Síntese da parede abdominal: sutura contínua ou com pontos separados? Revisão da literatura

Resumos

Uma revisão da literatura foi realizada para atualização sobre o fechamento da parede abdominal. São relatados historicamente as controvérsias inerentes ao tema. Atualmente considera-se que o fechamento em massa do plano peritônio-músculo-aponeurótico é o mais adequado, com menor risco de complicações do que o fechamento por planos anatômicos. O tipo de fio utilizado, apesar de existirem várias opções, também está estabelecido, sendo melhor empregado os fios inabsorvíveis, ou os absorvíveis de longa duração, preferencialmente monofilamentares. Quanto fechar as laparotomias com sutura contína ou sutura com pontos separados, permanecem divergências, sendo que várias publicações, com diferentes amostras e meios de avaliação, referem vantagens para uma ou outra técnica, ou concluem pela similaridade de resultados entre elas. Sobre essas divergências, os autores discutem a sutura contínua e a sutura com pontos separados no fechamento da parede abdominal, abordando os aspectos técnicos de ambas.

Abdome; laparotomia; técnicas de sutura


Nowadays , is belivied that the single-layer mass closure is better than the individual layer sutures, with less risk of complications. Although there is alot of materials to be used, the types preferable to be best used are the monofilament inabsorbable and the monofilament long-term absorbable suture. There still are doubts about abdominal closure using continuous or interrupted sutures. Different publications, with different methods and ways of valuation, conclude advantages for one or other technique, or conclude similar results. About these doubts, the authors relate the continuous and interrupted sutures on the abdominal wall closure, emphasizing the technical aspects.

Abdomen; laparotomy; sutures


SÍNTESE DA PAREDE ABDOMINAL: SUTURA CONTÍNUA OU COM PONTOS SEPARADOS? REVISÃO DA LITERATURA. 11 Artigo de revisão, resumo de monografia, sobre o tema de tese de mestrado, conforme as normas do Curso de Pós-Graduação em Técnica Operatória e Cirurgia Experimental da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM).

João Ricardo F. Tognini 21 Artigo de revisão, resumo de monografia, sobre o tema de tese de mestrado, conforme as normas do Curso de Pós-Graduação em Técnica Operatória e Cirurgia Experimental da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM).

Saul Goldenberg 31 Artigo de revisão, resumo de monografia, sobre o tema de tese de mestrado, conforme as normas do Curso de Pós-Graduação em Técnica Operatória e Cirurgia Experimental da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM).

RESUMO: Uma revisão da literatura foi realizada para atualização sobre o fechamento da parede abdominal. São relatados historicamente as controvérsias inerentes ao tema. Atualmente considera-se que o fechamento em massa do plano peritônio-músculo-aponeurótico é o mais adequado, com menor risco de complicações do que o fechamento por planos anatômicos. O tipo de fio utilizado, apesar de existirem várias opções, também está estabelecido, sendo melhor empregado os fios inabsorvíveis, ou os absorvíveis de longa duração, preferencialmente monofilamentares. Quanto fechar as laparotomias com sutura contína ou sutura com pontos separados, permanecem divergências, sendo que várias publicações, com diferentes amostras e meios de avaliação, referem vantagens para uma ou outra técnica, ou concluem pela similaridade de resultados entre elas. Sobre essas divergências, os autores discutem a sutura contínua e a sutura com pontos separados no fechamento da parede abdominal, abordando os aspectos técnicos de ambas.

DESCRITORES: Abdome, laparotomia, técnicas de sutura.

INTRODUÇÃO

A parede abdominal representa a porta de entrada para todos os procedimentos operatórios dentro da cavidade celômica e para a maioria dos procedimentos nas áreas retroperitoneais13, consequentemente a incisão e sutura da parede abdominal é um dos mais comuns exercícios da prática cirúrgica16.

O fechamento da parede abdominal é um procedimento de rotina e um dos primeiros atos ensinados ao cirurgião no inicio de sua carreira. A maneira como fazer geralmente reflete as tradições locais e as preferências pessoais de professores65, sendo a seleção de materiais e técnicas mais comumente baseadas em tradições do que em ciência38.

Mesmo que haja um rápido desenvolvimento de práticas e equipamentos endoscópicos, menos invasivos, que mudem o comportamento do cirurgião, o fechamento ideal da parede abdominal continua como prioridade56, sendo seu maior propósito restituir as funções desta após a intervenção operatória65, devendo ser simples tecnicamente, livre de complicações como deiscências, hérnias incisionais ou fístulas, ser confortável ao paciente e ainda resultar numa cicatriz cutânea estética6.

