José Ribeiro do Valle e a endocrinologia paulista

memórias

José Ribeiro do Valle e a Endocrinologia Paulista

Ieda T.N.Verreschi

Professora Adjunta da Disciplina de

Endocrinologia, Universidade Federal de

São Paulo, S.P.

Recebido em 01/03/01

Aceito em 05/03/01

"Viver

como se fosse morrer amanhã;

Estudar como se fosse viver sempre".

A FRASE DE SANTO ISIDORO DE SEVILHA estampada na base do Ex-Libris (figura 1) do Prof. Dr. José Ribeiro do Valle reflete bem o seu temperamento e está de acordo com o que dele, recentemente, foi dito: - "como professor, sua maior aula foi a sua vida" (1).

O Dr. Valle está presente na Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) desde a sua fundação. Em 30-08-1954 participou da reunião na Santa Casa de São Paulo, na qual a Sociedade de Endocrinologia do Rio de Janeiro, fundada em 01-09-1950 passava a ser designada Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, tendo como primeiro presidente o Dr. Waldemar Berardinelli. A segunda diretoria, que também foi a primeira da Regional de São Paulo, teve como Presidente o próprio José Ribeiro do Valle, como vice Emilio Mattar e secretários Luciano Décourt e Nelson Poci (de São Paulo) e José Procópio do Valle e Danilo Albuquerque (do Rio de Janeiro) (2).

Revejo, como num filme, o dia, ao início dos anos 70, em que fui até "o Dr. Valle" pelas mãos do Dr. Décourt (o Luciano, seu amigo e contemporâneo à extinta Seção de Endocrinologia do Instituto Butantan). Para chegar a seu escritório, no segundo andar do prédio do Departamento de Bioquímica e Farmacologia, carinhosamente chamado de "Pampulha", era necessário galgar a escadaria do saguão, onde ainda hoje resiste "A Introdução Pictórica à Medicina Experimental do Brasil" (Pietro Nerici, 191811 Pintor italiano radicado em São Paulo. Pintor italiano radicado em São Paulo. ). À sua sala, ao abrir-se a porta, prontamente ficava-se cativado pelo seu sorriso perene que sem peias, revelava suas virtudes humanas, embora do ambiente emanasse o rigor científico do seu trabalho.

Sem bem saber – talvez devido à inconseqüência da minha juventude – estava presenciando a criação do Curso de Pós-Graduação em Endocrinologia da Escola Paulista de Medicina (EPM). A partir desta data, envolvi-me com seus estudos sobre o estado hormonal de cadelas virilizadas ao nascer e que viria a ser a Tese de Doutoramento do José Gilberto Aucélio, posteriormente Prof. Titular de Farmacologia da UNB (3); além de receber o seu apoio no desenvolvimento das sofisticadas técnicas preparativas para as dosagens dos hormônios esteróides, tanto para aplicação à rotina laboratorial como para algumas pesquisas em andamento, culminando com o meu ingresso no setor de Endocrinologia Experimental para obter o Mestrado em seu Curso de Pós-Graduação (4,5). Talvez pelo mesmo motivo, também sem prever, esta apresentação, como um nó em preparação "in vitro", com firmeza, sem ferir e sem ceder, ligaria o Departamento (Farmacologia) e a Disciplina (Endocrinologia), malgrado a morte prematura do Professor Décourt no outono de 75, pois o Curso de Pós-Graduação de Endocrinologia, nascido em 1971, seguiu seu curso, com Mario Philomeno Caleiro Lima, a caminho do credenciamento definitivo pelo MEC, em 1977.

José Ribeiro do Valle nasceu em 15-08-1908 em Guaxupé, no Sul de Minas Gerais, cidade "com seus morros, poeira, sinos de Igreja e seus valores" (6) (figura 2). Fez o curso secundário no Colégio Arqui diocesano de São Paulo e graduou-se pela Faculdade de Medicina de São Paulo em 1932, trabalhando logo a seguir sob a direção de Franklin Moura Campos no Laboratório de Fisiologia daquela Faculdade, onde defendeu a tese de Doutoramento sobre catatonia experimental, em 1933. O seu papel na História da Endocrinologia Paulista pode ser visto em três períodos distintos:

Na origem da especialidade, entre 1934 e 1948, na seção de Fisiopatologia do Instituto Butantan em São Paulo (7).

Na solidificação da SBEM como órgão representativo da especialidade no Brasil e na Escola Paulista de Medicina, o reconhecimento da Disciplina de Endocrinologia Clínica, posteriormente incorporada ao recém criado Departamento de Medicina, entre 1948 e 1959, exercendo a Cátedra de Farmacologia dos Laboratórios de Química Fisiológica e Farmacologia (8).

