Implantação de lentes intraoculares tóricas no saco capsular em casos de ruptura da cápsula anterior: uma série de casos

Panagiotis Dervenis Nikolaos Dervenis Dimitrios Chiras Sobre os autores

RESUMO

Objetivo:

Analisar os resultados do implante de lentes intraoculares tóricas para rupturas capsulares anterio­res durante a facoemulsificação.

Métodos:

A coorte desta série re­trospectiva, consecutiva e intervencional de casos que inclui 8 pacientes. Um paciente foi excluído quando a lágrima foi usada para aumentar a rexe. O astigmatismo pré-operatório médio foi de -1,67 D (± 0,98) e a média da acuidade visual logMAR sem intervenção pré-operatória foi de 0,62 (± 0,76). A média do ângulo entre a ruptura da cápsula anterior e o háptico mais próximo da lente intraocular foi de 51,25° (variação, 30°-90°).

Resultados:

A acuidade visual logMAR final sem ajuda foi de 0,16 (± 0,21) e o cilindro final foi de -1,1 D (± 0,59). O tempo médio de acompanhamento foi de aproximadamente 2 ± 1,2 meses. Nesta série de casos, nenhuma lente teve que ser removida ou rotacionada no pós-operatório. A colocação de uma lente intraocular tórica na presença de uma ruptura da cápsula anterior mostrou-se segura em todos os pacientes. Um ângulo de pelo menos 30° permaneceu entre a ruptura e o háptico da lente intraocular.

Conclusão:

A colocação de lente intraocular tórica na presença de uma ruptura da cápsula anterior pode ser segura, pelo menos em casos com um ângulo de 30° entre a ruptura da cápsula anterior e o háptico da lente intraocular.

Descritores:
Facoemulsificação/efeitos adversos; Catarata; Implante de lente intraocular; Acuidade visual

Conselho Brasileiro de Oftalmologia Rua Casa do Ator, 1117 - cj.21, 04546-004 São Paulo SP Brazil, Tel: 55 11 - 3266-4000, Fax: 55 11- 3171-0953 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abo@cbo.com.br