A deiscência da ferida abdominal é definida como a separação dos planos profundos seguida pela descarga de líquido ascítico e subsequente formação de hérnia incisional, mesmo que a pele se mantenha íntegra ou que haja evisceração do conteudo abdominal32. Ocorre de 0 a 6% das laparotomias, com taxas de mortalidade variando entre 9 a 44%3,32,43,48,50,56,65.

Esse tipo de intercorrência (com ou sem evisceração) é grave complicação do processo cicatricial das laparotomias. fatores diversos podem estar relacionados como a idade do paciente, desnutrição, obesidade, infecção, icterícia, anemia, diabetes, insuficiência renal e câncer avançado, além do uso de medicamentos citostáticos e corticosteróides1,3,6,10,20,22,32,38,43,50,51. Fatores mecânicos também são envolvidos como o aumento da pressão intra abdominal devido a tosse, vômitos, íleo paralítico ou obstrução intestinal. Muitas vezes são motivos de pouca atenção apesar de poderem ser controlados pelo cirurgião43.

Os aspectos relacionados com a técnica cirurgica também são extremamente importantes na etiologia muitas vezes mútipla das deiscências da incisão operatória e consequentemente na sua prevenção e atenção deve ser dada principalmente à técnica empregada e no tipo de fio utilizado1,3,6,8,10,12,14,16,17,20,22,26,29,34,38,40,43,44,48,50,51,52,55,56,66.

HISTÓRICO

MOYNIHAN em 1920 sugeriu quatro parâmetros para a sutura ideal: Ser suficiente para unir as partes, desaparecer tão logo a cicatrização fosse realizada, ser livre de infecção e não ser irritante 5,6,32,43, principios que ainda hoje norteam a busca da técnica e material adequados para a síntese da parede abdominal.

Até a quinta ou sexta década do atual século as feridas abdominais eram rotineiramente fechadas por planos, pois era conceito que a sutura meticulosa por planos proporcionava melhor cicatrização, baseando-se nas desapontantes experiências com o fechamento em massa no início do século, porém sem levar em consideração aspectos de assepsia e material de sutura onde o categute , o categute cromado, algodão, seda e linho eram utilizados com maior frequência43.

Desde a introdução de fios de aço para sutura por BABCOCK em 1934, este material teve uma utilização frequente principalmente por cirurgiões americanos. Em 1941 JONES, NEWELL e BRUBAKER introduziram o fechamento em massa da parede abdominal, onde incluia-se o plano músculo aponeurótico e o peritônio, com pontos separados em "figura de oito vertical" com fio de aço observando vantagens no que tange menor índice de infecções e deiscência26 . Em 1974, com o objetivo de minimizar as complicações deste material como a dor persistente, foi proposto o uso de fio monofilamentar sintético (polipropileno)21

Desde a segunda metade do século XX novos fios foram desenvolvidos: absorvíveis e inabsorviveis; mono e multifilamentares onde diversas publicações destacaram o uso de poliamida5,6,11,23,24,27,32,33,35,36,46,48,63,66,68, polipropileno 2,7,11,14,21,27,29,30,36,38,45,48,50,52,54,63, poliglactina 9104,18,27,42,43,51,61,62,65, ácido poliglicólico3,4,6,11,23,32,38,42,46,50,51,61,63,65, poligliconato4,15,48,51,61,62,63 e polidioxanona 4,7,12,24,29,30,33,43,48,49,53,61,65,68 na síntese da parede abdominal em diferentes técnicas.

Em relação ao tipo de sutura, a realizada com pontos separados em massa incluindo o plano músculo aponeurótico foi de escolha durante parte deste século16,26,31,32,33,36,39,48,49,53,61,65,68.Nas últimas três décadas tem-se realizado estudos experimentais e clínicos advogando vantagens da sutura contínua também em massa, onde a mesma gastaria menos tempo, distribuiria melhor as tensões nos tecido e gastaria menos fio para realizá-la, com resultados semelhantes ou melhores em relação a sutura interrompida no que se refere a deiscências, eviscerações e formação de hérnia incisional 8,14,15,18,23,28,29,36,38,40,41,46,47,48,50,54,56,62.

SÍNTESE DA PAREDE ABDOMINAL

O príncipio fundamental do fechamento da incisão operatória é de restituir a forma e função da parede abdominal após procedimento operatório65.

As suturas são realizadas para dois propósitos: manter coaptação das bordas da ferida operatória e resistir às forças de tensão extrínsecas até que a cicatriz adquira a sua própria força de tensão9,34. Normalmente nos primeiros 4 dias, esta força intrínseca é praticamente zero, crescendo rapidamente, sendo que aos 9 dias a mesma já ultrapassa 20%8.

De maneira geral, o fechamento da ferida operatória deveria der realizado visando minimizar complicações, tais como:65

1 - Número de eviscerações

2 - Número de hérnias incisionais

3 - Risco de infecções

4 - Risco de granulomas e fístulas

5 - Dificuldades técnicas na reoperação

O mesmo também deve ser: barato, rápido e fácil.

