Modelo de estenose traqueal extensa e grave em cães

OBJETIVO: Criar um modelo de estenose longitudinal extensa que possa ser útil para testar diferentes técnicas operatórias de reconstrução traqueal. MÉTODOS: 20 cães sem raça definida foram submetidos a um procedimento padrão de estenose traqueal extensa e observados por três (n=10) ou seis (n=10) semanas. Sob anestesia geral uma área elíptica (eixo maior do 1º ao 20º anel traqueal e eixo menos com 40% do diâmetro da luz traqueal) foi ressecada e os cotos foram anastomosados de modo término-terminal. O diâmetro interno e externo foi medido (antes e depois do período de observação) e o índice de estenose foi determinado. Amostras de sangue foram coletadas (gasometria, hematócrito e hemoglobina) antes e depois dos procedimentos operatórios. RESULTADOS: O peso foi significantemente menor nos animais de seis semanas (15,551±3286.2) em comparação com os de três semanas (17,250±3575.0). Não houve diferenças significantes entre a extensão da traquéia com três (21.2± 1.8) ou seis (21.1±1.7) semanas. A média (40.1) e a mediana (40.5) dos anéis contados na 3ª semana foi similar à média (38.1) e mediana (39.0 da 6ª semana. A média (46.8%) e mediana (49.8%) do índice de estenose com três semanas não mostrou diferenças significantes (Mann Whitney test p<0.001) com a média 55.1%) e mediana de seis semanas (52.4%). Nenhum sofrimento mecânico ou bioquímico da respiração foi assinalado. CONCLUSÃO: O procedimento foi efetivo para promover um modelo de estenose extensa da traquéia.

Estenose Traqueal; Modelos Animais; Cães


Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia Al. Rio Claro, 179/141, 01332-010 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3287-8814 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sgolden@terra.com.br