Accessibility / Report Error

Ocorrência, patógenos e fatores de risco para mastite subclínica em cabras leiteiras

Occurrence, pathogens and risk factors for subclinical mastitis in dairy goats

ABSTRACT

Milk samples from 257 goats and 513 half udders of 10 dairy goat farms were analyzed by microbiological culture, to evaluate the sanitary management, and epidemiological questionnaire results. Multivariate analysis of risk factors for subclinical mastitis in goats, with the adjusted Odds Ratio for subclinical mastitis was performed. The prevalence of subclinical mastitis in goats by microbiological culture was 43.6%, and clinical mastitis was 5.84%. From 178 positive teats by microbiological culture, the most prevalent pathogens were coagulase-negative staphylococci - CNS (70%), S. aureus (13.5%), S. intermedius (7.9%), and Enterobacteriaceae (4%). The risk factors analysis revealed significant association between the disease and the flock size (OR= 3.33; P= 0.0268), and the farm was a confounding factor, being kept in the final statistical model. Despite the non-identification of all the factors associated with subclinical mastitis in herds and the existence of confounding factors that hinder statistical analyzes, the study of risk factors is important for the improvement of disease control and prevention programs in dairy goat, and it can be used as a tool in the reduction of environmental and contagious pathogens such as staphylococci that were the most identified pathogens causing caprine mastitis in the study.

Keywords:
goat mastitis; milk quality; epidemiology; risk factors

Palavras-chave:
mastite caprina; qualidade do leite; epidemiologia; fatores de risco

Keywords:
goat mastitis; milk quality; epidemiology; risk factors

A mastite caprina é uma enfermidade complexa, que gera graves prejuízos econômicos devido ao descarte do leite, aos custos com medicamentos, à assistência veterinária, ao aumento de mão de obra, à redução da qualidade e da quantidade do leite e de seus subprodutos, além do risco para a saúde pública (Contreras et al., 2007CONTRERAS, A.; SIERRA, D.; SANCHEZ, A. et al. Mastitis in small ruminants. Small Ruminant Res., v.68, p.145-153, 2007.).

Estima-se que as perdas na produção de leite de cabras portadoras de mastite subclínica possam variar de 55 a 132kg de leite/ano e que possa haver uma redução de 3g de gordura/kg de leite por animal (Baudry et al., 1997BAUDRY C.; DE CREMOUX, R.; CHARTIER, C; PERRIN, G. Impact of the cellular concentration of milk in goats on its production and its compositon. Vet. Res. v.28, p.277-286, 1997.). Os agentes etiológicos são semelhantes aos da mastite bovina, como estafilococos coagulase-positivos (ECP), estafilococos coagulase-negativos (ECN), Streptococcus spp., Escherichia coli, Corynebacterium spp., Pseudomonas sp. e algumas espécies de fungos menos frequentes (Peixoto et al., 2012PEIXOTO, R.M.; AMANSO, E.S.; CAVALCANTE, M.B. et al. Fatores de risco para mastite infecciosa em cabras leiteiras criadas no estado da Bahia. Arq. Inst. Biol., v.79, p.101-105, 2012.).

A prevenção e o controle são importantes e baseiam-se na adoção de medidas sanitárias nas propriedades, que devem ser aplicadas simultaneamente para redução das taxas de infecções subclínicas e clínicas, estando relacionadas principalmente aos aspectos higiênicos das glândulas mamárias durante a ordenha e das pessoas envolvidas nesse processo (Contreras et al., 2007CONTRERAS, A.; SIERRA, D.; SANCHEZ, A. et al. Mastitis in small ruminants. Small Ruminant Res., v.68, p.145-153, 2007.). Considerando-se a importância da caprinocultura e as perdas econômicas ocasionadas pelas mastites, objetivou-se estudar a ocorrência dessa enfermidade, bem como os principais agentes isolados e os fatores de risco associados à mastite subclínica em cabras leiteiras.

Foram coletadas amostras de leite de 257 cabras, perfazendo um total de 513 metades mamárias, de 10 propriedades leiteiras, localizadas em sete municípios do estado de São Paulo, Brasil. Este projeto foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética no Uso de Animais em pesquisa da Universidade Estadual Paulista (Protocolo nº 185/2010 - Ceua).