A técnica operatória pode ser classificada:

1 - Fechamento por planos ou em massa

2 - Sutura contínua ou interrompida.

O material utilizado pode ser:

1 - Absorvível ou não absorvível

2 - Monofilamentar ou multifilamentar.

A complicação mais relacionada com a falha técnica é a deiscência, e são numeradas quatro causas básicas: uso de sutura absorvível que se enfraquece muito rápido, quando o fio de sutura se rompe, quando os nós da sutura de desatam ou quando os fios cortam os tecidos que os apoiam52.

Sobre suturar a parede abdominal por planos ou em massa englobando juntamente o peritônio e o plano músculo aponeurótico, após a publicação de JONES e col. (1941)26, ficou estabelecido a franca superioridade desta última, fato comprovado por outros autores14,21,66.

A inclusão de uma quantidade maior de tecido aponeurótico leva a uma força crescente de coaptação, pois a força intrínseca de uma cicatriz é provavelmente dependente da quantidade de colágeno englobada na sutura. A inclusão de maiores áreas de tecido como nas suturas em massa da parede abdominal evitam a zona de colagenogênese ativa presente nas áreas posteriores aos bordos da incisão. Se as suturas englobarem grande área do tecido, a força em qualquer dos pontos passados é menor do que quando pequena área é englobada (Força = Pressão x Área). Quanto menor a força no tecido, menos provável acontece a necrose36,43,46,59

Mesmo com os argumentos teóricos e as observações práticas à favor da sutura em massa da parede abdominal, muitos cirurgiões ainda fecham laparotomias por planos e incidências elevadas de deiscências não são incomuns46.

Quanto aos materiais utilizados para sutura (fios), existem 4 propriedades de importância comuns a todos eles: a intensidade da resposta inflamatória nos tecidos, o comportamento do material na presença de infecção, sua durabilidade e sua facilidade de manuseio11.

Os fios são divididos em categorias de acordo com alguns parâmetros e podem ser absorvíveis e inabsorvíveis, que são subdivididos em sintéticos ou naturais e em multifilamentares ou monofilamentares19.

Os materiais de sutura inabsorvíveis são a Poliamida, o Polipropileno, aço inoxidável, seda, algodão, poliéster, polibutéster e outros. As suturas absorvíveis incluem o categute (feito da submucosa do intestino de ovinos ou a serosa do intestino de bovinos), o categute cromado (categute banhado em sais de cromo), além de polímeros sintéticos como o Ácido Poliglicólico e Poliglactina 910 (multifilamentares) ou a Polidioxanona e o Poligliconato (monofilamentares). Os fios sintéticos são absorvidos por hidrólise e, os diferentes tipos de categute por digestão enzimática ou fagocitose.

Todas as suturas causam variável grau de reação inflamatória nos tecidos as quais são implantadas, parte pelo trauma de inserção e parte pelas suas propriedades fisicoquimicas. A resposta inflamatória crescente verificada nos fios multifilamentares tanto absorvíveis ou inabsorvíveis pode ser atribuida aos vários filamentos que se entrelaçam, que num meio potencialmente contaminado pode favorecer a persistência de bactérias. Os fios monofilamentares, comprovadamente levam a menor reação inflamatória5.

Desde a introdução do aço e do princípio de sutura em massa da parede abdominal com o mesmo, é atribuido aos fios inabsorvíveis menores taxas de deiscências, eventrações ou hérnias incisionais26, sendo que a Poliamida monofilamentar35 e o Polipropileno21 foram descritos como mais satisfatórios do que os fios absorvíveis até então existentes (categute e categute cromado), onde embasados por estudos experimentais, esses fios absorvíveis foram descartados para utilização na sutura músculo aponeurótica da parede abdominal, pois constatou-se que perdiam 80% da força de tensão em 14 dias53.

Com o aparecimento da sutura absorvível sintética, surgiram novas opções nessa prática operatória. O Ácido Poliglicólico foi introduzido em 1970 e logo após surgiu a Poliglactina 910, ambos multifilamentares absorvíveis por hidrólise.

Na tentativa de obter polímeros monofilamentares desses fios surgiu na década de 80 o Poligliconato e a Polidioxanona, este último com uma taxa de degradação mais lenta devido sua menor área exposta a hidrólise, tendo sua absorção em torno de 180 dias, além de apresentar uma elasticidade maior e um coeficiente de fricção menor do que os fios multifilamentares61, sendo essas duas ultimas caracteristicas bastantes relevantes para confecção de nós de sutura, pois fios com essas características merecem maior quantidade de nós para manterem-se amarrados57,58,60,64.

