Accessibility / Report Error

Efeito da idade da matriz sobre o desempenho e rendimento de carcaça de frangos de corte

Effect of broiler breeder age on performance and carcass yield of broiler chickens

Resumos

Avaliou-se efeito da idade da matriz sobre as características de desempenho, rendimento de carcaça e partes de frangos de corte, criados até 49 dias de idade. Foram utilizados 3600 pintos de um dia, oriundos de ovos de matrizes da linhagem Ross 308, distribuídos segundo um delineamento experimental inteiramente ao acaso, em esquema fatorial 5×2, com cinco idades de matrizes (29, 41, 58, 68 e 98 semanas) e dois sexos, com quatro repetições de 90 aves cada. Aos 21, 28, 35, 42 e 49 dias de idade, cinco frangos por parcela foram amostrados e abatidos após jejum alimentar de oito horas, para avaliação do rendimento de carcaça e partes. A idade da matriz influenciou (P<0,05) o desempenho das aves na fase inicial de criação (1 a 21 dias); os frangos oriundos de matrizes com 29 semanas de idade apresentaram menor rendimento. A idade da matriz não afetou (P>0,05) o rendimento de carcaça nas idades avaliadas. Os frangos oriundos de matrizes com 29 semanas apresentaram melhor rendimento de peito que aqueles de matrizes com 58 semanas. O sexo influenciou (P<0,05) tanto o desempenho quanto o rendimento de carcaça e partes dos frangos de corte.

frango de corte; desempenho; idade da matriz; rendimento de carcaça


The effect of broiler breeder age on performance and carcass yield of chickens reared until 49 days of age was evaluated. Three thousand and six hundred day-old chicks, from Ross x Ross breeder flocks, were assigned to a completely randomized design, in a 5×2 factorial (five broiler breeder ages - 29, 41, 58, 68 and 98 weeks and two sexes) with four replicates of 90 birds each. At 21, 28, 35, 42 and 49 days of age, 5 birds per pen were randomly sampled and processed after a period of 8 hours of feed withdrawal to evaluate carcass and parts yield. Breeder age affected (P<.05) broiler performance during the starter period (1 to 21 days), with birds from breeders with 29 weeks of age showing smaller performance. Carcass and part yields were not affected (P>.05) by breeder age, but broilers from breeders aging 29 weeks showed larger breast yield than broilers originated from breeders with 58 weeks. No differences (P>.05) were observed for other breeder ages. Sex of the broiler chicken affected (P<.05) the performance and carcass yield and parts.

broiler chicken; performance; broiler breeder age; carcass yield


ZOOTECNIA E TECNOLOGIA E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

Efeito da idade da matriz sobre o desempenho e rendimento de carcaça de frangos de corte

Effect of broiler breeder age on performance and carcass yield of broiler chickens

J.A. DalaneziI; A.A. MendesII,* * Autor para correspondência ( corresponding author) E-mail: jdalanezi@fca.unesp.br ; E.A. GarciaII; R.G. GarciaI; J. MoreiraI; I.C.L.A. PazI

IAluno de Pós Graduação - FMVZ-UNESP - Botucatu

IIFaculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP - Caixa Postal 560 - 18618-000 - Botucatu, SP

RESUMO

Avaliou-se efeito da idade da matriz sobre as características de desempenho, rendimento de carcaça e partes de frangos de corte, criados até 49 dias de idade. Foram utilizados 3600 pintos de um dia, oriundos de ovos de matrizes da linhagem Ross 308, distribuídos segundo um delineamento experimental inteiramente ao acaso, em esquema fatorial 5×2, com cinco idades de matrizes (29, 41, 58, 68 e 98 semanas) e dois sexos, com quatro repetições de 90 aves cada. Aos 21, 28, 35, 42 e 49 dias de idade, cinco frangos por parcela foram amostrados e abatidos após jejum alimentar de oito horas, para avaliação do rendimento de carcaça e partes. A idade da matriz influenciou (P<0,05) o desempenho das aves na fase inicial de criação (1 a 21 dias); os frangos oriundos de matrizes com 29 semanas de idade apresentaram menor rendimento. A idade da matriz não afetou (P>0,05) o rendimento de carcaça nas idades avaliadas. Os frangos oriundos de matrizes com 29 semanas apresentaram melhor rendimento de peito que aqueles de matrizes com 58 semanas. O sexo influenciou (P<0,05) tanto o desempenho quanto o rendimento de carcaça e partes dos frangos de corte.

