Concentrações séricas de imunoglobulinas em sangue do funículo umbilical e em sangue materno no momento do parto

Immunoglobulins concentration in umbilical cord blood and in maternal blood at delivery

Resumos

OBJETIVO: Identificar as concentrações das imunoglobulinas no sangue do funículo umbilical comparando-as às do sangue materno no momento do parto. MÉTODOS: Foram analisadas amostras colhidas de 323 RN e de 321 mães pelo método de turbidimetria. Os resultados foram submetidos à análise estatística, estabelecendo-se coeficiente de correlação r e nível de significância p 0,05. As retas de regressão obedeceram ao limite de 95%. RESULTADOS: Houve aumento progressivo de IgG sérica do RN, diretamente proporcional à idade gestacional ( r=0,31;p=0,0001); quanto ao peso de nascimento, esta relação não foi tão evidente (r=0,14;p=0,008), possivelmente por estarem incluídos na amostra RNPT e RN com restrição ao crescimento intra-uterino. O aumento da IgG do RN foi maior que o da mãe (r=0,20;p=0,0001). Houve queda de concentração da IgM com o aumento da idade materna e aumento da IgM e IgA maternas comparadas à IgG do RN. Observou-se queda da concentração de IgG do funículo umbilical quando relacionada ao tempo maior de ruptura da bolsa (r=-0,13;p=0,018). CONCLUSÕES: A concentração de IgG no funículo umbilical aumentou proporcionalmente à idade gestacional e diminuiu com tempo maior de ruptura de membranas.Concentrações de IgM e IgA no sangue materno aumentaram significativamente quantdo comparadas à IgG do funículo umbilical e a IgM diminuiu significativamente com o aumento da idade materna.

Imunoglobulina; Sangue do cordão umbilical; Parto; Recém-nascido


PURPOSE: To compare the immunoglobulins concentration in umbilical cord blood and in venous maternal blood at delivery. METHODS: imunoglobulin's concentration was determined by Behringer turbitime System from serum samples of 323 umbilical cords and 321 peripheral maternal veins. The results were statistically analysed, correlation coeficient r was calculated; statistical significance established at p= or<0,05, with regression curves limit of 95%. RESULTS: IgG concentracion progressively increased with gestational age (r- 0,31;p=0,0001) and with increasing birth weight (0,14;p=0,08). The relation with birth weight, although significant was not so expressive as with gestational age probably depending of inclusion of preterm and intrauterine groowth restraint infants in the data. IgG concentracion was higher in cord blood than in mother's serum (r=0,02;p=0,0001). IgM concentracion lowers as mother's age increases. Mother's IgM and IgA were higher if comparad to IgG of cord blood; IgG of cord blood lowes as time of rupture of membranes increeases (r=-0,13;p=0,018). CONCLUSIONS: IgG concentracion increases with increasing gestational age and lowers as the time of rupture of membranes increases. IgM and IgA of maternal blood are higher when compared to IgG of umbilical cord. IgM lowers when maternal age increases.

Immunoglobulins; Umbilical cord blood; Delivery; Newborn


13 – ARTIGO ORIGINAL

Concentrações séricas de imunoglobulinas em sangue do funículo umbilical e em sangue materno no momento do parto1 1 Trabalho apresentado para obtenção do Título de Mestre em Medicina, IAMSPE-SP

Immunoglobulins concentration in umbilical cord blood and in maternal blood at delivery

Hideaki Cláudio HironakaI, 2 2 Mestrando, Área de Concentração em Clínica Médica, IAMSPE-SP ; Lucy Duailibi CasanovaII, 3 3 Doutora em Medicina pela EPM-UNIFESP / Orientadora da Tese

IMestrando, Área de Concentração em Clínica Médica, IAMSPE-SP

IIDoutora em Medicina pela EPM-UNIFESP / Orientadora da Tese

Endereço para correspondência

RESUMO

OBJETIVO: Identificar as concentrações das imunoglobulinas no sangue do funículo umbilical comparando-as às do sangue materno no momento do parto.

