Biópsia do linfonodo sentinela no melanoma cutâneo

OBJETIVO: Avaliar a importância da biópsia do linfonodo sentinela em pacientes com melanoma cutâneo MÉTODOS: Noventa pacientes com estadiamento I e II foram acompanhados prospectivamente no período de seis anos, de forma consecutiva e não randomizada e submetidos a biópsia do linfonodo sentinela. RESULTADOS: Os pacientes foram acompanhados durante tempo médio de 30 meses. A média de idade dos pacientes foi de 53,3 anos, variando de 12 a 83. Quanto ao sexo, foram avaliados 30 pacientes do sexo masculino (37,5%) e 50 do sexo feminino (62,5%).32,5% dos pacientes apresentaram linfonodo sentinela positivo e 67,5% linfonodo sentinela negativos. Comparando-se a espessura tumoral com a positividade do LS, verificou-se que quanto maior a espessura, maior a incidência de positividade do linfonodo sentinela. No grupo de pacientes com LS positivo a recorrência surgiu em 43,5% dos casos, mostrando a relação entre a recorrência e a positividade do LS. Não houve complicações no pós-operatório. CONCLUSÃO: A biópsia do linfonodo sentinela mostrou-se um método seguro para selecionar os pacientes que necessitam de linfadenectomia terapêutica.

Melanoma; Linfonodos; Vasos Linfáticos; Diagnóstico


Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia Al. Rio Claro, 179/141, 01332-010 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3287-8814 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sgolden@terra.com.br