Para a coleta das amostras de leite, os tetos das cabras em lactação foram lavados previamente com água e secados com papel-toalha descartável. Após o descarte dos três primeiros jatos, foi realizada antissepsia do óstio do teto com algodão umedecido em solução de álcool 70%, e amostras de 10mL foram coletadas em duplicata, em frascos de vidro esterilizados, devidamente identificados, e mantidas em caixa isotérmica contendo gelo reciclável, até o momento da chegada ao laboratório, quando foram processadas. Realizou-se também o teste de California Mastitis Test (CMT), de todos os tetos, de acordo com Schalm e Noorlander (1957SCHALM, O.W.; NOORLANDER, D.D. Experiments and observations leading to development of the California Mastitis Test. J. Am. Vet. Med. Assoc., v.130, p.199-204, 1957.), sendo coletadas amostras para o exame microbiológico, independentemente do grau de positividade do teste.

As amostras de leite foram semeadas em duplicata, nos meios de ágar sangue ovino 5% e ágar MacConkey, mantidas a 37°C em aerobiose, por 72 horas, com leitura a cada 24 horas. As linhagens de micro-organismos de origem bacteriana foram identificadas segundo as características de cultivo, morfotintoriais e bioquímicas (Quinn et al., 1994QUINN, P.J.; CARTER, M.E.; MARKEY, B.K.; CARTER, G.R. Mastitis. In: QUINN, P.J.; CARTER, M.E.; MARKEY, B.K.; CARTER, G.R. (Eds.). Clinical veterinary microbiology. London: Wolfe Publishing, 1994. p.327-344.).

Foi aplicado um questionário epidemiológico, sendo entrevistado o proprietário ou responsável pelos animais de cada propriedade. Avaliaram-se as condições gerais de manejo dos animais e higiene de ordenha. Foram considerados, ainda, os seguintes itens: produção leiteira (média diária), tipos de equipamentos de ordenha e de armazenamento do leite, manejo de ordenha, hábitos de higiene dos ordenhadores, medidas de diagnóstico e prevenção de mastite, prevalência de mastite clínica e/ou subclínica, rotina de tratamento utilizado nos animais com mastite, além da idade dos animais e número de lactações.

Nenhuma das propriedades rurais recebia assistência veterinária, e nenhum outro problema sanitário, reprodutivo ou nutricional foi observado nos rebanhos durante a coleta das amostras.

Estatísticas descritivas PROC FREQ e PROC MEANS do Statistical Analysis Software - SAS foram produzidas para caracterizar a população do estudo, descrever os agentes etiológicos causadores de mastite e estimar as ocorrências de mastite subclínica e clínica. O teste de qui-quadrado ou de Fisher PROC FREQ foi usado para testar a hipótese de que a ocorrência de mastite é heterogênea entre as fazendas.

Associações entre possíveis fatores de risco e a presença de mastite subclínica em nível de animal foram testadas por meio do teste de qui-quadrado. Como “propriedade” foi o principal fator de confusão na estimativa dessas associações, modelos de regressão logística PROC GENMOD (SAS, 2009) foram usados para produzir associações (estimadas usando-se a razão das chances) ajustadas por propriedade. Significância estatística foi definida como P<0,05.

Os tamanhos das 10 propriedades rurais foram heterogêneos, variando entre 17 e 150 hectares, sendo a caprinocultura de leite, na sua totalidade, a atividade principal. O número total de cabras em lactação nas propriedades variou entre 20 e 160 animais. A idade variou entre dois e 6,5 anos, sendo 77,43% (199/257) Saanen e 22,57% (58/257) Anglo-Nubiana.

Todas as propriedades ordenhavam os animais duas vezes ao dia. A produção diária de leite dos rebanhos variou entre 30 e 120 litros, e a produção leiteira média do rebanho variou entre 0,75 e 2,94 litros. Com relação à fase de lactação: 31,52% (81/257) das cabras estavam na fase inicial, 59,92% (154/257) na intermediária e 8,56% (22/257) na final.

