Ultrassonografia por contraste com microbolhas e Doppler na avaliação do baço de cães com erliquiose subclínica

M.C. Maronezi M.A.R. Feliciano L.Z. Crivellenti S. Borin-Crivellenti P.E.S. Silva C. Zampolo L. Pavan B. Gasser A.P.R. Simões G.S. Maciel J.C. Canola W.R.R. Vicente Sobre os autores

RESUMO

O objetivo deste estudo foi avaliar o parênquima esplênico de cães com erliquiose na fase subclínica, por meio do Doppler e da ultrassonografia por contraste com microbolhas. Dezessete cães naturalmente infectados por E. canis na fase subclínica foram selecionados para este estudo. Por meio da ultrassonografia, avaliou-se a ecotextura, a ecogenicidade, o tamanho e os bordos do baço e, pelo Doppler, foram determinados os índices vasculares da artéria esplênica dos cães. Para a avaliação por contraste com microbolhas, foi utilizado SonoVue, na dosagem de 0,1mL por animal, e determinou-se o tempo de entrada e saída, bem como o pico de realce no tecido esplênico. Ao exame modo-B, foram observadas esplenomegalia com presença de bordas arredondadas, ecotextura heterogênea e ecogenicidade mista do baço. Ao Doppler, foram encontrados valores para os índices vasculares da artéria esplênica: velocidade sistólica: 22,59±8,07cm/s; velocidade diastólica: 5,25±4,66cm/s; e índice de resistência: 0,71±0,14, valores ainda não descritos em veterinária. Pela ultrassonografia com contraste, observaram-se valores para wash-in de 5,31±0.7s, pico de realce de 18,56±2.90s e wash-out de 94,56±35.21s. A ultrassonografia convencional do baço de cães com erliquiose, associada com a utilização do método Doppler e a ultrassonografia contrastada, é uma importante ferramenta na triagem diagnóstica e pode auxiliar a monitoração e a evolução de animais na fase subclínica.

canino; erliquiose; ultrassom

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br