Estudo comparativo entre métodos manual e digital no cálculo do ângulo do platô tibial em cães

Comparative study of manual and digital method in the calculation of the tibial plateau angle in dogs

A.M. Alves S. Capelasso R. Zanatta R.S.L. Oliveira M.D. Santos F.M. Silva C.R.A. Ferrigno N.M.B. Dower S.H. Freitas K.C.I. Yamauchi Sobre os autores

RESUMO

São poucos os dados publicados sobre a aplicabilidade ou a confiabilidade dos métodos digitais para mensuração do ângulo do platô tibial (APT) em comparação à mensuração manual. O objetivo deste estudo foi comparar o APT obtido pelo cálculo manual padrão, em filmes radiográficos, com os valores obtidos por cálculos em imagens digitais, por meio do software do computador. Foram analisadas radiografias digitais do membro pélvico, direito e esquerdo, em perfil verdadeiro, de 20 cães saudáveis, com idade superior a um ano. Três observadores com graus de experiência semelhantes em cálculo do APT realizaram as mensurações em cada radiografia. Primeiramente, foram calculados os ângulos dos platôs tibiais manualmente nas películas radiográficas e, posteriormente, os cálculos foram realizados na imagem digital, por meio do software para medicina veterinária do sistema de raios X digital. Os resultados do presente estudo demonstraram diferenças significativas entre os métodos, com valor das médias do cálculo digital 20,48±3.71 e do cálculo manual 23.90±4.02. Valor de P foi < 0,01 na comparação entre médias dos dois grupos. Na avaliação interobservadores, houve diferença significativa no cálculo manual no perfil direito, o que sugere maior variação no cálculo manual quando comparado ao digital. O cálculo realizado pelo software apresentou menor variação nos valores interobservadores. Acredita-se que a menor variação obtida nos resultados aqui apresentados se dê em razão das facilidades proporcionadas pelo software. Conclui-se que houve diferença entre os valores obtidos por meio dos métodos convencional e digital no cálculo do ângulo do platô tibial, sendo os valores digitais menores entre os observadores, e que o método digital no cálculo do ângulo do platô tibial levou à menor variação quando comparado ao método manual.

Palavras-chave:
ligamento cruzado cranial; mensuração; software; ruptura

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br