MÉTODOS: Foram analisadas amostras colhidas de 323 RN e de 321 mães pelo método de turbidimetria. Os resultados foram submetidos à análise estatística, estabelecendo-se coeficiente de correlação r e nível de significância p 0,05. As retas de regressão obedeceram ao limite de 95%.

RESULTADOS: Houve aumento progressivo de IgG sérica do RN, diretamente proporcional à idade gestacional ( r=0,31;p=0,0001); quanto ao peso de nascimento, esta relação não foi tão evidente (r=0,14;p=0,008), possivelmente por estarem incluídos na amostra RNPT e RN com restrição ao crescimento intra-uterino. O aumento da IgG do RN foi maior que o da mãe (r=0,20;p=0,0001). Houve queda de concentração da IgM com o aumento da idade materna e aumento da IgM e IgA maternas comparadas à IgG do RN. Observou-se queda da concentração de IgG do funículo umbilical quando relacionada ao tempo maior de ruptura da bolsa (r=-0,13;p=0,018).

CONCLUSÕES: A concentração de IgG no funículo umbilical aumentou proporcionalmente à idade gestacional e diminuiu com tempo maior de ruptura de membranas.Concentrações de IgM e IgA no sangue materno aumentaram significativamente quantdo comparadas à IgG do funículo umbilical e a IgM diminuiu significativamente com o aumento da idade materna.

Descritores: Imunoglobulina. Sangue do cordão umbilical. Parto. Recém-nascido.

ABSTRACT

PURPOSE: To compare the immunoglobulins concentration in umbilical cord blood and in venous maternal blood at delivery.

METHODS: imunoglobulin's concentration was determined by Behringer turbitime System from serum samples of 323 umbilical cords and 321 peripheral maternal veins. The results were statistically analysed, correlation coeficient r was calculated; statistical significance established at p= or<0,05, with regression curves limit of 95%.

RESULTS: IgG concentracion progressively increased with gestational age (r- 0,31;p=0,0001) and with increasing birth weight (0,14;p=0,08). The relation with birth weight, although significant was not so expressive as with gestational age probably depending of inclusion of preterm and intrauterine groowth restraint infants in the data. IgG concentracion was higher in cord blood than in mother's serum (r=0,02;p=0,0001). IgM concentracion lowers as mother's age increases. Mother's IgM and IgA were higher if comparad to IgG of cord blood; IgG of cord blood lowes as time of rupture of membranes increeases (r=-0,13;p=0,018).

CONCLUSIONS: IgG concentracion increases with increasing gestational age and lowers as the time of rupture of membranes increases. IgM and IgA of maternal blood are higher when compared to IgG of umbilical cord. IgM lowers when maternal age increases.

Keywords: Immunoglobulins. Umbilical cord blood. Delivery. Newborn.

Introdução

A sepse bacteriana continua sendo um problema sério nos berçários, com incidência variando de 1 a 10 casos / 1000 nascidos vivos e com incidência ainda mais alto nos RN baixo peso.Em estudo do Ministério da Saúde a taxa de infecção hospitalar nas UTIs neonatonais foi 46,9%, mais elevada que nas unidades para queimados ou em UTIs pediátricas1

Dados da UNIFESP, Escola Paulista de Medicina, referentes a 1997, mostram incidência acumulada de infecção hospitalar em UTI neonatal = 25,6/100 saídas (174 RN) ou 9,3 infecções/100 pacientes (considerando-se os 186 RN admitidos no período),segundo Farhat, 20002. No Hospital do Servidor Público Estadual "Francisco Morato de Oliveira"3, a taxa de infecção hospitalar de 19,17/1000 RN dia para <1.500g e de 11,03 para RN entre 1.500 e 2.500g. Apesar dos avanços nas medidas preventivas e terapêuticas, a mortalidade continua alta, variando de 15% a 50%4. Saindo de um ambiente relativamente estéril, os RN entram em contacto, logo após o nascimento, com bactérias potencialmente infectantes e que podem atingi-los através da conjuntiva, do aparelho respiratório e do trato digestório ou ainda através da pele. Além destas vias, se a mãe está infectada, o RN pode ser atingido por germes através da placenta.

