda para a doença diverticular: estudo monocêntrico sobre 205 pacientes consecutivos

RACIONAL: O aumento da prevalência de doença diverticular tornou o seu manuseio mais adequado uma questão de debate constante. Especialmente para os casos de diverticulite, progresso considerável tem sido feito em termos de diagnóstico e tratamento. A ressecção cirúrgica do cólon envolvido é a única maneira de erradicar definitivamente essa condição e, portanto, a colectomia laparoscópica eletiva surgiu como uma opção segura e interessante entre as várias formas de tratamento. OBJETIVO: Analisar os resultados das colectomias laparoscópicas esquerdas para a doença diverticular realizadas durante um período de 17 anos em uma única instituição. MÉTODOS: Entre abril de 1990 e maio de 2007, um total de 205 colectomias consecutivas esquerdas laparoscópicas foram revistas retrospectivamente. Os dados obtidos incluíram o pré-operatório, indicações para a operação, os dados cirúrgicos, complicações e seguimento. Análises estatísticas univariada e multivariada foram realizadas em um esforço para identificar os fatores de risco e efeitos adversos na série. RESULTADOS: As indicações foram diverticulite aguda (80%) não-complicada, diverticulite aguda ou crônica complicada (18,05%) e sangramento na doença diverticular (1,95%). A taxa de conversão foi de 5,85% (12 casos). A mediana do tempo operatório foi de 180 minutos (100-420), com internação hospitalar de 7 (5-44) dias. O comprimento médio do espécime ressecado foi 29,12 centímetros. A maioria dos casos (88,3%) teve curso pós-operatório normal, mas complicações ocorreram em 24 (11,7%) pacientes. Em ordem de frequência foram: íleo paralítico (n = 6), coleções pélvica (n = 4), obstruções intestinais (n = 4) e fístulas (n = 2), entre outros. Re-operação foi necessária em oito casos e houve um óbito (0,48%). O seguimento mediano foi de 26,5 (1-156) meses, com resultado satisfatório em 179 (87,32%) dos pacientes. Em 18 (8,78%) casos, os sintomas persistentes de distúrbios funcionais do cólon foram anotados. Houve sete (3,41%), estenoses da anastomose e em dois precisou de re-operação. A taxa de recidiva foi de 1,95% (4 casos). Idade e complicações intra-operatórias foram identificadas como fatores de risco para a conversão. A presença de lesões associadas foi significativamente correlacionada com a persistência de sintomas funcionais do cólon durante o seguimento. CONCLUSÕES: A colectomia laparoscópica esquerda é segura e eficaz em comparação com todas as outras modalidades de tratamento da doença diverticular. Diagnóstico preciso e cuidado nas indicações são essenciais para atingir bons resultados.

Colectomia laparoscópica; Diverticulite


Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 - 6° - Salas 10 e 11, 01318-901 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (11) 3288-8174/3289-0741 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistaabcd@gmail.com