Palavras-chave: frango de corte, desempenho, idade da matriz, rendimento de carcaça

ABSTRACT

The effect of broiler breeder age on performance and carcass yield of chickens reared until 49 days of age was evaluated. Three thousand and six hundred day-old chicks, from Ross x Ross breeder flocks, were assigned to a completely randomized design, in a 5×2 factorial (five broiler breeder ages - 29, 41, 58, 68 and 98 weeks and two sexes) with four replicates of 90 birds each. At 21, 28, 35, 42 and 49 days of age, 5 birds per pen were randomly sampled and processed after a period of 8 hours of feed withdrawal to evaluate carcass and parts yield. Breeder age affected (P<.05) broiler performance during the starter period (1 to 21 days), with birds from breeders with 29 weeks of age showing smaller performance. Carcass and part yields were not affected (P>.05) by breeder age, but broilers from breeders aging 29 weeks showed larger breast yield than broilers originated from breeders with 58 weeks. No differences (P>.05) were observed for other breeder ages. Sex of the broiler chicken affected (P<.05) the performance and carcass yield and parts.

Keywords: broiler chicken, performance, broiler breeder age, carcass yield

INTRODUÇÃO

Vários são os fatores que podem afetar o desempenho de frangos de corte, como genética, nutrição, manejo, ambiência e, muito provavelmente a idade da matriz e o tamanho dos ovos. Vários trabalhos correlacionaram peso do ovo e peso do pintinho com o desempenho dos frangos de corte. Essas diferenças no peso dos ovos e dos pintinhos, geralmente, ocorrem em razão da diferença na idade das matrizes das quais são provenientes. A correlação entre peso do ovo e peso corporal das cinco às oito semanas de idade é significativo em muitas linhagens de frangos de corte, valor estimado de 0,3 a 0,5 (Proudfoot e Hulan, 1981; Whiting e Pesti, 1984; Hearn, 1986). Proudfoot et al. (1982), ao compararem desempenho de frangos de corte oriundos de dois grupos de ovos com 47,2 e 56,1g e peso do pintinho de 30,8 e 37,2g, verificaram aumento no peso dos frangos de 2369 para 2448g nos machos e de 2043 para 2111g nas fêmeas às sete semanas de idade. Whiting e Pesti (1984) verificaram correlação positiva entre o peso dos ovos e o peso dos frangos e observaram que para cada grama a mais no peso do ovo correspondia a 10,7 e 6,0g adicionais para o peso final de machos e fêmeas, respectivamente. Esses autores verificaram correlação linear positiva entre peso do ovo, peso do pintinho, percentagem de peso de pintinho, peso do frango e ganho de peso ao avaliarem duas idades de matrizes. Wilson (1991) observou que cada grama de alteração no peso de ovo, resultou em alterações de 8,3 e 2,1g no peso dos frangos, com ovos de matrizes jovens e mais velhas, respectivamente.

Sinclair et al.(1989) verificaram que a idade da matriz afetou o peso corporal dos pintos, sendo mais pesados os provenientes de matrizes mais velhas, e com maior taxa de crescimento, do que os das matrizes mais jovens. Peebles et al. (2002) observaram influência da idade da matriz sobre o peso vivo dos frangos, rendimento de carcaça e rendimento de peito aos 43 dias de idade.

Raju et al. (1997) constataram que o aumento no peso do ovo de 60 para 70 gramas, aumentou o peso corporal dos frangos às 6 semanas de idade e, embora a eficiência alimentar tenha sido semelhante entre os grupos, a mortalidade foi maior em aves provenientes de ovos menores. Proudfoot et al. (1982) verificaram aumento da mortalidade e carcaças de baixa qualidade em aves provenientes de ovos pequenos, embora outros pesquisadores (Lohle e Lowka 1971; Hearn, 1986) não tenham observado efeito sobre o percentual de condenação de carcaças ou sobre a qualidade da carne.

Os dados referentes a conversão alimentar em função do peso do pintinho ao nascer são conflitantes. Proudfoot et al. (1982) verificaram melhor conversão alimentar para pintinhos provenientes de ovos maiores, enquanto que Hearn (1986), encontrou resultado oposto. Gladys et al. (2000) não encontraram diferença no peso corporal de pintos de matrizes jovens e velhas, entretanto, verificaram que a conversão alimentar acumulada foi melhor para frangos provenientes de matrizes jovens quando comparada à de matrizes velhas. Wyatt et al. (1985) observaram que o ganho de peso aos 7, 28 e 49 dias de idade foi maior para os frangos provenientes de matrizes mais velhas.

