Alterações oculares por uso sistêmico de alfa-interferon em pacientes com hepatite C

OBJETIVO: Avaliar alterações oculares (em especial lesões fundoscópicas) em pacientes com hepatite C tratados com alfa-interferon (IFN). MÉTODOS: Estudo prospectivo, descritivo e observacional de pacientes com hepatite C do serviço de Gastroenterologia da UNIFESP com indicações de uso de alfa-interferon entre novembro de 1999 e junho de 2000. Esses pacientes foram submetidos a exame oftalmológico completo antes e 1, 3, 6 e 12 meses após o início do tratamento. Pacientes HIV positivos, ou com exposição prévia à droga foram excluídos. RESULTADOS: De um total de 51 pacientes selecionados, 31 foram acompanhados. A relação masculino-feminino foi de 1,55, e a média de idade de 47 anos. A acuidade visual corrigida variou de 20/15 a 20/40. Vinte e dois por cento dos pacientes queixaram-se de sensação de corpo estranho, principalmente nos dois primeiros meses de terapia. Queixas gerais foram: artralgia, cefaléia, depressão, fraqueza muscular. Achados oculares foram: hemorragia retiniana (um olho) e exsudatos moles (três olhos), todos assintomáticos. Em um paciente com história pregressa de tratamento com interferon, observou-se presença de hemorragia vítrea, exsudatos duros e moles e tortuosidade vascular. Um paciente faleceu durante o tratamento por infarto cardíaco. CONCLUSÕES: Existem alterações oculares por uso sistêmico de alfa-interferon. Não existem estudos no nosso país descrevendo essas alterações. Médicos clínicos gerais e gastroenterologistas devem prestar atenção a esse tipo de problema, e encaminhar os pacientes a um serviço de oftalmologia para acompanhamento paralelo.

Hepatite C; Alfa-interferon; Retinopatia


Conselho Brasileiro de Oftalmologia Rua Casa do Ator, 1117 - cj.21, 04546-004 São Paulo SP Brazil, Tel: 55 11 - 3266-4000, Fax: 55 11- 3171-0953 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abo@cbo.com.br