As barreiras com que o RN conta para se defender das infecções estão inicialmente comprometidas. A pele, principalmente no RN pré-termo, é imatura e tem permeabilidade aumentada, estando, além disso, sujeita a punções ou procedimento cirúrgicos que facilitam a entrada de bactérias por essa via. A falta de IgA torna vulneráveis os epitélios dos tratos respiratório e digestório.

Tanto a imunidade celular como a humoral estão comprometidas no RN. O transporte de IgG através da placenta, que se inicia na 15a semana de gestação, só é máximo após a 32a semana de idade gestacional5. O RN de termo tem concentrações de IgG iguais ou até maiores que as de suas mães. IgA e IgM não são transportadas através da placenta e suas concentrações no feto e no RN estão muito diminuídas em relação às da criança maior e às do adulto. As proteínas do complemento são sintetizadas pelo feto, mas a ativação hemolítica do complemento do RN de termo e normal é igual à metade daquela encontrada na mãe6.

Os linfócitos estão em número normal no RN e têm função adequada em situações normais. A mobilidade, assim como a adesividade, é menor quando se trata de linfócito T. Há poucos dados quanto à fagocitose, que parece estar diminuída7. Os linfócitos B apresentam na superfície IgG ou IgA comparável no adulto, mas o defeito está na função. O nível de RNA mensageiro para a cadeia de imunoglobulina d nas células mononucleares é inferior aos das células de adulto8.

Neutrófilos de RN sadios têm fagocitose e capacidade de matar levemente diminuída, função que é mais comprometida na presença de estresse4,6. Toda esta dificuldade na luta contra as infecções deixa claro a necessidade de diagnóstico e de tratamento precoces, assim como, para melhorar o prognóstico da sepse neonatal, de usar-se recursos tais como imunoglobulina endovenosa, transfusão de plasma, de neutrófilos, exsangüíneotranfusão e ainda outros recursos que possam minimizar o dano tecidual provocado pela infecção.

Objetivo

Comparar as concentrações de imunoglobulinas no sangue do funículo umbilical de RN com as do sangue de suas mães no momento do parto.

Métodos

No período compreendido entre 09 de setembro de 1993 e 30 de março de 1994 foram coletadas amostras de sangue de parturientes no momento do parto e de sangue do funículo umbilical de seus RN, coletas estas feitas no Centro Obstétrico do Hospital do Servidor Público Estadual "Francisco Morato de Oliveira". Apesar de terem sido colhidas no período referido amostras de todas as parturientes e de seus recém-nascidos, foram incluídos na pesquisa apenas os pares (mãe/RN) que obedecessem aos critérios de inclusão e de exclusão abaixo discriminados:

Critérios de inclusão

Foram incluídos os pares mãe/RN que tivessem todos os dados exigidos no protocolo de trabalho, preenchidos e confiáveis, assim como os que tivessem os soros mãe/funículo umbilical armazenados, independentemente de idade gestacional, tipo de parto, sexo, condições de nascimento, peso do RN ou ainda de qualquer patologia por este apresentada.

Critérios de exclusão

Foram excluídos os binômios em que se verificassem:

. Identificação duvidosa ou controversa do registro da mãe e do RN ou do nome da mãe.

. Preenchimento incorreto de idade da mãe, data de nascimento, idade gestacional, tempo de ruptura de membranas, número de gestações, número de abortos anteriores, tipo de parto.

. Preenchimento incorreto ou ausência de dados referentes ao RN: peso de nascimento, sexo, cor, boletim Apgar de 1º e de 5º minutos.

