BYPASS GASTROJEJUNAL EM Y-DE-ROUX: QUE TÉCNICA ANESTÉSICA APRESENTA MELHORES RESULTADOS?

Arthur RUZZON Paulo Afonso Nunes NASSIF Lais PRIGOL Lucas BUZO Guilherme WENDLER Eduardo WENDLER Ilana Barrichello Torres WENDLER Igor RUZZON Caio Henrique Marchette GOVEIA Lucas Augusto Prestes GONÇALVES Sobre os autores


Náuseas e vômitos grupos x momentos

DESCRITORES:
Obesidade; Bariátrica; Dor; ERAS; Recuperação; Opioide


RESUMO

Racional:

Com o aumento do número de operações bariátricas torna-se maior o interesse pelo conhecimento, experiência e habilidades no manejo operatório e anestésico de obesos. A recuperação anestésica é ponto importante na abordagem terapêutica e menos efeitos adversos que retardem a alta são necessários estar em mente da equipe cirúrgica.

Objetivo:

Comparar técnicas anestésico-analgésicas na era poupadora de opioides através da administração epidural de anestésico local associado à morfina em baixa dose vs. à clonidina e analisar o impacto da analgesia na efetividade da recuperação pós-operatória comparando as duas técnicas.

Métodos:

Ensaio clínico randomizado e duplo-cego com 66 pacientes candidatos ao bypass gastrojejunal em Y-de-Roux divididos em dois grupos: grupo morfina e grupo clonidina. A analgesia multimodal incluiu na anestesia epidural com ropivacaína 0,375% 20 ml na altura da oitava vértebra torácica a associação de morfina (grupo morfina) em dose de 15 mcg/kg ou de clonidina (grupo clonidina) na dose 1 mcg/kg.

Resultados:

Os grupos se mostraram homogêneos e foi encontrada significância estatística ao analisar a diferença da dor entre eles no primeiro pós operatório. A dor foi superior no grupo clonidina, como também neste período o resgate analgésico foi melhor neste grupo. Nos demais tempos não houve significância nas diferenças quanto à dor e resgate. O retorno da motilidade intestinal no grupo morfina foi mais precoce no primeiro pós-operatório. Náuseas, vômitos e a alta hospitalar não apresentaram diferenças significativas entre os grupos.

Conclusão:

A anestesia epidural com morfina em baixa dose permitiu menor dor durante todo internamento com impacto positivo em relação a recuperação dos pacientes.

DESCRITORES:
Obesidade; Bariátrica; Dor; ERAS; Recuperação; Opioide

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 - 6° - Salas 10 e 11, 01318-901 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (11) 3288-8174/3289-0741 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistaabcd@gmail.com