O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência da idade da matriz sobre as características de desempenho, rendimento de carcaça e partes de frangos de corte.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento, com duração de 49 dias, foi conduzido em agosto e setembro de 2001.

No incubatório, após classificação de rotina, foram pesados 90 ovos para determinação da média do peso do ovo para cada idade da matriz estudada. Dessa média, foi acrescido e subtraído 5%, determinando-se a faixa de peso dos ovos para incubação1 1 Incubadora e nascedouro CASP, modelos CM 125 e 23I – São Paulo . Após o nascimento, foram selecionadas e sexadas 720 aves para cada idade das matrizes, perfazendo um total de 3600 pintos de um dia de idade, provenientes de lotes de matrizes Ross 308. As aves foram vacinadas no incubatório contra a doença de Marek e aos 10 dias de idade contra a doença de Newcastle, via água de bebida. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, em esquema fatorial 5×2, com cinco idades de matrizes (29, 41, 58, 68 e 98 semanas) e dois sexos, com quatro repetições de 90 aves cada.

Adotou-se um programa de alimentação com três fases: inicial, de 1 a 21 dias, crescimento, de 22 a 42 dias, e final, de 43 a 49 dias. As aves receberam ração e água à vontade durante todo o período de criação. As rações, não comerciais, foram fornecidas na forma farelada (Tab. 1).

O desempenho das aves foi avaliado semanalmente pelo peso vivo, ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar. A mortalidade foi registrada diariamente e anotada em ficha própria. Antes da análise de variância, os dados de mortalidade foram transformados para (x+0,5)½, em que x é a porcentagem da mortalidade (Steel e Torrie, 1980).

Para as avaliações do rendimento de carcaça e das partes, foi retirada uma amostra de cinco aves, por boxe, aos 21, 28, 35, 42 e 49 dias, com pesos dentro de uma margem de 10% acima ou abaixo da média do boxe, totalizando 25 aves. O rendimento de carcaça e os rendimentos de peito inteiro, pernas inteiras (coxas e sobre coxas), asas, dorso e gordura abdominal foram avaliados segundo metodologia descrita por Mendes (1990).

Usou-se procedimento General Linear Models do SAS (User's... 1991) nas análises estatísticas.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os dados de crescimento semanal dos frangos de corte em razão da idade da matriz e do sexo são apresentados na Tab. 2. Idade da matriz e sexo dos pintos influenciaram (P<0,05) o crescimento das aves desde o primeiro dia de vida. Pintinhos nascidos das matrizes com 29 semanas foram mais leves que os nascidos das demais matrizes, até os 35 dias de vida. Diferenças no peso de frangos, principalmente quando são oriundos de pintinhos mais leves, geralmente estão associadas ao peso inicial das aves. Proudfoot et al. (1982), Whiting e Pesti (1984) e Wilson (1991) também verificaram diferenças para peso de frangos quando utilizaram pintinhos com diferentes pesos ao nascer, sendo os mais leves oriundos de matrizes mais jovens.

Houve interação significativa (P<0,05) entre idade da matriz e sexo sobre o desempenho das aves aos 35º, 42º e 49º dias de idade. De modo geral, no 35º e 49º dias de idade, os machos oriundos de matrizes com 29 semanas de idade apresentaram desempenho diferenciado e menor do que os oriundos de matrizes com outras idades. Contudo, não houve efeito da idade da matriz no desempenho dos machos no 42º dia de idade. O melhor desempenho das fêmeas no 35º e 42º dias de idade foi observado em aves oriundas de matrizes com 58 e 68 semanas, e o melhor desempenho das fêmeas no 49º dia ocorreu em aves oriundas de matrizes com 58 semanas de idade.

As características de desempenho em cada fase e no período total de criação são apresentadas nas Tab. de 3 a 6. Observou-se interação significativa (P<0,05) de idade da matriz versus sexo para ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar no período total de criação (1 a 49 dias) e para mortalidade, no período de 43 a 49 dias.

