Soroprevalência de brucelose canina na cidade de Alfenas, MG: dados preliminares

Serum prevalence of canine brucellosis in Alfenas city MG, Brazil: preliminary data

Resumo

One hundred and two blood serum samples from dogs referred to the Veterinary Teaching Hospital of Alfenas University, were submitted to the agarose immune diffusion and to the fast serum-agglutination tests addressed to find antibodies anti- Brucella canis and B. abortus, respectively. Five samples (4.9%) were positives for B. canis and none for B. abortus. This prevalence is considered by some as an alert for an epidemiologic and public healthy problems, considering the serious zoonotic aspect of canine brucellosis

Dog; brucellosis


Dog; brucellosis

Cão; brucelose; Brucella canis; Brucella abortus; Brucella canis; Brucella abortus

a14v53n3

COMUNICAÇÃO

Communication

Soroprevalência de brucelose canina na cidade de Alfenas, MG. Dados preliminares

[Serum prevalence of canine brucellosis in Alfenas city MG, Brazil. Preliminary data]

A.C. Almeida1, A.M. Meneses2, V.M.O. Bernis3, T.M.P. Soares3, C.F. Loiola3, C. Marinovick4, P.A.S. Ferreira3

1Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade de Alfenas

Rodovia MG 179, km 0, Alfenas, MG.

2Bolsista de Iniciação Científica- PIBIC/CNPq

3Universidade de Alfenas

4Aluna de graduação do curso de Medicina Veterinária

Recebido para publicação, após modificações, em 14 de março de 2001.

e-mail: anna.almeida@unifenas.br

A brucelose causada pela Brucella canis tem sido identificada com freqüência em cães e no homem (Lewis & Anderson, 1973; Germano et al., 1987; Cortes, 1988; Melo et al., 1998; Maia et al., 1999). A importância e participação dos cães na epidemiologia da brucelose em âmbito de saúde pública foi negligenciado por muito tempo, devido a uma certa resistência da espécie à infecções por B. abortus, B. suis e B. mellitensis (Melo et al., 1998).

O caráter zoonótico da brucelose canina deve ser considerado face a complexa relação da população canina com os seres humanos (Cortes, 1988) e principalmente pelo estreito contato entre cães e crianças no ambiente familiar, sendo de grande importância conhecer os níveis de prevalência em cidades com alta população de cães (Barg et al., 1978).

Clinicamente, o diagnóstico da enfermidade na espécie canina é dificultado pela falta de sinais específicos além de aborto e infertilidade nos machos (Berthelot & Garin-Bastufi, 1993). Discoespondilite e osteomielite são achados descritos na literatura (Kerwin et al., 1992). Entretanto, a maioria dos cães acometidos é assintomática (Charmichael & Kenney, 1968; Johnson & Walker, 1992; Berthelot & Garin-Bastufi, 1993; Mateu-De-Antonio et al., 1993) e tem a enfermidade caracterizada por quadros de longa bacteremia e ausência de febre (Currier, 1982; Johnson & Walker, 1992).

A utilização de imunodiagnóstico é a maneira mais rápida e eficiente para detecção da enfermidade. Entre as técnicas empregadas, o teste de imunodifusão em gel de agarose vem sendo amplamente utilizado, por detectar anticorpos por até 36 meses após a bacteremia (Johnson & Walker, 1992), apesar de ocorrência de linhas de preciptinas heterólogas (Mateu-De-Antonio et al., 1993).

Com o objetivo de se ter um estudo preliminar da prevalência da brucelose canina na cidade de Alfenas, MG, em decorrência da alta população canina existente e pela falta de dados sobre a doença, avaliaram-se 102 amostras de soro sangüíneo provenientes de cães atendidos no Hospital Veterinário da Unifenas, no período de fevereiro a junho de 2000. Os animais foram escolhidos aleatoriamente, sendo coletadas amostras de sangue por punção venosa em um de cada cinco cães atendidos, independente do motivo da consulta. Coletaram-se dados do animal, da queixa principal que levou o proprietário à consulta e de sinais clínicos observados.

Para pesquisa de anticorpos anti-Brucella canis utilizou-se o teste de imunodifusão em gel de agarose com "kit" contendo antígenos solúveis de B. ovis, soros-controle positivos e negativos produzidos pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). Os procedimentos para realização do teste foram os recomendados pelo fabricante. A soroaglutinação rápida em placas foi utilizada para diagnóstico sorológico de B. abortus (Alton et al., 1988).

Entre as amostras analisadas, 64,7% (66/102) foram provenientes de fêmeas e 42,2% (43/102) dos animais estavam em faixa etária acima de 36 meses. Entre estes 4,9% (5/102) foram positivos para B. canis, sendo três fêmeas (60%) e dois machos (40%), todos com idade superior a 36 meses. Um único animal positivo apresentou aborto como sinal clínico compatível com a enfermidade, os demais eram assintomáticos. Clinicamente os dados são compatíveis com os descritos na literatura (Charmichael & Kenney, 1968; Johnson & Walker, 1992; Berthelot & Garin-Bastufi, 1993; Mateu-De-Antonio et al., 1993).

A prevalência de B. canis é bastante variável segundo a população estudada e a técnica empregada para o diagnóstico. Apesar do uso do antígeno de B. ovis ser padronizado e hoje amplamente utilizado, os soros testados freqüentemente apresentam resultados heterólogos, principalmente nas fases abacterêmicas da infecção e na presença de anticorpos contra Streptococcus faecalis, Bordetella bronchiseptica, Pseudomonas aeruginosas e outras bactérias (Mateu-De-Antonio et al., 1993), o que poderia explicar os altos índices de positividade em alguns trabalhos (Melo et al., 1998).

