Uma nova metodologia para melhora do diagnóstico imunoistoquímico em patologia veterinária canina: sistema automático usando anticorpos humanos monoclonais e policlonais

Os autores descrevem sua experiência com um sistema automático de imunoistoquímica aplicada à amostras de tecido canino. Foram utilizados 20 anticorpos humanos monoclonais e policlonais e dois diferentes métodos de recuperação antigênica em tecido mamário normal e neoplásico, bem como em amostras de pele obtidas de cadelas. Os anticorpos testados estão entre os mais usados em estudos de medicina humana e veterinária, com finalidade de diagnóstico em patologia mamária, bem como na pesquisa do câncer. Muitos deles podem ser usados para estudar outros tecidos normais e com alterações e incluem citoqueratinas, receptor de progesterona, c-erbB2, p53, MIB-1, PCNA, EMA, vimentina, desmina, alfa-actina, S-100, pan-caderina e E-caderina. Os resultados demonstraram que usando um sistema automático de imunoistoquímica é possível usar diferentes marcadores humanos em patologia veterinária. As vantagens da imunoistoquímica automatizada são melhora da qualidade, reprodutibilidade, rapidez e padronização.

Cão; imunoistoquímica; sistema automático; glândula mamária


Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br