Cetoacidose diabética: diferença entre as concentrações do potássio na gasometria sanguínea versus potássio plasmático

OBJETIVO: Avaliar a acurácia da mensuração da concentração de potássio realizado nos analisa-dores de gasometria sanguínea (PGS) em relação ao potássio plasmático laboratorial (PPL) no atendimento inicial dos pacientes com cetoacidose diabética (CAD). SUJEITOS E MÉTODOS: Foram avaliados, retrospectivamente, 53 pacientes com diabetes melito e CAD. A análise do PGS foi realizada pelo equipamento ABL 700 (Radiometer Copenhagen®), sendo este comparado ao método padrão-ouro de PPL ADVIA 1650 (Siemens®), ambos por potenciometria. RESULTADOS: A média do PGS foi de 3,66 mmol/L e do PPL, de 4,79 mmol/L. A diferença das médias do PGS em relação ao PPL foi de -1,13 mmol/L (p < 0,0005, IC = 95%; -1,39 a -0,86). O coeficiente de concordância de Lin foi de rc = 0,28 (ICb = 95%; 0,10 a 0,45), demonstrando, assim, uma baixa concordância entre os métodos. CONCLUSÃO: Apesar de a realização do PGS ser tecnicamente mais rápida e fácil, não deve ser usada como parâmetro substituto ao PPL para o tratamento clínico da CAD.

Cetoacidose diabética; potássio plasmático laboratorial; potássio no analisador de gasometria sanguínea


Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br