Da "Pampulha" ao INFAR, centro difusor, apoio e berço de pesquisadores, entre 1959 e 1978, lançando as bases da Universidade das Ciências da Saúde UNIFESP e formulando critérios para os Cursos de Pós-Graduação Senso Estrito (8,9).

Foi o fascínio da fisiologia experimental praticada com Thales Martins no Instituto Butantan, que fixou definitivamente o jovem médico à experimentação animal. Thales César de Pádua Martins (1896-1979), já renomado fisiologista em Manguinhos, viera para São Paulo a fim de reger a Cátedra de Fisiologia da recém fundada Escola Paulista de Medicina, acumulando as funções como Assistente-Chefe da Seção de Fisiopatologia do Instituto Butantan. Ribeiro do Valle foi seu assistente, na Escola, auxiliando na implantação do curso de fisiologia e no Instituto, como pesquisador associado, na seção de Endocrinologia Experimental (figura 3).

Os seus estudos sobre o efeito de hormônios sobre a motricidade da musculatura genital foram publicados em revistas de maior impacto no mundo científico da época, incluindo-se entre eles a sua tese para a Cátedra de Farmacologia à Escola Paulista de Medicina "Farmacologia do Canal Deferente e da Vesícula Seminal de Cobaia (Papel dos hormônios sexuais)". Em 1946, segue para os Estados Unidos e Canadá trabalhando com H.M.Evans, E.M.K.Geilling e T.Gallangher e quando de lá retorna em 1948 encontra desmontado, por razões políticas, o sonhado "Instituto de Endocrinologia" do Butantan.

Com o fim da seção de Endocrinologia do Instituto Butantan, o grupo formado pelos dois José, o Ribeiro do Valle e o Leal Prado, o casal Olga e Sebastião Baeta Henriques e os clínicos José Ignácio Lobo, Luciano Décourt, Álvaro Marcondes da Silva e Ananias Porto fixam-se à Escola Paulista de Medicina. Os quatros primeiros formam um precursor departamental ao unirem, em prédio construído para tal fim, os laboratórios das Cátedras de Farmacologia e Química Fisiológica, abrindo suas portas principalmente para químicos, pois anteviam a sua importância para o desenvolvimento das Ciências Básicas na Medicina. Por outro lado os clínicos, que traziam consigo os arquivos dos casos atendidos no Hospital do Butantan, liderados por José Ignácio Lobo, deram início à Cadeira de Endocrinologia e Nutrição da EPM. Seguramente, sem o respeitável apoio do Prof. Valle, por razões particulares, teria sido difícil a substituição acadêmica daquele por Luciano Décourt, no que veio a ser a Disciplina de Endocrinologia do Departamento de Medicina, quando este foi criado por Jairo Ramos, precisamente 50 anos atrás.

O último período a que me refiro aproxima-se temerosamente do presente, mas nele ouso destacar: a) a efervescência científica no eixo Pampulha-INFAR, o primeiro Instituto Nacional de Farmacologia a abrigar pesquisadores nas diferentes áreas básicas do ensino médico e que, com justiça, ainda em vida, levou o nome José Ribeiro do Valle; b) o significativo número de alunos e pesquisadores que ali se formaram; c) a construção de base sólida para os cursos de Pós-Graduação da própria instituição.

Já instalados em prédio próprio inaugurado em 1956, graças ao apoio do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq)21 Pintor italiano radicado em São Paulo. Pintor italiano radicado em São Paulo. e da Fundação Rockefeller, o que logo seria Departamento de Bioquímica e Farmacologia, recebe novo impulso com a vinda de novos pesquisadores como a química (USP, 1949) Zuleika Picarelli e o médico (EPM, 1957) Elizaldo Luiz de Araújo Carlini. "O número de assistentes em dedicação completa à Cátedra e aos alunos, a qualidade dos pesquisadores,... trabalhando ativamente na solução de problemas da especialidade, neste ambiente o aluno pode vislumbrar a importância do método científico e o pós-graduado compreenderá sua importância".