Na pesquisa de anticorpos anti-Brucella abortus todas as amostras (102) foram negativas, não apresentando reação nas diluições 1:25, 1:50 e 1:100. Baixos índices de soropositivos são descritos na literatura (Maia et al., 1999; Lopes et al., 1999). Essa infecção nos cães é benigma e autolimitante (Currie, 1982) sendo fonte de infecção a ingestão de leite e outros produtos contaminados (Meyer, 1983) e de tecidos provenientes de abortos quando os cães são criados juntos com rebanhos bovinos positivos (Forbes, 1990).

Segundo Lewis & Anderson (1973), a presença de apenas uma parte da população positiva para B. canis é o suficiente para se considerar um problema de importância epidemiológica, considerando o caráter zoonótico da enfermidade. Os resultados encontrados neste trabalho servem como alerta aos profissionais da área de saúde pública e também para os clínicos veterinários que deverão ficar atentos ao problema e solicitarem com maior freqüência exames laboratoriais diante da suspeita da enfermidade, permitindo assim que sejam adotadas medidas de controle.

Estes dados foram utilizados para proposta de projeto de pesquisa mais elaborado sobre brucelose animal e humana no município de Alfenas, MG, que se encontra em desenvolvimento.

Palavras-chave: Cão, brucelose, Brucella canis, Brucella abortus

ABSTRACT

One hundred and two blood serum samples from dogs referred to the Veterinary Teaching Hospital of Alfenas University, were submitted to the agarose immune diffusion and to the fast serum-agglutination tests addressed to find antibodies anti- Brucella canis and B. abortus, respectively. Five samples (4.9%) were positives for B. canis and none for B. abortus. This prevalence is considered by some as an alert for an epidemiologic and public healthy problems, considering the serious zoonotic aspect of canine brucellosis.

Keywords: Dog, brucellosis, Brucella canis, Brucella abortus

  • ALTON, G.G., JONES, L.M., ANGUS, R.D. et al. Techniques for the brucellosis laboratory. Paris, INRA. 1988. 190p.
  • BARG, L., GODOY, A.M., PERES, J. Pesquisa de aglutininas para B. abortus e B. canis em soro de escolares no Estado de Santa Catarina. Arq. Esc. Vet. UFMG, v.30, p.307-310, 1978.
  • BERTHELOT, X., GARIN-BASTUFI, B. Brucelloses canines. Point Vet., v.25, p.125-129, 1993.
  • CHARMICHAEL, L.E., KENNEY, R.M. Canine abortion caused by Brucella canis J. Am. Vet. Med. Assoc., v.152, p.605-616, 1968.
  • CORTES, V.A., OLIVEIRA, M.C.G., ITO, F.H. et al. Reaçőes sorológicas para B. canis em căes errantes capturados na proximidade dos parques públicos, reservas florestais e em áreas periféricas do município de Săo Paulo-Brasil. Rev. Fac. Med. Vet. Zoot. USP, v.25, p.101-107, 1988.
  • CURRIER, R.W. Canine brucellosis J. Am. Vet. Med. Assoc., v.180, p.132-133, 1982.
  • FORBES, L.B. B. abortus infection in 14 farm dogs. J. Am. Vet. Med. Assoc., v.196, p.911-916, 1990.
  • GERMANO, P.M.L., VASCONCELOS, S.A., ISHIZUKA, M.M. et al. Prevalęncia de infecçăo por B. canis em căes da cidade de Campinas, SP- Brasil. Rev. Fac. Med. Vet. Zoot. USP, v.24, p.27-34, 1987.
  • JOHNSON, C.A., WALKER, R.D. Clinical signs and diagnosis of B. canis infection Comp. Cont. Educ. Pract. Vet., v.14, p.763-772, 1992.
  • KERWIN, S.C., LEWIS, D.D., HRIBERKIK, T. et al. Discospondylitis associaded with B. canis infection in dogs: 14 cases (1980-1991). J. Am. Vet. Med. Assoc., v.201, p.1253-1257, 1992.
  • LEWIS, G.E., ANDERSON, J.K. The incidence of B. canis antibodies in sera of military recruits. Am. J. Publ. Health, v.63, p. 204-205, 1973.
  • LOPES, C.F., MOLNÁR, L., MOLNÁR, E. Avaliaçăo soroepidemiológica da brucelose em animais e humanos procedentes da Zona Bragantina no Estado do Pará-Brasil. Rev. Bras. Reprod. Anim., v.23, p.429-431, 1999.
  • MAIA, G.R., ROSSI, C.R.S., ABRADIA, F. et al. Prevalęncia da brucelose canina nas cidades do Rio de Janeiro e Niteroi- RJ. Rev. Bras. Reprod. Anim., v.23, p.425-427, 1999.
  • MATEU-DE-ANTONIO, E.M., MARTIN, M., SOLER, M. Use of indirect enzyme-linked assay with hot saline solution extracts of vartiant (M-) strains of B. canis for diagnosis of brucellosis in dogs. Am. J. Vet. Res., v.54, p.1043-1046, 1993.
  • MELO, S.M.B., NASCIMENTO, R.M., AGUIAR, P.H.P. et al. Avaliaçăo sorológica por imunodifusăo em gel de agarose para diagnóstico de B. canis em căes no distrito de Monte Gordo- Camaçari, Bahia. Arq. Esc. Med. Vet. UFBA, v.19, p.119-127, 1998.
  • MEYER, M.E. Uptdate on canine brucellosis. Modern Vet. Pract., v.64, p.987-989, 1983.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    08 Out 2002
  • Data do Fascículo
    Jun 2001

Histórico

  • Recebido
    14 Mar 2001
Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br