A idade das matrizes influenciou (P<0,05) o ganho de peso, consumo de ração e mortalidade na fase inicial (1 a 21 dias). O sexo das aves influenciou (P<0,05) o ganho de peso e o consumo de ração em todas as fases de criação e a conversão alimentar nas fases de 22 a 42 e 43 a 49 dias. Politti et al.(1994) e Mendes et al. (2001) também observaram maior ganho de peso para machos, decorrente do maior consumo de ração na fase inicial.

Na fase inicial, as aves oriundas de matrizes com 29 semanas apresentaram menor ganho de peso que as demais. (P>0,05). O consumo de ração foi maior nas aves oriundas das matrizes com 58, 68 e 98 semanas e menor entre aquelas originárias de matrizes mais jovens. A mortalidade foi maior nas aves provenientes de matrizes com 29 semanas em relação às demais (P>0,05). Sinclair et al. (1989) e Gladys et al. (2000) também observaram diferenças no ganho de peso aos 21 dias em aves oriundas de matrizes com diferentes idades. O menor consumo de ração, o menor ganho de peso e a maior mortalidade das aves oriundas de matrizes mais jovens podem estar associados à qualidade e ao peso do pintinho ao nascer. Mcnaughton et al. (1978) e Hearn (1986) atribuíram essa maior mortalidade, provavelmente, ao fato de os ovos serem de menor tamanho, o que causa desidratação dos pintos logo após o nascimento e, conseqüentemente, menor peso.

Na fase de crescimento (22 a 42 dias) não houve influência (P>0,05) da idade da matriz sobre as características avaliadas (Tab. 4).

Na fase final de criação (43 a 49 dias), houve diferença significativa (P<0,05) para a mortalidade entre os machos. As aves oriundas de matrizes mais jovens (29 semanas) ou mais velhas (68 e 98 semanas) apresentaram maior mortalidade (Tab. 5). Wilson e Tullet (1990) observaram que ovos de matrizes com idades extremas (jovens e velhas) têm pior eclodibilidade, resultando em pintos de qualidade inferior e conseqüentemente maior mortalidade, como verificado neste trabalho.

No período total de criação (1 a 49 dias), as interações significativas (P<0,05) de idade da matriz versus sexo revelaram diferenças para ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar (Tab. 6). Para ganho de peso, a idade da matriz influenciou (P<0,05) apenas as fêmeas. As aves oriundas de matrizes com 58 semanas foram mais pesadas, enquanto que as de matrizes com 29 semanas apresentaram menor ganho de peso. Estes resultados foram semelhantes aos de Peebles et al.(1999).

O consumo de ração foi diferente tanto nos machos quanto nas fêmeas, sendo os machos oriundos das matrizes com 29 semanas os que apresentaram menor consumo de ração. As fêmeas originadas de matrizes com 29 e 58 semanas apresentaram menor e maior consumo de ração, respectivamente. O sexo influenciou (P<0,05) as características avaliadas: ganho de peso e consumo de ração foram maiores entre os machos, no entanto, para conversão alimentar, somente os machos originados de matrizes com 29, 41 e 98 semanas foram superiores às fêmeas. Maior mortalidade ocorreu em aves provenientes de matrizes com 29 semanas (P<0,05).

Os rendimentos de carcaça e de partes são apresentados nas Tab. de 7 a 12. Não foi verificado efeito da idade da matriz sobre o rendimento de carcaça e dorso (P>0,05), resultados diferentes dos encontrados por Peebles et al. (2002).

O sexo influenciou (P<0,05) o rendimento de carcaça apenas aos 42 dias; os machos apresentaram maior rendimento que as fêmeas. Ao comparar as idades de abate verifica-se que até os 42 dias o rendimento de carcaça aumentou (Tab. 7).

A idade da matriz não influenciou o rendimento de peito (P>0,05) até os 42 dias, porém, teve efeito significativo (P<0,05) quando as aves foram abatidas com 49 dias, isto é, o maior rendimento ocorreu nas aves originadas de matrizes com 29 semanas e o menor nas aves de matrizes com 58 semanas (Tab. 8), resultado inesperado, pois não foram encontrados resultados semelhantes na literatura e pelo fato dessas aves não terem apresentado desempenho superior às demais.

O sexo teve influência no (P<0,05) rendimento de peito somente aos 49 dias; os machos apresentaram menor rendimento que as fêmeas (Tab. 8). Costa et al. (2001) também verificaram maior rendimento de peito entre as fêmeas.

