Acompanhamento de longo prazo após a ressecção de metástases na tiroide de carcinoma hepatocelular em fígado cirrótico

As metástases de carcinoma hepatocelular (CHC) em tiroide são raras e o prognóstico é ruim. Relatamos o caso de uma paciente de 62 anos de idade atendida em nossa clínica devido a uma massa abdominal levemente dolorida. Naquele momento, a concentração de alta-fetoproteína era muito alta, chegando a 49.831,7 ng/mL. O ultrassom de abdômen mostrou uma massa heterogênea no segmento IV do fígado, que foi diagnosticada como CHC por meio de ressonância magnética. A paciente foi submetida a uma ressecção cirúrgica, e a análise histológica do espécime confirmou o CHC. As metástases na tiroide foram detectadas 17 meses após a ressecção do fígado. Embora a presença de metástases indique doença avançada, a tiroidectomia foi feita porque não foram detectadas outras metástases distantes. De fato, três anos após a tiroidectomia, a paciente está bem e os exames de rotina mostraram não haver recorrência do tumor. A concentração atual de alfa-fetoproteína é de 8 ng/mL. Concluiu-se que as metástases de CHC em tiroide não são comuns e espera-se uma sobrevida curta. Entretanto, deve-se encorajar a ressecção cirúrgica, especialmente no caso de metástases solitárias.


Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br