Do hiperparatiroidismo primário leve ao severo: a experiência brasileira

Francisco Bandeira Luiz Griz Gustavo Caldas Cristina Bandeira Eduardo Freese Sobre os autores

Na maioria dos relatos da literatura recente, o hiperparatiroidismo primário apresenta-se, com freqüência, na forma assintomática. Em nossa instituição utilizamos a determinação rotineira do cálcio sérico há 23 anos. Em nossa série de 124 casos consecutivos, 45% não apresentavam sintomas relacionados com a doença, 25% tinham envolvimento esquelético intenso com osteíte fibrosa cística, 25% tinham nefrolitíase sem envolvimento ósseo severo, e 2% apresentavam a síndrome neuro-psiquiátrica típica. Esse mesmo padrão tem sido observado na cidade de São Paulo. Na doença severa são freqüentes as fraturas patológicas, especialmente nos ossos longos dos membros inferiores, como também a reabsorção da lâmina dura dos dentes e o aspecto em "sal e pimenta" nas radiografias do crânio. A densidade mineral óssea mostra-se extremamente reduzida nesses pacientes, mas em geral exibe melhora marcante após a cura cirúrgica. O PTH no soro e os marcadores bioquímicos da remodelação óssea estão significativamente mais altos nos pacientes com doença severa, os quais freqüentemente apresentam deficiência de vitamina D e localização mais fácil da lesão paratiroideana, quando comparados aos pacientes assintomáticos. Ao exame anátomo-patológico, 87% tiveram confirmação de adenoma único, 6,4% hiperplasia glandular difusa e 3,8% carcinoma.

Hiperparatiroidismo; Osteoporose; Marcadores ósseos; Densidade óssea; Vitamina D


Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Rua Botucatu, 572 - conjunto 83, 04023-062 São Paulo, SP, Tel./Fax: (011) 5575-0311 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abem-editoria@endocrino.org.br