Foram examinadas, pelos testes de triagem (prova de Tamis e CMT), 257 cabras em lactação, perfazendo um total de 514 metades mamárias avaliadas, sendo apenas uma metade mamária perdida. Realizaram-se, portanto, exames microbianos em 513 amostras de leite.

Nenhuma amostra foi negativa ao CMT, bem como apresentou contaminação no exame microbiológico. Dessas amostras, 34,7% (178/513) revelaram crescimento bacteriano e 65,3% (335/513) se mostraram negativas. A prevalência de mastite subclínica pela lactocultura foi de 43,6% (112/257), e de mastite clínica 5,84% (15/257). Do total de amostras de leite, a porcentagem de mastite subclínica pela lactocultura foi de 34,7% (178/513) e de mastite clínica, 2,92% (15/513). Na mastite subclínica, obteve-se a média de 1,6 (178/112) metade mamária infectada por cabra.

A frequência de mastite subclínica e clínica em cabras e metades mamárias não foi homogênea entre as propriedades (P<0,01), sendo a porcentagem de mastite subclínica na população de cabras variável entre 23,68% e 68% e nas metades mamárias entre 14,5% e 58,6%. Quanto aos casos clínicos nas cabras, esses variaram entre 4% e 34,28%, e nas metades mamárias entre 2% e 17,14%.

Os patógenos mais frequentes nas 513 amostras de leite foram: 132 (24%) ECN, 24 (4,7%) S. aureus, 14 (2,73%) S. intermedius, sete (1,4%) Enterobacteriaceae, três (0,6%) Corynebacterium spp., três (0,6%) S. hyicus, um (0,2%) Streptococcus spp., um (0,2%) Micrococcus spp., um (0,2%) S. schleiferi subsp. coagulans e um (0,2%) S. lutrae. Das 178 metades mamárias positivas, os patógenos isolados foram: 123 (70%) ECN, 24 (13,5%) S. aureus, 14 (7,9%) S. intermedius e sete (4%) Enterobacteriaceae.

A frequência de ECN nas propriedades variou entre 2,5% e 50%, S. intermedius entre 1,4% e 13,1%, S. aureus entre 1,3% e 12,9%, Enterobacteriaceae entre 1,6% e 5%, Corynebacterium spp. entre 2,2% e 2,5%, e S. hyicus entre 2,5% e 3,4%. A distribuição dos patógenos isolados das amostras de leite das metades mamárias não foi homogênea entre as propriedades (P<0,01).

Os resultados das análises dos fatores de risco para mastite subclínica nos animais das 10 propriedades encontram-se na Tab. 1.

Tabela 1
Razão das chances (Odds Ratio) ajustadas para mastite subclínica em cabras leiteiras de acordo com variáveis obtidas em questionário epidemiológico

A frequência de 43,6% de mastite subclínica nos animais avaliados está acima do encontrado por Neves et al. (2010NEVES, P.B.; MEDEIROS, E.S.; SÁ, V.V. et al. Perfil microbiológico, celular e fatores de risco associados à mastite subclínica em cabras no semiárido da Paraíba. Pesqui. Vet. Bras., v.30, p.379-384, 2010.), de 11,49% no estado da Paraíba, Langoni et al. (2012LANGONI, H.; CITADELLA, J.C.C.; MACHADO, G.P. et al. Aspectos microbiológicos e citológicos do leite na mastite caprina subclínica. Vet. Zootec., v.19, p.815-822, 2012.), de 12,5% nos estados de São Paulo e Minas Gerais e por Peixoto et al. (2012PEIXOTO, R.M.; AMANSO, E.S.; CAVALCANTE, M.B. et al. Fatores de risco para mastite infecciosa em cabras leiteiras criadas no estado da Bahia. Arq. Inst. Biol., v.79, p.101-105, 2012.), de 29,06% no estado da Bahia. Segundo Contreras et al. (2007CONTRERAS, A.; SIERRA, D.; SANCHEZ, A. et al. Mastitis in small ruminants. Small Ruminant Res., v.68, p.145-153, 2007.), a mastite subclínica predomina nos rebanhos de pequenos ruminantes, apresentando prevalência entre 5 e 30%, e pode alcançar taxas elevadas em determinadas situações de manejo.