O rendimento de pernas (Tab. 9) foi influenciado (P<0,05) pela idade da matriz apenas aos 21 dias, quando as aves originadas de matrizes com 98 semanas apresentaram menor rendimento que aquelas de matrizes com 58 e 68 semanas. Essa diferença, provavelmente, está associada ao menor crescimento das aves nessa fase, pois ela não se manteve nas idades posteriores. O sexo influenciou (P<0,05) o rendimento de pernas aos 21, 28, 42 e 49 dias, isto é, os machos apresentaram rendimentos superiores às fêmeas, aspecto já verificado por Moreira et al. (2001). Os dados mostraram que o rendimento de pernas pareceu se estabilizar com o avanço da idade das aves, com maior desenvolvimento até os 21 dias, o que explicaria a diferença de rendimento apenas nessa fase.

O rendimento de asas (Tab. 10) foi afetado (P<0,05) pela idade da matriz apenas aos 49 dias. Estes resultados diferem dos de Vieira e Moran (1998), que trabalharam com quatro idades diferentes de matrizes (36, 40, 42 e 45 semanas) e não encontraram diferenças para o rendimento de asas. O sexo afetou (P<0,05) o rendimento de asas aos 28, 35 e 42 dias, com as fêmeas apresentando maior rendimento que os machos. Essa diferença entre sexos também foi verificada por Moreira et al. (2001). Percebeu-se, também, que o rendimento de asas diminuiu com o avanço da idade das aves.

O rendimento de dorso (Tab. 11) não foi influenciado (P>0,05) por nenhum dos fatores avaliados. Verificou-se que o rendimento do dorso manteve-se estável dos 21 aos 49 dias, o que confirmou os resultados de Moreira et al. (2001).

A idade da matriz influenciou (P<0,05) a percentagem de gordura abdominal das aves (Tab. 12) quando abatidas aos 28, 35 e 42 dias. Aos 28 dias, as aves originárias de matrizes com 58 e 98 semanas apresentaram valores maiores que aquelas de matrizes com 29 e 68 semanas. Aos 35 dias, as aves originárias de matrizes com 68 e 98 semanas apresentaram maiores valores que aquelas de matrizes com 29 semanas. Aos 42 dias, a maior percentagem de gordura abdominal ocorreu nas aves originadas de matrizes com 68 semanas em relação àquelas de matrizes com 29 semanas. O aumento da idade da matriz parece contribuir para o aumento na deposição de gordura abdominal, pois, no geral, as aves oriundas de matrizes mais jovens apresentaram menor quantidade de gordura do que aquelas de matrizes mais velhas.

O sexo afetou (P<0,05) a gordura abdominal aos 28, 35, 42 e 49 dias, sendo que em todas estas idades, as fêmeas apresentaram maior quantidade de gordura abdominal do que os machos, dados que confirmam os resultados de Costa et al. (2001).

CONCLUSÕES

A idade da matriz afeta o desempenho dos frangos de corte, e apresenta comportamento diferenciado para abates aos 35, 42 e 49 dias. Os melhores resultados de desempenho são obtidos quando os frangos são oriundos de matrizes com idades entre 41 e 68 semanas. O rendimento de carcaça, pernas e dorso não sofrem influência da idade da matriz, apesar do rendimento de peito e asas ser afetado quando as aves são abatidas aos 49 dias. O aumento na idade da matriz causa aumento na deposição de gordura abdominal dos frangos de corte. O sexo afeta tanto as características de desempenho quanto as de rendimento de carcaça e partes nas várias idades de abate avaliadas.