. Coleta apenas de sangue da mãe ou só do RN; identificação duvidosa dos tubos, soros hemolisados.

Adotados estes critérios, de 1077 fichas preenchidas, puderam apenas ser analisados os soros de 323 RN e de 321 mães, uma vez que havia dois pares de gêmeos.

Delineamento experimental

O estudo programado foi do tipo prospectivo. O protocolo inicial foi submetido à aprovação da Comissão de Ética Médica deste Hospital; na ocasião da realização deste estudo não se adotava ainda o hoje obrigatório consentimento pós-informado.

Análise laboratorial

As amostras coletadas foram centrifugadas e os soros foram guardados no freezer a –20ºC, aos pares (mãe/RN), em tubo Eppendorf®.As amostras foram descongeladas à temperatura ambiente, homogeneizadas e a dosagem foi feita de forma a utilizar reagentes e padrões pertencentes a um único lote em rotinas de 100 amostras/dia.

Para se ter uma idéia a respeito da relação entre as concentrações de imunoglobulinas no sangue do funículo umbilical e as de imunoglobulinas do sangue periférico do RN, foram colhidas cinco amostras do sangue do funículo umbilical e, nas primeiras 24 horas de vida, cinco amostras de sangue periférico dos mesmos RN, tendo sido possível verificar correspondência entre os valores obtidos.

As concentrações séricas foram dosadas pelo método de turbidimetria com o aparelho Behringer Turbitime System (Alemanha) e com o reagente Turbiquant® reagents para IgG, IgA e IgM. Por este método, o limiar de reatividade para IgG é 100 mg/dl, para IgA, 40 mg/dl e para IgM, 25 mg/dl.

A leitura é feita com comprimento de onda de 340nm, com lâmpada de xenônio. A turbidez é dada pela reação do anticorpo presente na amostra contra o anticorpo antiimunoglobulina (IgG,IgA,IgM) com formação de imuno-complexo insolúvel que produz turvação no meio.

O bloqueio de luz por estes imuno-complexos é medido a 180ºC de feixe incidente. A leitura é inversamente proporcional à concentração das imunoglobulinas.

Planejamento estatístico

Os dados deste trabalho foram analisados considerando-se um nível de significância de 5% (r £0,05).

Foram utilizados os seguintes modelos:

1-Média aritmética e desvio padrão, valor mínimo e máximo

2-Teste de Associação: correlação paramétrica de Pearson

3-Equação da reta de regressão linear, coeficiente de correlação e suas significância

4-Cálculo de intervalo de confiança e de regressão linear, para valor médio ao nível de 95%

5-Gráficos de regressão linear

Resultados

Características maternas

Caracteríscas do RN

Concentrações de Imunoglobulinas

Matriz de correlação entre as diversas imunoglobulinas e os diversos parâmetros com a coeficiência de correlação de Pearson® para nível de significância de 5% (p£0,05)

A matriz de correlação entre as diversas imunoglobulinas com os diversos parâmetros para o total de 323 RN apresentada na Tabela 7 estabelecida para o nível de significância (p) de 5% (p=0,0 5) ;através dela construíram-se gráficos de regressão linear (––––––––),equação da reta, coeficiente de correlação (r) e sua significância (p). Cálculo do intervalo de confiança da regressão linear de 95% para o valor médio foi representado no gráfico pela linha (———).

Discussão

A importância da passagem transplacentária de imunoglobulinas para o feto, dando a este proteção a processos infecciosos no período neonatal, foi o motivo de iniciar este trabalho, um estudo prospectivo visando conhecer as concentrações de imunoglobulinas no sangue da mãe e do funículo umbilical.A susceptibilidade às infecções é maior no RN pré-termo do que no RN de termo. Além da menor defesa e da maior manipulação a que estão sujeitos, os RN pré–termo recebem quantidades menores de imunoglobulinas através da placenta, uma vez que a passagem transplacentária ocorre principalmente a partir da 32a semana de vida intra–uterina.