Discutindo-se as caracteristicas e peculiaridades envolvendo a síntese da parede abdominal e suas particularidades quanto a cicatrização, tenta-se obter o material de sutura ideal para realizá-la, ou seja, que tenha uma força de tensão inicial adequada que seja mantido até a completa cicatrização, levando a baixa reação tecidual e que depois desapareça29, chega-se de encontro a Polidioxanona, que mantém 70% da sua força de tensão em 28 dias49, ao passo que os similares multifilamentares a mantém apenas 5% neste período29, além de apresentar vantagens teóricas sobre os fios inabsorvíveis de não levariam a dor persistente , formação de granulomas e fístulas35,48,65.

O tipo de sutura utilizado para o fechamento da parede abdominal é também fator técnico importante para a prevenção de deiscências e eventrações. Apesar das evidências favoráveis a utilização de sutura com pontos separados em massa em "figura de oito vertical"14,21,26,66 (Fig 1), a sutura contínua em massa (Fig 2) vem sendo descrita como excelente em diversos trabalhos experimentais e clínicos, mesmo quando comparada a outras técnicas2,7,9,14,15,23,38,41,43,47,50,54,62,63.

Fig. 1 -
Desenho esquemático mostrando sutura com pontos separados em "oito vertical" (modificado de JONES e col., 1941)26.
Fig. 2 -
Desenho esquemático mostrando a sutura contínua em "massa" (modificado de MEEKS, NELSON e BYARS, 1995)40.

Não há nenhuma evidência clínica que mostra que a incidência de complicações são reduzidas ao se usar tanto a sutura com pontos separados ou contínua na parede abdominal65. Modelos experimentais in vitro31,63e in vivo em ratos23,40,41,47,54, coelhos37 e cães23, tentam estabelecer diferenças entre ambas em parâmetros determinados, como força de rotura ou resposta inflamatória envolvendo o processo de reparação tecidual.

A sutura contínua comprovadamente leva a gasto menor de material de síntese e também leva menor tempo para ser realizada31,47,54,67. Outro atributo da mesma é que levaria a menor trauma tecidual, pois seria evitado a injúria causada ao amarrar vários pontos sucessivos como na técnica com pontos separados, dividindo melhor as tensões, evitando o estrangulamento dos tecidos36,65. Em contrapartida foi comprovado que para eliminar esses inconvenientes basta amarrar os nós de maneira a aproximar os tecidos sem esmagá-los31,47.

Na intenção de estabelecer a maneira de realizar a sutura contínua para mantê-la segura, concluiu-se que a mesma deve ser feita de tal maneira que a relação de tamanho do fio utilizado e o comprimento da incisão seja de 4:1, ou seja, o tamanho do fio deve ser 4 vezes maior que o tamanho da incisão, fato que pode ser conseguido suturando-se com distâncias estabelecidas de 2cm entre os pontos, consequentemente a 1 cm de cada borda da ferida65.

O conceito teórico que sustenta esta observação, leva em consideração a possibilidade de ocorrer distensão abdominal no período pós-operatório, que leva aumento da circunferência abdominal e da distância entre o Apêndice Xifoide ao Púbis e consequentemente aumento dos intervalos dos pontos de sutura em até 30%. Com a relação estabelecida em 4:1 haveria fio suficiente para suportar o aumento da incisão sem acarretar maior tensão ou corte dos tecidos, verificados com relações menores do que esta25.

Apesar de todas as evidências levarem a crer que a sutura contínua em massa da parede abdominal é tão segura quanto a com pontos separados, apresentando inclusive algumas vantagens como a menor quantidade de fio e o menor tempo gasto para realizá-la, existe a preocupação de verificar a sua efetividade frente os diferentes tempos biológicos da cicatrização.

Praticamente todos os trabalhos já citados, principalmente os clínicos não mostram diferenças significantes nas taxas de complicações ao se comparar as duas técnicas de sutura aqui relatadas, modelo experimental recente37, constatou que nas duas primeiras semanas o ganho de força intrínseca dos tecidos submetidos a sutura contínua é menor do que ao dos tecidos submetidos a sutura com pontos separados, fato referido como de importância, pois levaria a maior predisposição a complicações. Nesse mesmo estudo observou-se que no fim de 4 semanas as forças de sustentação das cicatrizes não diferem, sendo que após o tempo crítico de reparação tecidual as duas técnicas se equivalem.

Outra constatação interessante se faz ao se modificar a sutura contínua, tornando-a também em "figura de oito vertical". Estudo experimental em ratos40, comparando-a com sutura contínua em massa como já descrito aqui, concluiu que a primeira apresenta vantagens significantes na força de tensão, sugerindo que esta sutura leva a maior apoio a cicatriz operatória, inclusive com justificativas físicas e matemáticas.

