Cicatrização de anastomoses realizadas no íleo e cólon de ratos diabéticos induzidos pela aloxana

José Lúcio Martins Machado Érika Veruska Paiva Ortolan César Tadeu Spadella Sobre os autores

OBJETIVO: Investigar se o diabetes mellitus pode alterar a força de ruptura (FR) e o conteúdo de colágeno em anastomoses realizadas no íleo e cólon de ratos. MÉTODOS: 300 ratos Wistar foram distribuídos por sorteio em 5 grupos experimentais com 60 animais cada: controle normal manipulado cirurgicamente (G1); normais controles submetidos a anastomoses no íleo (G2) e cólon (G3); ratos diabéticos submetidos a anastomoses no íleo (G4) e cólon (G5). Cada grupo foi dividido em 6 subgrupos com 10 ratos cada para sacrifícios com 0, 4, 7, 14, 21 e 30 dias após as operações. Os procedimentos cirúrgicos foram realizados 3 meses após a indução do diabetes com aloxana. A FR foi medida em todas anastomoses intestinais. Fragmentos de anastomoses do íleo e cólon foram retirados para dosagens de hidroxiprolina (HP) e proteína tecidual total (PT). RESULTADOS: A FR teve significante redução (P<0,05) nos grupos diabéticos G4 e G5, até 7 e 14 dias após a operação, respectivamente, quando comparada à observada nos grupos controles G2 e G3. Não foram observadas diferenças significantes nas dosagens de HP e PT em ratos diabéticos e controles, tanto operados no íleo como no cólon, em todos os momentos de avaliação. CONCLUSÃO: O diabetes conduz a alterações da força de ruptura de anastomoses intestinais durante a fase inicial da reparação da ferida cirúrgica, porém, este fato parece não estar relacionado à capacidade de sintetizar colágeno.

Diabetes Mellitus; Cicatrização de Feridas; Íleo; Colo; Ratos


Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia Al. Rio Claro, 179/141, 01332-010 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3287-8814 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sgolden@terra.com.br