As altas taxas de morbidade e de mortalidade neonatal por infecções despertaram interesse em todos nós, neonatologistas, em conhecer um pouco mais as condições imunológicas do RN;pesquisas a respeito foram sendo desenvolvidas em todo o mundo, inclusive no Brasil9..

Comparados os níveis de IgG em sangue venoso materno e em sangue de artéria e de veia umbilical, foi verificado que, no final da gestação (37–42 semanas de idade gestacional), os níveis de IgG na artéria e também na veia umbilical excediam os níveis maternos9. IgG3 e IgG4 tinham concentrações iguais em artérias e veia umbilical, IgG2 aumentava com a idade gestacional, permanecendo em níveis inferiores aos maternos. O maior aumento deveu-se a IgG1, aumento este que se deu tanto no sangue arterial como no sangue venoso10.

Para análise das variáveis obtidas neste trabalho, usou-se coeficiente de correlação, com significância de 5% ( p = ou < 0,05 ); escolheram-se os pares analisados, construindo-se retas de regressão.

Observou-se, neste estudo, aumento progressivo da IgG sérica do RN com o avanço da idade gestacional, isto é, o aumento foi diretamente proporcional à idade gestacional, o que já havia sido verificado por vários autores9,10,11,12,13.

Comparando-se as concentrações de IgG do RN com a idade gestacional em semanas, o coeficiente de correlação foi de 0,31 e p=0,00001; ao comparar-se concentrações de IgG do RN com o peso ao nascer, encontrou-se coeficiente de 0,14 e p=0,008. As retas de regressão que manifestam de maneira muito clara o aumento da IgG com o progredir da idade gestacional não manifestaram de maneira tão evidente uma correlação com o peso de nascimento, apesar de haver significância estatística. Estes achados devem-se, possivelmente, ao fato de em nossa amostra estarem incluídos tanto RNT (recém-nascido de termo) como RNPT (recém-nascido pré-termo) e RNPIG (recém-nascido pequeno para a idade gestacional). O estudo das concentrações de imunoglobulinas G, M e A em RNPT e em RN com restrição ao crescimento intra-uterino, mostrou que as concentrações de IgG eram baixas em RNPT PIG; os aumentos de IgA e de IgM não foram estatisticamente significantes14. Estudada a transferência de IgG e suas subclasses em RNT e em RNPT, foi verificado o aumento de IgG1 e IgG3 com a idade gestacional, atingindo concentrações iguais às maternas na 37a semana9. As concentrações eram menores em RN prematuros.Há trabalhos em mães/RN verificando as concentrações de IgG específica para vírus de sarampo, herpes simples tipo 1, vírus sincicial respiratório, vírus varicela/zoster, toxóide tetânico, toxóide diftérico e Streptococcus pneumoniae encontrando-se níveis significantemente menores em RNPT e em RNPIG15. Por outro lado, entretanto, as concentrações eram significantemente mais baixas de IgG e de IgM em crianças com peso inferior a 2.000g, enquanto que nas diferentes classes de IgA e na IgD não foi encontrada diferença significante16.

O estudo de concentrações maternas de IgG comparando com as dos funículo umbilical mostrou diferença significantemente maior no sangue do RN, fazendo supor que, além de transporte por gradiente, a IgG seria transportada ativamente17. Foi encontrado na circulação fetal um receptor (fosfatase alcalina) para imunoglobulina G, receptor esse relacionado aos níveis de ligações para IgG no sangue fetal, e os autores consideraram que o transporte ativo é o responsável pelos níveis mais altos no sangue fetal que no materno. O transporte seletivo placentário da IgG e de seus subgrupos, baseados nas estruturas de carboidratos, torna atrativa e consistente a hipótese de que a interação da IgG se faz com células de superfície na fração y (Fcy) receptoras e dependentes de carboidratos. Entretanto, sugere-se que, além do transporte dependente de carboidratos com seleção de IgG altamente galactosilada, o transporte pode ser feito por mecanismo independente de carboidrato18.