Como se observa, há bastante controvérsia e discussão sobre sutura contínua ou com pontos separados na parede abdominal e diferentes resultados se observam ao compará-las e, dependendo da forma de avaliação verifica-se vantagens para um ou outro método. Devido a isto será disposto num quadro (Quadro I) as preferências de vários autores levando em conta o modelo experimental utilizado, ao se comparar sutura contínua e interrompida na parede abdominal.

Quadro I - Resultado observado por diferentes autores ao comparar sutura contínua e interrompida para o fechamento da parede abdominal, levando-se em conta o modelo experimental utilizado e os valores encontrados, estabelecendo-se o procedimento mais vantajoso.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Apesar do constante avanço tecnológico, em que se busca realizar procedimentos no interior da cavidade abdominal com acessos mínimos, a discussão envolvendo incisão e síntese da parede abdominal não deve ser relegada.

Todos os estudos envolvendo técnicas e materiais de sutura tem como objetivo estabelecer as melhores opções em que os índices de insucesso e complicações sejam mínimos, porém, o considerado ideal ainda esta por ser definido.

Tanto a técnica contínua ou com pontos separados utilizadas na síntese da parede abdominal são amplamente aceitas e utilizadas e já estabeleceu-se parâmetros para que as mesmas sejam efetivas.

Diversos modelos foram utilizados ao longo deste século em busca da sutura ideal para a síntese da parede abdominal, e as conclusões obtidas auxiliam e orientam esta prática ao redor de todo o mundo, porém estudos e modelos devem continuar a ser desenvolvidos, pois principalmente no campo da experimentação utiliza-se na maioria das vezes animais sadios sem os grandes fatores de complicação encontrados na prática clínica diária, sendo que persistem dúvidas de qual seria a efetividade das técnicas de sutura estudadas frente a fatores prejudiciais como infecção, desnutrição grave, câncer, entre outros.

TOGNINI, J.R.F.& GOLDENBERG, S. - Abdominal Wall closure: Continuous or interrupted suture? A literature review.

SUMMARY: A review of the literature was done in order to study recent aspects of the abdominal wall closure. The controversys about the theme are history related. Nowadays , is belivied that the single-layer mass closure is better than the individual layer sutures, with less risk of complications. Although there is alot of materials to be used, the types preferable to be best used are the monofilament inabsorbable and the monofilament long-term absorbable suture. There still are doubts about abdominal closure using continuous or interrupted sutures. Different publications, with different methods and ways of valuation, conclude advantages for one or other technique, or conclude similar results. About these doubts, the authors relate the continuous and interrupted sutures on the abdominal wall closure, emphasizing the technical aspects.

HEADINGS: Abdomen, laparotomy, sutures.

Endereço para correspondência:

JOÃO RICARDO F. TOGNINI

Rua Maracajú 783, Campo Grande M.S. CEP 79002-214

Fones (067) - 724-2190 384-3719 982-6251

1 Artigo de revisão, resumo de monografia, sobre o tema de tese de mestrado, conforme as normas do Curso de Pós-Graduação em Técnica Operatória e Cirurgia Experimental da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM).

2 Professor Auxiliar do Departamento de Clínica Cirúrgica da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Mestre em Técnica Operatória e Cirurgia Experimental pela UNIFESP-EPM.