A opinião de Antônio Roberto Chacra, professor titular e atual chefe da Disciplina de Endocrinologia ajusta-se com precisão às idéias do Dr.Valle, 1977 (8). Refere ele que em 1963, executando os experimentos em órgãos isolados e discutindo os resultados com estes professores, a sua turma não só vislumbrou a importância do método científico como muitos se tornaram pesquisadores básicos liderando as suas áreas, como Antônio José Lapa e Maria Lygia Cordeiro de Abreu (Farmacologia); Cláudio Augusto Machado Sampaio e Misako Uemura Sampaio (Bioquímica) e Durval Rosa Borges (Bioquímica aplicada a clínica). É neste mesmo ano (1963), que Aron Jurkievicz conclui o curso médico, vindo posteriormente formar com Neide Hyppolito Jurkievicz, o setor de Modo de Ação de Drogas. Em anos posteriores viria João Hamilton Romaldini, hoje tiroidologista conceituado; enquanto professor, na elaboração de tese, Geraldo Rodrigues de Lima destacado Ginecologista-Endócrino brasileiro; ou ainda outros que por ali passaram em cursos ou nos tradicionais seminários das tardes de segunda-feira, como Waldemar Ladowsky e Andrés Negro-Villar.

Quanto ao seu empenho para o desenvolvimento da pós-graduação senso-estrito na EPM, que iniciou formalmente em 1970, resultou em credenciamento pelo Conselho Federal de Educação a partir de 1972 e 1974, respectivamente para os cursos das áreas básicas e clínicas. O Dr. Valle foi o primeiro coordenador da "Comissão de Pós-Graduação", colegiado que inicialmente regia estes cursos, hoje transformado em Pró-Reitoria.

Afastado do convívio com os amigos após um longo período de enfermidade, o Dr. Valle faleceu em São Paulo, em 19 de dezembro de 2000. Novamente retorno a sua sala, e com seu sorriso em mente, constatando a riqueza da documentação que consultei, repito a sua frase ao finalizar o livro comemorativo dos 40 anos de fundação da EPM (8): "A tarefa foi agradável e para executá-la obedeci à lei de Parkinson pela qual todo trabalho é realizado no tempo que se dispõe a faze-lo".

Louvando esta oportunidade, recordo também com alegria aquela noite solene de 20 de abril de 1994, no Palácio Bandeirantes por ocasião da abertura do I Congresso Paulista de Endocrinologia e Metabologia (COPEM), na qual me foi dada a honra de passar à Prof. Dra. Zuleika Picarelli Ribeiro do Valle a homenagem a ele prestada pela Diretoria da SBEM-SP.

REFERÊNCIAS

1. Lapa AJ. Professor José Ribeiro do Valle. Webmaster UNIFESP web@listserver.epm.br, Fri, 19 jan 2001.

Endereço para correspondência:

Ieda T.N.Verreschi

Laboratório de Esteróides

Disciplina de Endocrinologia, Departamento de Medicina

Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM)

Rua Pedro de Toledo, 781/13º. andar

Tel: (011) 5574-6502

verreschi-endo@pesquisa.epm.br

2 Vale lembrar que também o CNPq completa 50 anos este ano (Pesquisa/FAPESP, janeiro/fevereiro de 2001).

  • 2. Histórico da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Fundada em 1.9.1950). Publicaçăo dos Laboratórios Sarsa:Rio de Janeiro, GB 1968.
  • 3. Aucélio JG, Verreschi ITN. Excreçăo urinária de 17-cetosteróides em căes e cadelas normais. Cięncia e Cultura 1973;25(6,supl):486.
  • 4. Verreschi ITN, Abreu ML, Valle JR. Influęncia do tratamento de ratos com andrógenos no desenvolvimento e na reatividade de vesículas seminais. Cięncia e Cultura 1977;29:603.
  • 5. Verreschi ITN. Açăo de Andrógenos sobre o Trofismo e a Reatividade de Vesículas Seminais de Ratos. A glândula submaxilar como índice de androgenizaçăo Tese de Mestrado. Escola Paulista de Medicina, Săo Paulo, 1978.
  • 6. Prado L, Valle JR. In Valle JR, ed. A Escola Paulista de Medicina. Dados comemorativos do seu 40ş aniversário (1933-1973) e anotaçőes recentes. Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais S/A:Săo Paulo, 1977. p178-82.
  • 7. Verreschi ITN. A Endocrinologia em Săo Paulo. In Póvoa LC, ed. História da Endocrinologia no Brasil, 2a. ed. Diagraphic Editora:Rio de Janeiro, 2000. p47-71.
  • 8. Valle JR. A Escola Paulista de Medicina. Dados comemorativos do seu 40ş aniversário (1933-1973) e anotaçőes recentes. Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais S/A:Săo Paulo, 1977.
  • 9. Valle JR. Aos Setenta Anos. Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais S/A:Săo Paulo, 1978.

  • 1 Pintor italiano radicado em São Paulo.
    Pintor italiano radicado em São Paulo.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    29 Jun 2001
  • Data do Fascículo
    Abr 2001

Histórico

  • Recebido
    01 Mar 2001
  • Aceito
    05 Mar 2001
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br