O aumento de IgG materna quando comparada ao da IgG do RN e significante, o que poderia ocorrer por estímulo antigênico fetal ou por maior freqüência de infecções maternas durante a gestação. O mesmo ocorreu com a IgA materna quando correlacionada às concentrações de IgG do funículo umbilical.

É pequeno o número de pesquisas10 comparando as concentrações de IgM e de IgA em mãe de RN, contrastando com o grande número de trabalhos relacionados a IgG15-16. Há aumento de IgM e de IgG na gestação de termo, as concentrações de IgA e de IgD praticamente não se modificaram com a idade gestacional. Aumento de IgM e de IgA relacionado com aumento do pêso de nascimento, sem significância estatística14. A análise de IgA em sangue materno, em sangue fetal colhido por cordocentese ou ainda por colheita em funículo umbilical, mostrou aumento na circulação fetal entre 17 e 41 semanas de idade gestacional; a IgA fetal mostrou aumento linear com concentração, ao termo, às vezes maior que a da circulação materna11.

Correlacionando-se IgM materna com a idade materna, à medida que a idade materna avançou, houve queda nas concentrações de IgM, dado esse que, isolado pode nada significar, mas que deverá levar às investigações relacionadas à imunidade humoral da gestante mais idosa. Não encontramos referência a este fato, o que atribuímos a que, em muitos estudos, foram excluídas as mães com idade extremas9.

Feita a correlação entre a concentração de IgG do funículo umbilical e a ruptura prematura da membrana, verificou-se haver queda desta concentração com o maior tempo de ruptura de bolsa (coeficiente-0,1314 p=0,018). Este dado poderia mostrar perda de IgG no liquido âmnico, maior consumo ou manutenção de gestação para evitar parto prematuro. Não foi encontrada relação entre concentrações de IgG ao nascimento e tempo de ruptura das membranas, independente de haver ou não infecção.

Os resultados desta pesquisa mostram discreta queda de concentrações de imunoglobulinas na circulação materna com o progredir da gestação. Concentrações de IgG e de IgA apresentaram um nível de 60% a 70% menores que as do início da gestação entre 17–41 semanas IG11.

Conclusões

1. As concentrações de IgG aumentaram no sangue do funículo umbilical dos RN com avanço da idade gestacional atingindo, no termo, concentrações superiores aos de suas mães.

2. Houve diminuição nas concentrações de IgG do sangue do funículo umbilical dos RN relacionada ao tempo maior de ruptura de membranas.

3. As concentrações de IgM e IgA, determinadas no sangue venoso materno, tiveram aumento significante quando comparadas à concentração de IgG do funículo umbilical.

