GASTRECTOMIA VERTICAL VS. GASTRECTOMIA VERTICAL AMPLIADA: QUAL O IMPACTO NA DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO EM RATOS OBESOS?

José Aparecido VALADÃO Plinio da Cunha LEAL Eduardo José Silva Gomes de OLIVEIRA Orlando Jorge Martins TORRES Luis Eduardo Veras PINTO Danilo Dallago De MARCHI Ozimo Pereira GAMA-FILHO Marco Aurelio SANTO Paulo Afonso Nunes NASSIF Sobre os autores

RESUMO

Racional:

A gastrectomia vertical ampliada é uma variação da técnica da gastrectomia vertical, necessitando de estudos a fim de elucidar a segurança em relação ao refluxo gastroesofágico.

Objetivo:

Analisar comparativamente gastrectomia vertical (GV) e gastrectomia vertical ampliada (GVA) em ratos com obesidade induzida por dieta cafeteria em relação à presença de esofagite de refluxo, perda de peso e alterações macroscópicas relacionadas aos procedimentos.

Método:

Trinta ratos Wistar foram randomizados em três grupos, e após período de indução de obesidade por meio de dieta cafeteria de 28 dias, foram submetidos a operação simulada (grupo controle GC), gastrectomia vertical (grupo GV) e gastrectomia vertical ampliada (grupo GVA). Os animais foram acompanhados por 28 dias no pós-operatório e, após a eutanásia, foi realizada a pesquisa de esofagite de refluxo através de avaliação histopatológica. Peso e avaliação macroscópica foram as outras variáveis de estudo, sendo o peso aferido semanalmente e a avaliação macroscópica no momento da eutanásia.

Resultados:

Todos os animais apresentaram algum grau de inflamação e a presença de ao menos um critério de inflamação, porém, não houve diferença estatisticamente significante na análise entre os grupos. Em relação à perda de peso, os animais do GC apresentaram aumento gradativo durante todo experimento evoluindo para super-obesidade ao término do estudo, enquanto os dos grupos GV e GVA tiveram reganho de peso após a primeira semana do pós-operatório, porém, reganho menos acentuado se comparável ao GC, tanto para GV quanto para GVA.

Conclusões:

Não há diferença em relação à esofagite de refluxo entre GV e GVA, bem como em relação às alterações macroscópicas. Ambas as técnicas têm capacidade de controlar a evolução do peso no pós-operatório em relação ao grupo controle.

DESCRITORES:
Gastrectomia; Refluxo gastroesofágico; Ratos; Cirurgia bariátrica

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 - 6° - Salas 10 e 11, 01318-901 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (11) 3288-8174/3289-0741 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistaabcd@gmail.com