As propriedades com maior ocorrência de mastite subclínica diferiram das propriedades com menores ocorrências nas seguintes características: os animais eram confinados, ordenhados manualmente e submetidos à secagem intermitente sem realização de antibioticoterapia neste período, sendo os casos de mastite clínica tratados apenas com antibioticoterapia via intramamária. Segundo Moroni et al. (2005MORONI, P.; PISONI, G.; RUFFO, G.; BOETTCHER, P.J. Risk factors for intramammary infections and relationship with somatic-cell counts in Italian dairy goats. Prev. Vet. Med., v.69, p.163-173, 2005.), rebanhos com essas condições de manejo apresentam maior susceptibilidade para ocorrência e transmissão da doença entre os animais.

A ocorrência de mastite clínica na população de cabras foi superior ao mencionado na literatura (<5%), no entanto é normal que a prevalência eleve-se na ausência de um correto manejo higiênico-sanitário (Contreras et al., 2007CONTRERAS, A.; SIERRA, D.; SANCHEZ, A. et al. Mastitis in small ruminants. Small Ruminant Res., v.68, p.145-153, 2007.).

Das 513 amostras de leite das metades mamárias examinadas, 65,30% foram negativas. As culturas negativas podem estar relacionadas à ausência de infecção, nos casos de mastites assépticas, ou a agentes que exigem condições especiais para isolamento (Neves et al., 2010NEVES, P.B.; MEDEIROS, E.S.; SÁ, V.V. et al. Perfil microbiológico, celular e fatores de risco associados à mastite subclínica em cabras no semiárido da Paraíba. Pesqui. Vet. Bras., v.30, p.379-384, 2010.). As análises microbiológicas demonstraram a ocorrência dos mais importantes patógenos das mastites nas 10 propriedades estudadas. Todos esses patógenos, com exceção dos ECP (S. lutrae e S. scheleiferi subsp. coagulans), já foram isolados no leite de cabra no Brasil por Mota et al. (2000MOTA, R.A.; DE CASTRO, F.J.C.; DA SILVA, L.B.G.; OLIVEIRA, A.A.F. Etiologia e sensibilidade a antimicrobianos in vitro das bactérias isoladas do leite de cabras com mastite procedentes da região Metropolitana do Recife, Pernambuco, Brasil. Hora Vet., v.19, p.26-29, 2000.), Silva et al. (2004SILVA, E.R.; SIQUEIRA, A.P.; MARTINS, J.C.D. et al. Identification and in vitro antimicrobial susceptibility of Staphylococcus species isolated from goat mastitis in the Northeast of Brazil. Small Ruminant Res., v.55, p.45-49, 2004.), Langoni et al. (2006LANGONI, H.; DOMINGUES, P.F.; LUCHEIS, S.B. Mastite caprina: seus agentes e sensibilidade frente a antimicrobianos. Rev. Bras. Ciênc. Vet., v.13, p.51-54, 2006.), Neves et al. (2010) e Peixoto et al. (2012PEIXOTO, R.M.; AMANSO, E.S.; CAVALCANTE, M.B. et al. Fatores de risco para mastite infecciosa em cabras leiteiras criadas no estado da Bahia. Arq. Inst. Biol., v.79, p.101-105, 2012.).

As propriedades que apresentaram as maiores ocorrências de mastite subclínica nas metades mamárias e os maiores percentuais de isolamento de ECN mantinham os rebanhos em confinamento e realizavam ordenha manual. Essas características podem favorecer a infecção da glândula mamária, pois dentro dos ECN estão algumas espécies comensais da pele dos animais, das mucosas e mãos dos ordenhadores, as quais são relativamente estáveis no ambiente e podem causar mastite contagiosa (Oliveira et al., 2011OLIVEIRA, C.J.B.; HISRICH, E.R.; MOURA, J.F.P. et al. On farm risk factors associated with goat milk in Northeast Brazil. Small Ruminant Res., v.98, p.64-69, 2011.).

