[Caracterização histopatológica e imunofenotípica do linfoma multicêntrico canino no Brasil: um estudo de 203 casos]

P.C. Jark C.P. Fracacio L.A. Anai M.C.L. Silva S.G. Calazans I.L.S. Senhorello M.T. Costa J.L. Sequeira F.A.R. Sueiro Sobre os autores

RESUMO

O imunofenótipo é considerado um fator prognóstico independente em linfomas de alto grau, visto que os linfomas de origem de células T estão associados a menor tempo de sobrevida. Apesar de vários estudos terem avaliado o perfil imunofenotípico do linfoma nos EUA e na Europa, a pesquisa brasileira sobre o assunto ainda é escassa. A caracterização exata do tipo histopatológico é crucial para estabelecer o tratamento e o prognóstico adequados. Este estudo avaliou a base de dados de laboratórios de imuno-histoquímica que realizam imunofenotipagem do linfoma canino no Brasil. Um total de 203 casos de linfoma multicêntrico foi classificado de acordo com a classificação da OMS. A imunofenotipagem foi capaz de identificar 71,4% dos linfomas da linhagem de células B, 27,1% da linhagem de células T e 1,5% das linhagens de células não B e não T. O linfoma difuso de grandes células B foi o mais comum em 59,1% dos casos. Entre os linfomas de células T, o linfoblástico foi o mais comum (11, 33% dos casos). Embora os linfomas caninos tendam a ser de alto grau, os linfomas indolentes representaram 11,82% dos casos e o linfoma da zona T foi o mais prevalente (8,86%). O imunofenótipo do linfoma multicêntrico no Brasil é semelhante ao de outras partes do mundo, o que sugere fatores etiológicos semelhantes ao desenvolvimento dessa doença.

Palavras-chave:
cão; linfoma; imunofenótipo

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br