Eliminação de Escherichia coli Shigatoxigênica não O157 em compostagem de esterco ovino

J.M. Marin R.P. Maluta C.A. Borges L.G. Beraldo S.A. Maesta M.V.F. Lemos U.S. Ruiz F.A. Ávila E.C. Rigobelo Sobre os autores

Esterco de animais de criação pode conter microrganismos patogênicos, o que representa um risco para a saúde animal e a humana se o esterco não for adequadamente tratado ou descartado. Determinou-se o tempo necessário para a eliminação de Escherichia coli Shiga toxigenica (STEC) não O157 em esterco ovino composto, obtido de fezes frescas de ovelhas naturalmente colonizadas com cepas STEC não O157 que apresentavam os genes stx1/ stx2. Foram utilizados dois sistemas de compostagem, aerado e não aerado, em experimentos realizados na cidade de Dracena, estado de São Paulo. Todas as semanas, durante sete semanas, uma amostra de compostagem proveniente de seis pontos diferentes na leira, nos dois sistemas, foi coletada e semeada para a determinação da presença de E. coli, da presença de genes de virulência nas células, bem como da sensibilidade dessas células a 10 drogas antimicrobianas. Em cada amostragem, a temperatura da leira foi analisada. Células de STEC não O157 sobreviveram por 49 dias nos dois sistemas de compostagem. E. coli não STEC com um alto grau de resistência a antibióticos foi recuperada ao longo de todo o período de compostagem. Não foi possível estabelecer relação entre a presença de genes de virulência e a resistência a antibióticos. A presença de genes de virulência e a resistência a múltiplos antibióticos em E. coli representam um risco potencial para o espalhamento desses genes na cadeia alimentar humana, o que é motivo de grande preocupação.

eliminação de bactéria; VTEC; meio ambiente; esterco; genes de virulência


Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@abmvz.org.br