Hipotireoidismo subclínico e risco de aterosclerose carotídea

OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi avaliar se o hipotireoidismo subclínico (HSC) está associado a aterosclerose de carótida, dislipidemia e hipertensão arterial. SUJEITOS E MÉTODOS: O estudo incluiu 69 pacientes consecutivos recém-diagnosticados com HSC e 30 controles pareados. Índice de massa corpórea, TSH, T4L, anticorpos antiperoxidase (TPO), perfil lipídico, pressão arterial, espessamento carotídeo íntima-média máximo (ECIM) e médio foi determinado em todos os indivíduos. RESULTADOS: Os valores médios de ECIM, triglicérides e razão colesterol total/C-HDL foram significantemente diferentes entre pacientes e controles. Regressão linear múltipla demonstrou que TSH, pressão arterial diastólica e triglicérides foram fatores independentes preditores de ECIM médio, T4L para ECIM máximo e TSH, T4L, idade e colesterol total/HDL-C para presença de placa carotídea. CONCLUSÃO: Nossos resultados indicam que HSC é associado com aumento do ECIM e presença de placas carotídeas, independentemente dos fatores de risco clássicos para aterosclerose.

Hipotireoidismo subclínico; aterosclerose; dislipidemia; hipertensão arterial; espessamento carotídeo íntima-média máximo


Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br