3 Professor Titular do Departamento de Cirurgia da UNIFESP-EPM

  • 01. ALEXANDER, M.D. & PRUDDEN, J.F. - The causes of abdominal wound disruption. Surg. Gynecol. Obstet., 122:1223-9, 1966.
  • 02. AYALA, L.A.; SOUCHON, E.; BELLOSO, R.M.; ALFONSO, R.; MENNECHEY, O. - Cierre de la aponeurosis con sutura continua de polypropylene: resultado en 500 laparotomias. Rev. Colomb. Cir., 4:29-32, 1989.
  • 03. BAGGISH, M.S. & LEE, W.K. - Abdominal wound disruption. Obstet. Gynecol., 465:30-4, 1975.
  • 04. BOURNE, R.B.; BITAR, H.; ANDREAE, L.M.; MARTIN, M.B.; FINLAY, J.B.; MARQUIS, F. - In vivo comparison of four absorbable sutures: Vicryl, Dexon Plus, Maxon and PDS. Can. J Surg.,31:43-5, 1988.
  • 05. BUCKNALL, T.E. - Abdominal wound closure: choice of suture. J. Soc. Med., 74:580-5, 1981a.
  • 06. BUCKNALL, T.E. & ELLIS, H. - Abdominal wound closure: a comparison of monofilament nylon and polyglycolic acid. Surgery, 89:672-7, 1981b.
  • 07. CAMERON, A.E.P.; PARKER, C.J.; FIELD, E.S.; GRAY, R.C.F.; WYATT, A.P. - A randomised comparison of polydioxanone (PDS) and polypropylene (Prolene) for abdominal wound closure. Ann. R. Coll. Surg. Engl., 69:113-5, 1987.
  • 08. DOUGLAS, D.M. - The healing of aponeurotic incisions. Br. J. Surg., 40:79-84, 1952.
  • 09. DUDLEY, H.A.F. - Layered and mass closure of the abdominal wall: a theoretical and experimental analysis. Br. J. Surg., 57:664-7, 1970.
  • 10. EMERY, P.W. & SANDERSON, P. - Effect of dietary restriction on protein syntesis and wound healing after surgery in the rat. Clin. Sci., 89:383-8, 1995.
  • 11. EVERETT, W.G. - Sutures, incisions and anastomoses. Ann. R. Coll. Surg. Engl., 55:31-8, 1974.
  • 12. FORESMAN, P.A.; EDLICH, R.F.; RODEHEAVER, G.T. - The effect of new monofilament absorbable sutures on the healing of musculoaponeurotic incisions, gastrotomies, and colonic anastomoses. Arch. Surg., 124:708-10, 1989.
  • 13. FRY, D.E. & OSLER, T. - Consideraçőes sobre a parede abdominal e complicaçőes na cirurgia reoperatória. Clin. Cir. Am. Norte, 71:1-11, 1991.
  • 14. GALLUP, G.D.; TALLEDO, O.E.; KING, L.A. - Primary mass closure of midline incisions with a continuous running monofilament suture in gynecologic patients. Obstet. Gynecol., 73:675-7, 1989.
  • 15. GALLUP, G.D.; NOLAN, T.E.; SMITH, R.P. - Primary mass closure of midline incisions with a continuous polyglyconate monofilament absorbable suture. Obstet. Gynecol., 76:872-5, 1990.
  • 16. GOLIGHER, J.C.; JOHNSTON, I.D.; DOMBAL, F.T.; HILL, G.L.; HORROCKS, J.C. - Acontrolled clinical trial of three methods of closure of laparotomy wounds. Br. J. Surg., 62:823-9, 1975.
  • 17. GOODSON III, W.H. & HUNT, T.K. - Development of a new miniature method for the study of wound healing in human subjects. J. Surg. Res., 33:394-401, 1982.
  • 18. GRANADOS, M.S. - Cierre de la pared abdominal con sutura continua de poliglactina 910: analisis de 173 casos. Rev. Sanid. Milit. Mex., 46:181-4, 1992.
  • 19. GREENWALD, D.; SHUMWAY, S.; ALBEAR, P.; GOTTLIEB, L. - Mechanical comparison of 10 suture materials before and after in vivo incubation. J. Surg. Res., 56:372-7, 1994.
  • 20. HELMKAMP, B.F. - Abdominal wound dehiscence. Am. J. Obstet. Gynecol., 128:803-7, 1977.
  • 21. HERMANN, R.E. - Abdominal wound closure using a new polypropynene monofilament suture. Surg. Gynecol. Obstet., 138:84-6, 1974.
  • 22. HIGGINS Jr.,G.A.; ANTKOWIAK, J.G.; ESTERKYN, S.H. - A clinical and laboratory study of abdominal wound closure and dehiscence. Arch. Surg., 98:421-7, 1969.
  • 23. IRIBAREN, C. - Investigacion comparativa de la sutura continua y de puntos separados en el cierre de laparotomias medianas. Rev. Argent. Cir., 51:165-71, 1986.
  • 24. ISRAELSSON, L.A. & JONSSON, T. - Closure of midline laparotomy incisions with polydioxanone an nylon: the importance of suture technique. Br. J. Surg., 81:1606-8, 1994.
  • 25. JENKINS, T.P.N. - The burst abdominal wound: a mechanical approach. Br. J. Surg., 63:873-6, 1976.
