Comparação de três abordagens anestésicas diferentes para injeções intravítreas: um estudo prospectivo e randomizado

Gabriel Costa de Andrade André Correa Maia de Carvalho Sobre os autores

Objetivo:

Comparar a eficácia anestésica entre proparacaína tópica, lidocaína subconjuntival e lidocaína gel a 2%.

Métodos:

Noventa e dois pacientes em tratamento com injeções intravítreas foram randomizados para um de três grupos: proparacaína 0,5% gotas (Grupo gotas), proparacaína 0,5% gotas seguida de lidocaína subconjuntival (Grupo SC), ou lidocaína gel a 2%. (Grupo Gel). Os pacientes foram orientados a graduar a sua experiência de dor por uma escala visual analógica, numa escala de 0 a 10, imediatamente após as injeções, bem como 10 minutos, 1 hora, 6 horas e 24 horas após. Os pacientes também classificaram a experiência global de injeção como excelente, muito boa, regular, ruim ou horrível. O médico avaliou o movimento do olho do paciente durante a injeção intravítrea em três níveis: nenhuma ou mínima (0), não comprometendo a injeção (1), comprometendo a injeção (2).

Resultados:

Os pacientes do grupo gotas apresentaram uma graduação média de dor pior durante a injeção e 10 minutos após, com maior ocorrência de movimentos comprometendo a injeção (grau 2) (38,7%). Os pacientes do grupo SC, apresentaram maior percentual de boa experiência durante o procedimento (37,9%) e maior ocorrência de quemose (16,7%). Os pacientes do grupo Gel apresentaram escore de dor geral semelhante ao grupo Gotas e maior incidência de ceratite (19,4%). Não houve correlação estatisticamente significativa com o uso de aspirina ou anticoagulantes e a ocorrência de hiperemia ou hiposfagma.

Conclusão:

Lidocaína subconjuntival foi mais eficaz na prevenção da dor durante injeção intravítrea com movimentação ocular mínima. Embora os pacientes do grupo lidocaína gel a 2% tenham apresentado uma boa experiência, consideramos a incidência ceratite muito elevada (19,4%) e não recomendamos lidocaína gel a 2% como a primeira escolha como anestésico para injeções intravítreas. Não há evidência para a suspensão do uso de aspirina ou drogas anti-coagulantes em pacientes que serão submetidos a injeções intravítreas.

Eficácia; Anestesia; Proparacaína/administração & dosagem; Lidocaína/ administração & dosagem; Injeções intravítreas; Conjuntiva/efeito de drogas


Conselho Brasileiro de Oftalmologia Rua Casa do Ator, 1117 - cj.21, 04546-004 São Paulo SP Brazil, Tel: 55 11 - 3266-4000, Fax: 55 11- 3171-0953 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abo@cbo.com.br