A elevada ocorrência de ECN (23,98%) corrobora os estudos de Silva et al. (2004SILVA, E.R.; SIQUEIRA, A.P.; MARTINS, J.C.D. et al. Identification and in vitro antimicrobial susceptibility of Staphylococcus species isolated from goat mastitis in the Northeast of Brazil. Small Ruminant Res., v.55, p.45-49, 2004.), Langoni et al. (2006LANGONI, H.; DOMINGUES, P.F.; LUCHEIS, S.B. Mastite caprina: seus agentes e sensibilidade frente a antimicrobianos. Rev. Bras. Ciênc. Vet., v.13, p.51-54, 2006.) e Oliveira et al. (2011OLIVEIRA, C.J.B.; HISRICH, E.R.; MOURA, J.F.P. et al. On farm risk factors associated with goat milk in Northeast Brazil. Small Ruminant Res., v.98, p.64-69, 2011.), sendo os ECN importantes patógenos de mastite subclínica caprina nos diferentes sistemas de criação. As infecções por ECN são mais compatíveis com a ausência de manifestações clínicas nos animais e constituem agentes significativos das mastites subclínicas em cabras.

Staphylococcus aureus foi o ECP mais frequente, destacando-se como causador de mastite contagiosa, sendo de difícil tratamento devido à sua elevada resistência. Destacam-se, ainda, os riscos para a saúde pública pela produção de toxinas termorresistentes. As outras espécies de ECP isoladas no presente estudo (S. intermedius, S. hyicus, S. lutrae e S. scheleiferi subsp. coagulans) são menos frequentes nas mastites (Kyozaire et al., 2005KYOZAIRE, J.K.; VEARY, C.M.; PETZER, I.M.; DONKIN, E.F. Microbiological quality of goat’s milk obtained under different production systems. J. S. Afr. Vet. Assoc., v.76, p.69-73, 2005.).

As bactérias do gênero Streptococcus spp., Corynebacterium spp., Micrococcus spp. e da família Enterobacteriaceae são encontradas com menor frequência nas mastites caprinas (Contreras et al., 2007CONTRERAS, A.; SIERRA, D.; SANCHEZ, A. et al. Mastitis in small ruminants. Small Ruminant Res., v.68, p.145-153, 2007.), o que está de acordo com o presente estudo.

A análise dos fatores de risco revelou que o tamanho do rebanho foi estatisticamente associado à ocorrência da mastite subclínica, visto que os casos de mastite foram 3,33 vezes mais frequentes em rebanhos maiores (com mais de 38 animais) do que em rebanhos menores (menos de 38 animais). Propriedades com rebanhos maiores tendem a apresentar maior prevalência de mastite, em decorrência da dificuldade na execução das atividades de controle e profilaxia de rotina contra a doença (Peixoto et al., 2012PEIXOTO, R.M.; AMANSO, E.S.; CAVALCANTE, M.B. et al. Fatores de risco para mastite infecciosa em cabras leiteiras criadas no estado da Bahia. Arq. Inst. Biol., v.79, p.101-105, 2012.).

Durante a modelagem estatística para os fatores de risco, a propriedade foi um evidente fator de confusão. Isso pode ser relacionado à existência de peculiaridades em características de manejo, produção e instalações que afetam as associações entre a presença de mastite subclínica e as demais variáveis abordadas no questionário epidemiológico, de modo que o efeito da propriedade foi mantido no modelo estatístico e as razões das chances reportadas foram ajustadas para tal fator. Não foi verificada nenhuma outra associação significativa para as outras variáveis do questionário epidemiológico. Deve-se ressaltar a limitação do número de propriedades avaliadas para a realização de associações estatísticas mais robustas e possíveis fatores de confusão não contemplados e avaliados por este estudo.

Apesar da não identificação de todos os fatores associados à mastite subclínica nos rebanhos e da existência de fatores de confusão que dificultam as análises estatísticas, o estudo dos fatores de risco é importante para o aprimoramento dos programas de controle e prevenção da doença na caprinocultura leiteira e pode ser utilizado como ferramenta na diminuição de patógenos ambientais e contagiosos, como os estafilococos, que foram os patógenos causadores de mastite caprina mais identificados neste estudo.

