Coristomas de glândula lacrimal

Antonio Augusto V. Cruz Roberto Murillo Limongi Eduardo Damous Feijó Tim Jürg Enz Sobre os autores

RESUMO

Descrever um caso de tecido de glândula lacrimal orbitário intracônico e revisar a literatura sobre choristomas lacrimais. Os termos heterotópico, ectópico, aberrante, choristoma e glândula lacrimal foram usados para procurar manuscritos em inglês, espanhol e francês. Todos os artigos encontrados foram revisados. Os choristomas lacrimais relatados foram classificados segundo a localização das lesões, aparência clínica, manejo e desfecho. Imagens de ressonância magnética de um novo caso orbitário comprovado por biópsia também são apresentadas. Foram revisados setenta e nove artigos, de 1887 a 2019, descrevendo 113 casos de choristomas constituídos por tecido de glândula lacrimal normal. Apenas 2 casos (2%) não estavam associados com o olho ou seus anexos. A maioria das 111 lesões restantes foram encontradas na superfície dos olhos (n=46) e nas órbitas (n=34). Os choristomas intraoculares foram encontrados em 18 pacientes. As demais lesões foram diagnosticadas nas pálpebras (n=10) e no sistema lacrimal (n=3). Os choristomas orbitais e intraoculares foram as lesões mais deletérias. Na órbita eles são frequentemente associados com diplopia permanente. Os choristomas lacrimais intraoculares imitam neoplasias e são uma causa comum de enucleação. Os choristomas lacrimais não são incomuns. Este tipo peculiar de lesão já foi induzido experimentalmente uma única vez e pode aparecer em uma variedade de locais associados ao globo e sua anexos. Os choristomas intraoculares têm um prognóstico visual ruim.

Descritores:
Glândula lacrimal; Coristoma; Prognostico

Conselho Brasileiro de Oftalmologia Rua Casa do Ator, 1117 - cj.21, 04546-004 São Paulo SP Brazil, Tel: 55 11 - 3266-4000, Fax: 55 11- 3171-0953 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abo@cbo.com.br