  • 26. JONES, T.E.; NEWELL, E.T.; BRUBAKER, R.E. - The use of alloy steel wire in the closure of abdominal wounds. Surg. Gynecol. Obstet., 72:1056-9, 1941.
  • 27. KHARMANDAYAN, P.; GOLDENBERG, S.; VILLA, N. - Morphologic and morphometric aspects of connective tissue evolution in skin sutures, with nylon, polypropylene and polyglactin, in rats. Acta Cir. Bras., 10:2-8, 1995.
  • 28. KOBAK, M.W.; BENDITT, E.P.; WISSLER, R.W.; STEFFEE, C.H. - The relation of protein deficiency to experimental wound healing. Surg. Gynecol. Obstet., 85:751-4, 1974.
  • 29. KON, N.D.; MEREDITH, W.; POOLE Jr., G.V.; MARTIN, M.B.; KAWAMOTO, E.; MYERS, R.T. - Abdominal wound closure: a comparison of polidioxanone, polypropylene, and Teflon-coated braided Dacron sutures. Am. Surg., 50:549-51, 1984.
  • 30. KRUKOWSKI, Z.H.; CUSICK, E.L.; MATHESON, N.A. - Polydioxanone or polypropylene for closure of midline abdominal incisions: a prospective comparative clinical trial. Br. J. Surg., 74:828-30, 1987.
  • 31. LARSEN, J.S. & ULIN, A.W. - Tensile strength advantage of the far-and-near suture technique. Surg. Gynecol. Obstet., 131:123-4, 1970.
  • 32. LEAPER, D.J.; POLLOCK, A.V.; EVANS, M. - Abdominal wound closure: a trial of nylon, polyglycolic acid and steel sutures. Br. J. Surg., 64:603-6, 1977.
  • 33. LEAPER, D.J.; ALLAN, A.; MAY, R.E.; CORFIELD, A.P.; KENNEDY, R.H. - Abdominal wound closure: a controlled trial of polyamide (Nylon) and polydioxanone suture (PDS). Ann. R. Coll. Surg. Engl., 67:273-5, 1985.
  • 34. LEHMAN Jr., J.A.; CROSS, F.S.; PARTINGTON, P.F. - Prevention of abdominal wound disruption. Surg. Gynecol. Obstet., 126:1235-41, 1968.
  • 35. MADSEN, E.T. - An experimental and clinical evaluation of surgical suture materials. Surg. Gynecol. Obstet., 97:439-44, 1953.
  • 36. MARTYAK, S.N. & CURTIS, L.E. - Abdominal incision and closure: a systems approach. Am. J. Surg., 131:476-80, 1976.
  • 37. MAXWELL, G.C.; SOISSON, A.P.; BRITTAIN, P.C.; HARRIS, R.A.; SCULLY, T.; CARLSON, J. - Repair of transversely incised abdominal wall fascia in a rabbit model. Obstet. Gynecol., 87:65-8, 1996.
  • 38. McNEILL, P.M. & SUGERMAN, H.J. - Continuous absorbable vs interrupted nonabsorbable fascial closure. Arch. Surg, 121:821-3, 1986.
  • 39. MEDEIROS, A.C. & BARRETO, H. - Cicatrizaçăo dos tendőes planos do abdome nos vários processos de sutura (estudo experimental). Rev. Col. Bras. Cir., 9:120-8, 1982.
  • 40. MEEKS, G.R.; NELSON, K.C.; BYARS, R.W. - Wound strength in abdominal incisions: a comparison of two continuous mass closure techniques in rats. Am. J. Obstet. Gynecol., 173:1676-83, 1995.
  • 41. MESTRINER, F.; GOMES, R.A.S.; FATURETO, M.C. - Estudo comparativo entre as suturas contínuas e interrompidas da camada músculo-fascial de ratos. Med. Ribeirăo Preto., 24:159-64, 1991.
  • 42. MURRAY, D.H. & BLAISDELL, F.W. - Use of syntetic absorbable sutures for abdominal and chest wound closure. Arch. Surg., 113:477-80, 1978.
  • 43. NIGGEBRUGGE, A.H.; HANSEN, B.E.; TRIMBOS, J.B.; Van VELDE, C.J.H.; ZWAVELING, A. - Mechanical factors influencing the incidence of burst abdomen. Eur. J. Surg., 161:665-71, 1995.
  • 44. NISHIHARA, G. & PRUDDEN, J.F. - A quantitative relationship of wound tensile strength to length. Surg. Gynecol. Obstet., 107:305-10, 1958.
  • 45. PERERA, S.G.; OTERO, G.; DELUCA, E.; BUSTAMANTE, J.; MORENO, J.; HOJMAN, D. - Experiencia con mallas de materiales heterologos como elementos substutivos de la pared abdominal. Rev. Argent. Cir., 45:55-64, 1983.
  • 46. POLLOCK, A.V.; GREENALL, M.J.; EVANS, M. - Single-layer mass closure of major laparotomies by continuous suturing. J. Soc. Med., 72:889-93, 1979.
  • 47. POOLE Jr., G.V.; MEREDITH, J.W.; KON, N.D.; MARTIN, M.B.; KAWAMOTO, E.H.; MYERS, R.T. - Suture technique and wound-bursting strength. Am. Surg., 50:569-72, 1984.