AGRADECIMENTOS

À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), pela concessão de bolsa de doutorado (2010/17254-7) e de auxílio à pesquisa (2011/07107-0).

REFERÊNCIAS

  • BAUDRY C.; DE CREMOUX, R.; CHARTIER, C; PERRIN, G. Impact of the cellular concentration of milk in goats on its production and its compositon. Vet. Res. v.28, p.277-286, 1997.
  • CONTRERAS, A.; SIERRA, D.; SANCHEZ, A. et al. Mastitis in small ruminants. Small Ruminant Res., v.68, p.145-153, 2007.
  • KYOZAIRE, J.K.; VEARY, C.M.; PETZER, I.M.; DONKIN, E.F. Microbiological quality of goat’s milk obtained under different production systems. J. S. Afr. Vet. Assoc., v.76, p.69-73, 2005.
  • LANGONI, H.; CITADELLA, J.C.C.; MACHADO, G.P. et al. Aspectos microbiológicos e citológicos do leite na mastite caprina subclínica. Vet. Zootec., v.19, p.815-822, 2012.
  • LANGONI, H.; DOMINGUES, P.F.; LUCHEIS, S.B. Mastite caprina: seus agentes e sensibilidade frente a antimicrobianos. Rev. Bras. Ciênc. Vet., v.13, p.51-54, 2006.
  • MORONI, P.; PISONI, G.; RUFFO, G.; BOETTCHER, P.J. Risk factors for intramammary infections and relationship with somatic-cell counts in Italian dairy goats. Prev. Vet. Med., v.69, p.163-173, 2005.
  • MOTA, R.A.; DE CASTRO, F.J.C.; DA SILVA, L.B.G.; OLIVEIRA, A.A.F. Etiologia e sensibilidade a antimicrobianos in vitro das bactérias isoladas do leite de cabras com mastite procedentes da região Metropolitana do Recife, Pernambuco, Brasil. Hora Vet., v.19, p.26-29, 2000.
  • NEVES, P.B.; MEDEIROS, E.S.; SÁ, V.V. et al. Perfil microbiológico, celular e fatores de risco associados à mastite subclínica em cabras no semiárido da Paraíba. Pesqui. Vet. Bras., v.30, p.379-384, 2010.
  • OLIVEIRA, C.J.B.; HISRICH, E.R.; MOURA, J.F.P. et al. On farm risk factors associated with goat milk in Northeast Brazil. Small Ruminant Res., v.98, p.64-69, 2011.
  • PEIXOTO, R.M.; AMANSO, E.S.; CAVALCANTE, M.B. et al. Fatores de risco para mastite infecciosa em cabras leiteiras criadas no estado da Bahia. Arq. Inst. Biol., v.79, p.101-105, 2012.
  • QUINN, P.J.; CARTER, M.E.; MARKEY, B.K.; CARTER, G.R. Mastitis. In: QUINN, P.J.; CARTER, M.E.; MARKEY, B.K.; CARTER, G.R. (Eds.). Clinical veterinary microbiology. London: Wolfe Publishing, 1994. p.327-344.
  • SAS Institute. SAS/STAT User’s Guide. Version 9.2, SAS Institute Inc., Cary, NC, 2009.
  • SCHALM, O.W.; NOORLANDER, D.D. Experiments and observations leading to development of the California Mastitis Test. J. Am. Vet. Med. Assoc., v.130, p.199-204, 1957.
  • SILVA, E.R.; SIQUEIRA, A.P.; MARTINS, J.C.D. et al. Identification and in vitro antimicrobial susceptibility of Staphylococcus species isolated from goat mastitis in the Northeast of Brazil. Small Ruminant Res., v.55, p.45-49, 2004.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Sep-Oct 2018

Histórico

  • Recebido
    13 Jul 2017
  • Aceito
    17 Abr 2018
Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Caixa Postal 567, 30123-970 Belo Horizonte MG - Brazil, Tel.: (55 31) 3409-2041, Tel.: (55 31) 3409-2042 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: abmvz.artigo@gmail.com