O PAPEL DA ECOENDOSCOPIA CONVENCIONAL NAS DECISÕES TERAPÊUTICAS EM PACIENTES COM TUMORES NEUROENDÓCRINOS GASTROINTESTINAIS

Rodrigo Dias da COSTA Rafael KEMP José Sebastião dos SANTOS Débora Azeredo Pacheco Dias COSTA José Celso ARDENGH Jurandir Marcondes RIBAS-FILHO Carmen Australia Paredes Marcondes RIBAS Sobre os autores


Tumor neuroendócrino gástrico mostrando invasão da camada muscular?

DESCRITORES:
Endossonografia; Tumor carcinoide; Carcinoma Neuroendócrino


RESUMO

Racional:

Tumores neuroendócrinos gastrointestinais são raros geralmente apresentados como tumores subepiteliais ou polipoides. O diagnóstico preciso e a indicação do tipo de ressecção ainda são desafiadores.

Objetivo:

Determinar a eficácia da ecoendoscopia em determinar a profundidade das lesões (T) identificadas pela endoscopia com objetivo de avaliar indicação cirúrgica e/ou endoscópica, e avaliar os resultados da remoção endoscópica em seguimento em médio prazo.

Métodos:

Foram incluídos 27 pacientes todos submetidos à ecoendoscopia para estadiamento tumoral TN e à avaliação de possível ressecção endoscópica. Os parâmetros estudados foram: tamanho da lesão, camada de origem, profundidade do acometimento e adenopatias perilesionais identificadas. Os critérios de inclusão para ressecção endoscópica foram: 1) risco cirúrgico elevado; 2) aqueles com TNE <2 cm; 3) ausência de comprometimento da muscular própria; e 4) ausência de adenopatias perilesionais na ecoendoscopia e em outros sem metástases à distância. Os critérios de exclusão foram TNE >2 cm; os com infiltração da muscular própria; com adenopatias perilesionais e metástases à distância. As técnicas utilizadas foram: ressecção com alça de polipectomia; mucosectomia com injeção de solução salina; e mucosectomia após a ligadura com banda elástica. O estudo anatomopatológico dos espécimes incluiu avaliação das margens e imunoistoquímica (cromogranina, sinaptofisina e Ki 67) para caracterizar o tumor. O seguimento foi feito com 1, 6 e 12 meses.

Resultados:

Ressecções com alça de polipectomia foram realizadas em 15 pacientes; mucosectomia em cinco; mucosectomia e ligadura com banda elástica em três e os quatro restantes foram encaminhados para cirurgia. O anatomopatológico dos espécimes e as análises imunoistoquímicas mostraram cromogranina e sinaptofisina positivas, enquanto que o Ki 67 foi menor que 5% dentre todos os casos. O seguimento em médio prazo revelou três recidivas. A média de tamanho dos tumores no estômago foi de 7,6 mm e no duodeno 7,2 mm. As lesões bem demarcadas, hipoecóicas, homogêneas ocorreram em 75%; da camada mucosa em 80%; e da mucosa profunda e submucosa em 70%.

Conclusões:

A ecoendoscopia mostrou ser bom método para o estudo de lesões subepiteliais podendo identificar a camada acometida pela neoplasia, grau de invasão, ecogeneicidade, heterogeneidade, tamanho da lesão e acometimento linfonodal perilesional e melhor indicar a opção de tratamento.

DESCRITORES:
Endossonografia; Tumor carcinoide; Carcinoma Neuroendócrino

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 - 6° - Salas 10 e 11, 01318-901 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (11) 3288-8174/3289-0741 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistaabcd@gmail.com