Accessibility / Report Error

Consequências da manipulação medular intraoperatória em cães com extrusão intervertebral de disco toracolombar

RESUMO

O presente trabalho teve como objetivo avaliar se contatos extradurais durante hemilaminectomia em cães com extrusão de disco intervertebral causariam piora neurológica no pós-operatório imadiato e/ou tardio. Dezenove cães com extrusão toracolombar de disco intervertebral foram submetidos à hemilaminectomia para descompressão medular e remoção do material extruso. Durante o procedimento cirúrgico, os contatos meningomedulares foram quantificados. Antes da cirurgia, 11/19 cães apresentavam paraplegia (com nocicepção) e 8/19 cães, paraparesia. Ao fim do estudo, apenas dois cães (2/19) mostravam paraplegia com dor profunda e um (1/19), paraparesia. Observou-se maior quantidade de contatos extradurais quando o material discal extruso encontrava-se em posição ventrolateral. Os contatos extradurais não mostraram influência estatística na evolução neurológica dos animais, bem como no tempo de recuperação das funções motora. Vinte e quatro e 48 horas após a cirurgia, 13/19 cães apresentavam o mesmo grau neurológico de antes da cirurgia. Após sete e 90 dias de pós-operatório, 13/19 e 17/19 demonstraram melhora neurológica em comparação com o pré-operatório, respectivamente. A quantidade de contatos extradurais não influenciou na recuperação neurológica dos cães. Esses achados indicam que uma inspeção minuciosa do canal vertebral pode ser recomendada, a fim de remover o máximo de material discal extruso, evitando-se piora neurológica por compressão medular.

Palavras-chave:
canino; hérnia de disco; hemilaminectomia; medula espinal

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@gmail.com