Estabelecimento de um índice de patogenicidade em cepas de Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium inoculadas em pintos de um dia de idade

D.A. Lima T.Q. Furian R.M. Pillati G.L. Silva R.B. Morgam K.A. Borges F.B.B. Fortes H.L.S. Moraes B.G. Brito K.C.T. Brito C.T.P. Salle Sobre os autores

Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium são responsáveis por imensos prejuízos econômicos ao setor avícola, podendo levar ao desenvolvimento de doença clínica e ao aumento da mortalidade em aves jovens. A patogenicidade de Salmonella é considerada complexa e multifatorial, necessitando de estudos que possam esclarecer a interação entre patógeno e hospedeiro. O presente trabalho teve por objetivo avaliar a virulência de 130 isolados de S. Enteritidis e 70 de S.Typhimurium, inoculadas em pintos de um dia de idade, por meio do estabelecimento de um índice de patogenicidade. Para cada cepa, foram utilizados 10 pintos comerciais da linhagem Cobb. As aves foram inoculadas com 200µL de uma solução contendo 2x108 UFC de S. Enteritidis ou S. Typhimurium, por via intraperitoneal. A mortalidade e a presença de lesões como aerossaculite (A), peri-hepatite (Ph), pericardite (Pc), peritonite (Pt), onfalite (O) e celulite (C) foram registradas diariamente durante sete dias. Do segundo ao sétimo dia, houve uma diminuição proporcional da pontuação no tempo de morte (TM) a cada dia em que o animal sobrevivia. O cálculo do índice de patogenicidade de cada pintinho inoculado (IP) obedeceu à seguinte fórmula: IP = (TMx5) + A + Ph + Pc + Pt + O + C. Para obtenção do IP de cada amostra, foi realizada a média do IP obtido com as 10 aves inoculadas. Com base nos resultados observados, foi possível atribuir um valor de patogenicidade a cada uma das cepas, permitindo classificá-las em grupos de baixa (27/200), intermediária (95/200) e alta patogenicidade (78/200). A utilização de critérios, como tempo de morte e presença de lesões septicêmicas, permitiu a determinação de um índice de patogenicidade para cada cepa. Além disso, o modelo proposto apresentou diferença significativa entre os grupos de alta, intermediária e baixa patogenicidade, permitindo, assim, a sua aplicação para classificação futura das cepas isoladas em granjas avícolas.

aves; salmonelose; virulência


Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br