4. Houve queda significante das concentrações de IgM quando relacionadas ao aumento da idade materna.

Data do recebimento: 20/10/2002

Data da revisão: 04/11/2002

Data da aprovação: 09/01/2003

Conflito de interesse: nenhum

Fonte de financiamento: nenhuma

  • 1- Prade SS, Oliveira ST, Rodrigues R, Nunes FA, Netto EM, Félix JQ e col. Estudo brasileiro da magnitude de infecção hospitalar em hospitais terciários. Revista do Controle de Infecção Hospitalar1995; 2:11-24.
  • 2- Farhat CK. Infecção hospitalar. J Pediatria 2000; 76:259-65.
  • 3- Alves Filho MB, Bianchini PJ. Série Histórica da Morbidade. Período 1998-1999. Hospital do Servidor Público Estadual "Francisco Morato de Oliveira".
  • 4- Klein OJ, Marcy M. Bacterial sepsis and meningits in Remington & Klein, (eds) Infectious Diseasesof the fetus and the newborn, 4a ed. Philadelphia, WB Saunders, 1995 pp835-90.
  • 5- Yeung CY, Hobbs Jr. Serum gamma-globulin levels in normal, premature, post-mature, and small for date newborn babies. Lancet 1968; 1:1167-70.
  • 6- Edwards M. Complement in neonatal infectious. An Overview. Pediatr Infect Dis J 1986; 5:168-70.
  • 7- Wilson CB. Lung antimicrobial defense in the newborn. Semin Respir Med Dis 1984; 128:149-155.
  • 8- Wedgwood JF, Weinberg BI, Hatam L, Palmer R. Umbilical cord blood lacks circulating lymphocytes expressing surface IgG or IgA. Clin Immunol Immunopathol, 1997; 84:276-82.
  • 9- Costa-Carvalho BR, Vieira HMS, Dimantas RBR, Arslanian C, Naspitz CK, Sole D, Carneiro-Sampaio MM. IgG subclass transfer across placenta in term and preterm newborn. Brazilian J Med Biol Res 1996;29:201-204.
  • 10- Malek A, Sager R, Schneider H. Maternal-fetal transport of immunoglobulin G and its subclasses during the third trimester of human pregnancy. Am J Reprod Immunol 1994;32:8-14.
  • 11- Malek A, Sager R, Kuhn P, Niconides KH, Schneider H. Evolution of materno-fetal transport of immunoglobulins during human pregnancy. Am J Reprod Immunol; 199636:248-55.
  • 12- Palfi M, Selbing A. Placental transport of maternal immunoglobulin G. Am J Reprod Immunol 1998; jan 39(1):24-6.
  • 13- Hashira S, Oktsu-Negishi S, Yoshino K. Placental transfer of IgG Subclasses in a Japanese population. Pediatr Int 2000; 43:337-42.
  • 14- Sharma S, Laf H, Saigal RK. Immunoglobulins IgG, IgM and IgA levels in preterm and small for date newborn. Indian Pediatr 1991; 28:741-4.
  • 15- Wesumperuma HL, Pereira AJ, Phariah PO, Hart CA. The influence of prematury and low birthweight on transplacental antibody transfer in Sri Lanka. Ann Trop Med Parasitol 1999; 93:169-77.
  • 16- Cederqvist LL, Ewool LC and Litwim SD. The effect of fetal age, birth weight and sex on cord blood immunoglobulin values. Am J Obst Gynecol 1978; 131:520-25.
  • 17- Kohler PF and Farr RS. Elevation of cord over maternal immunoglobulin evidence for an active placental IgG transport. Nature 1966; 210:1070-1.
  • 18- Williams PJ, Arkwright PD, Rudd P, Scragg Ig, Edge CJ, Wormald MR, Rademocher TW. Short communications: Selective placental transport of maternal IgG to the fetus. Placenta1995;16:749-56.
  • 19- Machado AP, Gonçalves G, Barros H, Nascimento MS. Mother-child transmission of immunoglobulins G. Acta Med Port 1995; 8:81-5.
  • 20- Cederqvist LL, Zervoudakis IA, Ewool LC, Litwin SD. The relationship between prematurely ruptured membranes and fetal immunoglobulin production. Am J Obst Gynecol 1978; 134:784-8.

  • Endereço para correspondência
    Hideaki Claudio Hironaka
    Rua Napoleão de Barros, 1075/91
    04024-003 São Paulo, SP
    Tel.: (11) 5549-9567 / 9271-0899
  • 1
    Trabalho apresentado para obtenção do Título de Mestre em Medicina, IAMSPE-SP
  • 2
    Mestrando, Área de Concentração em Clínica Médica, IAMSPE-SP
  • 3
    Doutora em Medicina pela EPM-UNIFESP / Orientadora da Tese

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    03 Set 2003
  • Data do Fascículo
    Mar 2003

Histórico

  • Revisado
    04 Nov 2002
  • Recebido
    20 Out 2002
  • Aceito
    09 Jan 2003
Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia Al. Rio Claro, 179/141, 01332-010 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3287-8814 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sgolden@terra.com.br