Pupilometria na doença de Chagas

Diva Vargas Cleudson Castro Sobre os autores

RESUMO

Introdução:

Investigaram-se anormalidades da inervação parassimpática dos músculos esfíncter da íris e ciliar na doença de Chagas crônica, através de medidas pupilares e da pressão intraocular.

Métodos:

Foram estudados dois grupos, um com 80 chagásicos e outro com 76 indivíduos saudáveis sem infecção chagásica. Foram realizados os seguintes procedimentos: pupilometria, teste de hipersensibilidade à pilocarpina a 0,125%, medida da pressão intraocular (PIO), diâmetro basal da pupila (DBP), amplitude de constrição pupilar absoluta (ACA), amplitude de constrição pupilar relativa (ACR), e presença de anisocoria.

Resultados:

A prevalência de anisocoria foi maior nos chagásicos (p<0,01). Estes pacientes apresentaram diâmetro basal pupilar médio, diâmetro fotópico médio e valor médio da amplitude de constrição pupilar absoluta, significativamente menores que os não chagásicos, (p<0,01, diferença de média -0,50mm), (p=0.02, diferença de média -0,20mm), (p<0,01, diferença de média -0,29mm), respectivamente. A amplitude de constrição pupilar relativa não diferiu entre os dois grupos (p=0,39, diferença de média -1,15%). Houve hipersensibilidade à pilocarpina diluída em 8 (10%) chagásicos no olho direito em 2 (2,5%) no olho esquerdo e em 1 (1,25%) em ambos os olhos. O valor médio da pressão intraocular teve significância marginal entre os dois grupos (p=0,06, diferença de média -0,91mmHg).

Conclusões:

Pacientes com infecção chagásica podem apresentar disfunção parassimpática ocular, demonstrável pela pupilometria e pelo teste de hipersensibilidade à pilocarpina diluída.

Descritores:
Fisiologia da pupila; Parassimpatectomia; Hipersensibilidade; Pressão intraocular; Pilocarpina; Doença de Chagas

Conselho Brasileiro de Oftalmologia Rua Casa do Ator, 1117 - cj.21, 04546-004 São Paulo SP Brazil, Tel: 55 11 - 3266-4000, Fax: 55 11- 3171-0953 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abo@cbo.com.br