  • 48. POOLE Jr., G.V. - Mechanical factors in abdominal wound closure: the prevention of fascial dehiscence. Surgery, 97:631-9, 1985.
  • 49. RAY, J.A.; DODDI, N.; REGULA, D.; WILLIAMS, J.A; MELVEGER, A. - Polydioxanone (PDS), a novel monofilament synthetic absorbable suture. Surg. Gynecol. Obstet., 153:497-507, 1981.
  • 50. RICHARDS, P.C.; BALCH, C.M.; ALDRETE, J.S. - A randomized prospective study of 571 patients comparing continuous vs. interrupted suture techniques. Ann. Surg., 197:238-43, 1983.
  • 51. SAHLIN, S.; AHLBERG, J.; GRANSTROM, L.; LJUNGSTROM, K.G. - Monofilament versus multifilament absorbable sutures for abdominal closure. Br. J. Surg., 80:322-4, 1993.
  • 52. SANDERS, R.J. & DiClementi, D. - Principles of abdominal wound closure. Arch. Surg., 112:118-91, 1977.
  • 53. SANZ, L.E.; PATTERSON, J.A.; KAMATH, R.; WILLETT, G.; AHMED, S.W.; BUTTERFIELD, A.B. - Comparison of maxon suture with viryl, chromic catgut, and PDS sutures in fascial closure in rats. Obstet. Gynecol., 71:418-22, 1988.
  • 54. SEID, M.H.; McDANIEL-OWNES, M.; POOLE Jr., G.V.; MEEKS, G.R. - A randomized trial of abdominal incision suture technique and wound stength in rats. Arch. Surg., 130:394-7, 1995.
  • 55. SHOETZ, D.J.; COLLER, J.A.; VEIDENHEIMER, M.C. - Closure of abdominal wounds with polydioxanone: a prospective study. Arch. Surg., 123:72-4, 1988.
  • 56. SUTTON, G. & MORGAN, S. - Abdominal wound closure using a running, looped monofilament Polybutester suture: comparison to smead-jones closure in historic controls. Obstet. Gynecol., 80:650-4, 1992.
  • 57. TERA, H. & ABERG, C. - Tensile strengths of twelve types of knot employed in surgery, using different suture materials. Acta Chir. Scand., 142:1-7, 1976a.
  • 58. TERA, H. & ABERG, C. - The strength of suture knots after one week in vivo. Acta Chir. Scand., 142:301-7, 1976b.
  • 59. TERA, H. & ABERG, C. - Tissue strength of structures involved in musculo-aponeurotic layer sutures in laparotomy incisions. Acta Chir. Scand., 142:349-55, 1976c.
  • 60. TRIMBOS, J.B.; Van RIJSSEL, J.C.; KLOPPER, P.J. - Performance of sliding knots in monofilament and multifilament suture material. Obstet. Gynecol., 68:425-30, 1986.
  • 61. TRIMBOS, J.B.; BOOSTER, M.; PETERS, A.A.W. - Mechanical knot performance of a new generation polydioxanon suture (PDS-2). Acta Obstet. Gynecol. Scand., 70:157-9, 1991.
  • 62. TRIMBOS, J.B.; SMIT, I.B.; HOLM, J.P.; HERMANS, J. - A randomized clinical trial comparing two methods of fascia closure following midline laparotomy. Arch. Surg., 127:1232-4, 1992.
  • 63. TRIMBOS, J.B. & Van ROOIJ, J. - Amount of suture material needed for continuous or interrupted wound closure: an experimental study. Eur. J. Surg., 159:141-3, 1993.
  • 64. Van RIJSSEL, E.J.C.; BRAND, R.; ADMIRAAL, C.; SMIT, I.; TRIMBOS, J.B. - Tissue reaction and surgical knots: the effect of suture size, knot configuration, and knot volume. Obstet. Gynecol., 74:64-8, 1989.
  • 65. WADSTRÖM, J. & GERDIM, B. - Closure of the abdominal wall; how and why? Acta. Chir. Scand., 156:75-82, 1990.
  • 66. WALLACE, D.; HERNANDEZ, W.; SCHLAERTH, J.B.; NALICK, R.N.; MORROW, C.P. - Prevention of abdominal wound disruption utilizing the Smead-Jones closure technique. Obstet. Gynecol., 56:226-30, 1980.
  • 67. WASILJEW, B.K. & WINCHESTER, D.P. - Experience with continuous absorbable suture in the closure of abdominal incisions. Surg. Gynecol. Obstet., 154:378-80, 1980.
  • 68. WISSING, J.; Van VROONHOVEN, J.M.V.; SCHATTENKERK, M.E.; VEEN, H.F.; PONSEN, R.J.G.; JEEKEL, J. - Fascia closure after midline laparotomy: results of a randomized trial. Br. J. Surg., 74:738-41, 1987.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Jun 2001
  • Data do Fascículo
    Abr 1998
Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia Al. Rio Claro, 179/141, 01332-010 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3287-8814 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sgolden@terra.com.br