Hepatite C: um desafio aos hepatologistas e à equipe de transplante de fígado

Ana de Lourdes Candolo Martinelli Andreza Correa Teixeira Fernanda Fernandes Souza Ajith Kumar Sankarankutty Orlando de Castro e Silva Sobre os autores

O objetivo deste artigo foi revisar aspectos epidemiológicos, clínicos e terapêuticos da hepatite C e suas implicações para a equipe de transplante de fígado. Esses aspectos específicos foram revisados na literatura usando principalmente o Medline.Dados relativos a aspectos epidemiológicos, clínicos e terapêuticos da hepatite C foram discutidos com ênfase nas suas conseqüências para a equipe de transplante de fígado. A hepatite C é um desafio para hepatologistas e para a equipe de transplante de fígado. A epidemia que observamos atualmente é a conseqüência tardia da infecção que ocorreu no passado. São recomendadas medidas para o reconhecimento precoce das complicações da infecção. Recomenda-se que o tratamento da hepatite C deve ser feito sempre que possível e de preferência, antes do transplante, mas se isso não for possível, esforços devem ser feitos para o reconhecimento precoce da reinfecção e instituição do tratamento.

Hepatite C; Transplante Hepático; Epidemia; Hepatite C Reinfecção


Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia Al. Rio Claro, 179/141, 01332-010 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3287-8814 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sgolden@terra.com.br
Accessibility / Report Error