Perfuração ocular - Estudo de 473 casos

Penetrating ocular injuries - Study of 473 cases

Arnaldo Furman Bordon Luciene Barbosa de Sousa Nilva S. B. de Moraes Denise de Freitas Sobre os autores

RESUMO

Os autores estudaram 491 olhos de 473 pacientes com perfuração ocular. Os casos tiveram um acompanhamento médio de 9,6 meses. Lesões córneo-esclerais (53,3% com acuidade visual final entre movimentos de mão e sem percepção luminosa) e em acidentes devido a violência (21% com acuidade visual final entre movimentos de mão e ausência de percepção luminosa) tiveram pior prognóstico. Perfurações por acidentes domésticos (36,4%) e automobilístico (29,2%) consistiram a maioria e foram correlacionados com a faixa etária em que ocorreram. Além disso, a perfuração ocular tem ocorrência predominante em uma população jovem (69,1% abaixo de 30 anos). Ressaltam que medidas preventivas podem ser tomadas para diminuir a incidência de perfurações, como proteção adequada no trabalho, uso do cinto de segurança e supervisão das crianças por pais e responsáveis.

Palavras-chave:
Perfuração ocular; trauma; epidemiologia; prevenção

Conselho Brasileiro de Oftalmologia Rua Casa do Ator, 1117 - cj.21, 04546-004 São Paulo SP Brazil, Tel: 55 11 - 3266-4000, Fax: 55 11- 3171-0953 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: abo@cbo.com.br