Fatores implicados com a hipertensão em pacientes com acromegalia ativa e inativa

INTRODUÇÃO: Existem várias complicações no sistema cardiovascular causadas pela acromegalia, especialmente a hipertensão. OBJETIVOS: Avaliar as características da hipertensão em pacientes com acromegalia curada/controlada e com doença ativa. PACIENTES E MÉTODOS: Estudo transversal com 44 pacientes com acromegalia seguidos em nosso serviço. Eles foram submetidos a avaliação clínica, exames laboratoriais e ecocardiograma. Pacientes com doença curada/controlada foram avaliados como um grupo único e os indivíduos com doença ativa como outro grupo. RESULTADOS: Quarenta e sete por cento dos pacientes apresentaram acromegalia ativa. Esses indivíduos foram mais jovens e apresentaram níveis mais baixos de pressão arterial que os indivíduos com doença controlada/curada. A hipertensão foi detectada em 50% da amostra. Indivíduos com doença ativa mostraram uma correlação positiva entre os níveis de IGF-1 e os níveis de pressão arterial sistólica e de pressão arterial diastólica (r = 0,48, p = 0,03; e r = 0,42, p = 0,07, respectivamente) e também apresentaram uma correlação positiva entre IGF-1 e excreção urinária de albumina (EUA). Em pacientes com doença ativa, o IGF-1 foi um preditor da pressão arterial sistólica, embora não tenha sido independente da taxa de EUA. Para indivíduos com doença curada/controlada, a circunferência da cintura e os triglicérides foram os preditores associados aos níveis de pressão arterial sistólica e diastólica. CONCLUSÕES: Nossos resultados sugerem que os níveis pressóricos em pacientes com acromegalia ativa dependem do excesso de GH. No entanto, uma vez que a doença torna-se controlada e os níveis de IGF-1 reduzem, os níveis de pressão arterial dependerão de outros fatores de risco cardiovasculares.

Acromegalia; hipertensão; risco cardiovascular


Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br