Osteoporose Induzida por glicocorticóides: aspectos clínicos e terapêuticos

Gherardo Mazziotti Andrea Giustina Ernesto Canalis John P. Bilezikian

A osteoporose induzida por glicocorticóides (OIG) é a forma mais comum de osteoporose secundária. Fraturas, que são freqüentemente assintomáticas, podem ocorrer em até 30_50% dos pacientes recebendo terapia glicocorticóide crônica. Fraturas vertebrais ocorrem logo após exposição aos glicocorticóides, ocasião em que a densidade mineral óssea (DMO) diminui rapidamente. As fraturas tendem a ocorrer mais com níveis elevados de DMO do que em mulheres com osteoporose da pós-menopausa. Os glicocorticóides têm efeitos diretos e indiretos sobre o esqueleto: eles impedem a replicação, a diferenciação e a função dos osteoblastos e induzem apoptose dos osteoblastos maduros e osteócitos. Esses efeitos levam à supressão da formação óssea, uma manifestação central da patogênese da OIG. Os glicocorticóides também favorecem a osteoclastogênese e, como conseqüência, aumentam a reabsorção óssea. Os bisfosfonatos são a mais efetiva das várias terapias que têm sido avaliadas para o manuseio da OIG. Estratégias terapêuticas com anabolizantes estão sendo investigadas. O teriparatídeo parece também ser eficaz no tratamento de pacientes com OIG.

Osteoporose; Fraturas; Terapia com glicocorticóides; Densidade mineral óssea; Formação óssea; Bisfosfonatos; Teriparatídeo


Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br