Estudo anatomotopográfico das vias biliares extra hepáticas e do trígono cistohepático

Anatomotopographic study of the extrahepatic biliary system and the cystichepatic triangle

OBJETIVO: Estudar a morfologia do sistema biliar extra-hepático e do trígono cistohepático (triângulo de Calot) analisando a sua disposição, variações ou malformações MÉTODOS: foram investigados 50 cadáveres adultos. RESULTADOS: em 47 casos (94%) a junção hepato-cística se dava próxima ao hilo hepático. Em 3 casos (6%), a junção entre esses ductos se dava distalmente, ao nível da ampola hepato-pancreática (ampola de Vater). O ângulo formado pela junção hepato-cística foi menor que 30º em 72,3% dos casos; em 23,4% , ficou entre 30 e 45º; em 2,1% variou entre 45 e 60º e em 2,1% foi maior do que 60º. A junção hepato-cística se fez, na maior parte dos casos, pela direita (59,6%), seguida pela anterior (17%), posterior (12,8%) e esquerda (10,6%). Em relação aos componentes do trígono cistohepático, a artéria cística esteve presente em 56% dos casos; a veia porta em 36%; a artéria hepática direita em 34%; a artéria hepática esquerda em 2% e a artéria hepática própria em 2% dos casos. O comprimento e o diâmetro do ducto cístico foi 2,53± 1,19cm e 0,29± 0,12cm, respectivamente. A prega espiral do ducto cístico ( válvula de Heister) foi observada em 80% dos casos. O infundíbulo da vesícula biliar (bolsa de Hartmann) esteve presente em 74% dos casos. Esses conhecimentos são importantes, principalmente para os cirurgiões que atuam nesta região, através de videolaparoscopia. CONCLUSÃO: No trígono cistohepático a artéria cística foi encontrada com mais freqüência.

Vias biliares; Videolaparoscopia; Anatomia


Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia Al. Rio Claro, 179/141, 01332-010 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3287-8814 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sgolden@terra.com.br