Concentração sérica de proteínas de fase aguda e imunoglobulinas em bezerros acometidos por diarreia por rotavírus

T.G. Rocha F.D.F. Silva C. Bortoletto D.G. Silva M.G. Buzinaro L.F. Zafalon J.J. Fagliari Sobre os autores

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi avaliar alterações nos teores de proteínas de fase aguda de acordo com a ocorrência de diarreia por rotavírus em bezerros no decorrer do primeiro mês de vida. Amostras de sangue e fezes de 24 bezerros da raça Holandesa foram coletadas antes da ingestão de colostro e com um, dois, sete, quinze, vinte um e trinta dias de idade, sendo os bezerros alocados em três grupos: bezerros que não apresentaram diarreia (grupo A), bezerros que apresentaram diarreia, mas foram negativos para a detecção de rotavírus nas fezes (grupo B) e bezerros que apresentaram diarreia e foram positivos para detecção de rotavírus nas fezes (grupo C) (experimento 1). Sempre que os animais apresentavam episódio de diarreia, amostras de sangue e fezes eram coletadas em intervalos de 24 horas até o término dos sinais clínicos (experimento 2). As proteínas séricas foram separadas por meio da técnica de SDS-PAGE e a pesquisa de rotavírus nas fezes foi realizada por meio da técnica de PAGE. Os resultados do experimento 1 foram analisados por meio de ANOVA e do teste de Tukey, considerado significativo quando P<0,05. Os dados do experimento 2 foram submetidos ao teste HSD. Os teores de proteína total, globulinas e IgG foram menores no grupo C que nos grupos A e B, os teores de ceruloplasmina e transferrina foram maiores no grupo C que nos grupos A e B e as concentrações séricas de haptoglobina e α1-glicoproteína ácida não diferiram significativamente entre grupos. Os bezerros manifestaram diarreia, em média, com 10,4 a 14,6 dias de idade no grupo B e com 10,3 a 14,6 dias de idade no grupo C. Nos momentos de manifestação de diarreia, os teores de IgA, haptoglobina e α1-glicoproteína ácida não diferiram significativamente entre os grupos B e C, mas os teores de ceruloplasmina e transferrina foram maiores no grupo C que no grupo B, oposto ao verificado para o teor de IgG. Esses achados mostram que a otimização da transferência de imunidade passiva de imunoglobulinas reduz a probabilidade de os animais apresentarem diarreia por rotavírus. Adicionalmente, a ceruloplasmina apresenta características de um biomarcador da infecção por rotavírus em bezerros.

Palavras-chave:
rotavirus bovino; diarreia neonatal bovina; proteinograma sérico; ceruloplasmina

Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br
Accessibility / Report Error