Recebido para publicação em 4 de dezembro de 2003

Recebido para publicação, após modificações, em 9 de junho de 2004

  • COSTA, F.G.P.; ROSTAGNO, H.S.; ALBINO, L.F.T. et al. Níveis dietéticos de proteína bruta para frangos de corte, no período de 22 a 42 dias de idade. Rev. Bras. Ciên. Avic., supl. 3, p.25, 2001.
  • GLADYS, G.E.; JUNIOR, P.V.T.; SALEH, T.M. et al. Effect of breeder flock age and diet density on broiler performance. Poult. Sci. Ann. Meet. Abstr., v.79, suppl.1, p.123, 2000.
  • HEARN, P.J. Making use of small hatching eggs in an integrated broiler company. Br. Poult. Sci., v.27, p.498-501, 1986.
  • LOHLE, K.; LOWKA, A. Studies on meat quality in broilers of varying hatching egg weights. World's Poult. Sci. J., v.27, p.108, 1971.
  • McNAUGHTON, J.L.; DEATON, J.W.; REECE, F.N. et al. Effect of age of parents and hatching egg weight on chick broiler mortality. Poult. Sci, v.57, p.38-44, 1978.
  • MENDES, A.A. Efeito de fatores genéticos, nutricionais e de ambiente sobre o rendimento de carcaça de frangos de corte. 1990. 103f. Tese (Livre Docência) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP.
  • MENDES, A.A.; MOREIRA, J.; GARCIA, R.G. et al. Avaliação do rendimento e qualidade da carne de peito em frangos de corte criados com diferentes densidades e níveis de energia na dieta. Rev. Bras. Ciên. Avíc., supl. 3, p.38, 2001.
  • MOREIRA, J.; MENDES, A.A.; GARCIA, R.G. et al. Efeito da densidade de criação e do nível de energia da dieta sobre o desempenho e rendimento de carcaça em frangos de corte. Rev. Bras. Ciên. Avíc., supl. 3, p.39, 2001.
  • PEEBLES, E.D.; ZUMWALT, C.D.; GERARD, P.D. et al. Market age live weight, carcass yield, and liver characteristics of broiler offspring from breeder hens fed diets differing in fat and energy contents. Poult. Sci., v.81, p.23-29, 2002.
  • PEEBLES, E.D.; SOYLE, M.S.; PANSKY, T. et al. Effects of breeder age and dietary fat on subsequent broiler performance. 2. Slaughter Yield. Poult. Sci., v.78, p.512-515, 1999.
  • POLITI, E.S.; MENDES A.A.; JUNIOR, J.C.V. et al. Efeito da linhagem e sexo sobre o desempenho e rendimento de carcaça de frangos de corte. Vet. Zootec., v.6, p.187-195, 1994.
  • PROUDFOOT, F.G.; HULAN, H.W. The influence of hatching egg size on the subsequent performance of broiler chickens. Poult. Sci., v.60, p.2167-2170, 1981.
  • PROUDFOOT, F.G.; HULAN, H.W.; MCRAE, K.B. Effect old hatching egg size from semi-dwarf and normal maternal meat parent genotypes on the performance of broiler chickens. Poult. Sci., v.61, p.655-660, 1982.
  • RAJU, M.V.LN.; CHAWAK, M.M.; PRAHARAJ, N.K. et al. Interrelationships among egg weight, hatchability, chick weight, post-hatch performance and rearing method in broiler breeders. Indian J. Anim. Sci., v.67, p.48-50, 1997.
  • USER'S guide: statistics. Cary, NC: SAS Institute, 1991.
  • SINCLAIR, R.W.; ROBINSON, F.E.; HARDIN, R.T. The effects of parentage post hatch treatment on broiler performance. Poult. Sci., v.69, p.526-534, 1989.
  • STEEL, R.G.D.; TORRIE, J.H. Principles and procedures of statistics. New York: McGraw-Hill, 1980.
  • VIEIRA, S.L.; MORAN Jr., E.T. Eggs and chicks from broiler breeders of extremely different age. J. Appl. Poult. Res., v.7, p.372-376, 1998.
  • WHITING, T.S.; PESTI, G.M. Broiler performance and hatching egg weight to marketing weight relationships of progeny from standard and dwarf broiler dams. Poult. Sci., v.63, p.425-429, 1984.
  • WILSON, H. R. Interrelationships of egg size, chick size, post hatching growth and hatchability. W. P. S. A. J., v.47, p.5-20, 1991.
  • WILSON, H.R.; TULLETT, S.G. Effects of egg size on hatchability, chick size and post hatching growth. Av. Incub., v.22, p.279-283, 1990.
  • WYATT, C.L.; WEAVER JUNIOR, W.D., BEANE, W.L. Influence of egg size, eggshell quality and post hatch holding on broiler performance. Poult. Sci., v.64, p.2049-2055, 1985.
  • *
    Autor para correspondência (
    corresponding author)
    E-mail:
  • 1
    Incubadora e nascedouro CASP, modelos CM 125 e 23I – São Paulo
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      02 Ago 2005
    • Data do Fascículo
      Abr 2005

    Histórico

    • Aceito
      09 Jul 2004
    • Recebido
      04 Dez 2003
    Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
    E-mail: abmvz.artigo@gmail.com