O uso da bandagem elástica adesiva para alívio da dor no tratamento das disfunções temporomandibulares: revisão sistemática com metanálise

Tatyana Meneses Emérito Júlia Ana Soares Silva Renata Maria Moreira Moraes Furlan Sobre os autores

RESUMO

Objetivos

Verificar o efeito da aplicação da bandagem elástica sobre músculos mastigatórios no alívio da dor, em comparação com outras intervenções, em indivíduos com disfunções temporomandibulares.

Estratégia de pesquisa

Busca nas bases de dados LILACS, IBECS, CINAHL, Scopus, Web of Science, Cochrane, Embase e MEDLINE. A pergunta norteadora, utilizando-se os elementos da estratégia PICOT (população, intervenção, comparador, outcome/desfecho, tipo de estudo) foi: “A bandagem elástica promove alívio da dor em indivíduos com disfunção temporomandibular?”.

Critérios de seleção

Foram incluídos ensaios clínicos que fizeram uso da bandagem elástica em músculos mastigatórios de indivíduos com disfunção temporomandibular, publicados em português, inglês ou espanhol. Foram excluídos os artigos que não abordavam o método de aplicação e o desfecho “intensidade da dor”. A avaliação da elegibilidade foi realizada pela leitura dos títulos e resumos, bem como pela leitura dos estudos na íntegra. Foram extraídas informações sobre ano de publicação, país de condução do estudo, idade e condição clínica da amostra, tratamento e resultados da avaliação da dor. Na metanálise, realizada por meio do método do inverso da variância, a média do valor indicado na escala visual analógica foi considerada como medida de efeito da intervenção.

Resultados

Foram localizadas, inicialmente, 344 referências, das quais, 3 foram selecionadas. Foram identificados resultados significativamente superiores na redução da dor, em uma semana de uso da bandagem, na comparação com outras abordagens conservadoras analisadas.

Conclusão

Considerando os artigos incluídos, a bandagem elástica apresentou resultados significativos para maior redução da dor na primeira semana. Porém, o número reduzido de estudos e a presença de vieses limitam os achados.

Palavras-chave:
Fita atlética; Músculos da mastigação; Transtornos da articulação temporomandibular; Dor facial; Fonoaudiologia

ABSTRACT

Purpose

To verify the effects on pain relief by applying kinesiology tape on the masticatory muscles, in comparison with other interventions, in people with temporomandibular disorders.

Research strategy

Search in LILACS, IBECS, CINAHL, Scopus, Web of Science, Cochrane, EMBASE, and MEDLINE. The research question, based on the PICOT components, was: “Does kinesiology tape applied on to masticatory muscles relieve the pain in people with temporomandibular disorders?”.

Selection criteria

The included articles were clinical trials using kinesiology tape on masticatory muscles in people with temporomandibular disorders, published in Portuguese, English, or Spanish. Articles whose authors had not adopted this application method and pain intensity as an outcome were excluded. Eligibility was assessed by reading their titles, abstracts, and full texts. The following information was extracted: year of publication, the country where the study was conducted, age and clinical condition of the sample, treatment, and pain assessment results. The meta-analysis, using the inverse variance method, considered the mean value indicated in the visual analog scale as the intervention effect measure.

Results

Initially, 344 references were retrieved, of which three were selected. Significantly better pain relief results were identified after 1 week of using the tape, in comparison with the other conservative approaches analyzed.

Conclusion

Considering the included articles, the kinesiology tape had significant results with greater pain relief in the first week. However, small number of studies and their biases limit the findings.

Keywords:
Athletic tape; Masticatory muscles; Temporomandibular joint disorders; Facial pain; Speech, Language and Hearing Sciences

INTRODUÇÃO

A disfunção temporomandibular (DTM) é considerada a causa mais comum de dor crônica não dentária na região orofacial(11 List T, Jensen RH. Temporomandibular disorders: old ideas and new concepts. Cephalalgia. 2017;37(7):692-704. http://dx.doi.org/10.1177/0333102416686302. PMid:28068790.
http://dx.doi.org/10.1177/03331024166863...
), com prevalência estimada de 31% em adultos e idosos e 11% em crianças e adolescentes(22 Valesan LF, Da-Cas CD, Réus JC, Denardin ACS, Garanhani RR, Bonotto D, et al. Prevalence of temporomandibular joint disorders: a systematic review and meta-analysis. Clin Oral Investig. 2021;25(2):441-53. http://dx.doi.org/10.1007/s00784-020-03710-w. PMid:33409693.
http://dx.doi.org/10.1007/s00784-020-037...
). Embora possa ocorrer em qualquer idade, é mais comum entre indivíduos de 20 a 40 anos(22 Valesan LF, Da-Cas CD, Réus JC, Denardin ACS, Garanhani RR, Bonotto D, et al. Prevalence of temporomandibular joint disorders: a systematic review and meta-analysis. Clin Oral Investig. 2021;25(2):441-53. http://dx.doi.org/10.1007/s00784-020-03710-w. PMid:33409693.
http://dx.doi.org/10.1007/s00784-020-037...
).

A DTM pode ser definida por um conjunto de distúrbios que envolvem os músculos mastigatórios, a articulação temporomandibular (ATM) e/ou estruturas associadas(33 American Association of Dental Research. Temporomandibular Disorders (TMD) [Internet]. 2015 [citado em 2020 Abr 10]. Disponível em: https://www.iadr.org/aadr/about-us/policy-statements/science-policy/temporomandibular-disorders-tmd
https://www.iadr.org/aadr/about-us/polic...
). É classificada em DTM muscular ou articular e pode, ou não, estar associada à cefaleia. A DTM muscular abrange a mialgia, que se divide em três tipos: mialgia local, dor miofascial com espalhamento e dor miofascial referida. Quanto à DTM articular, é possível citar seis tipos: deslocamento do disco com redução; deslocamento do disco com redução, com travamento intermitente; deslocamento do disco sem redução, sem limitação de abertura; deslocamento do disco sem redução, com limitação de abertura; doença articular degenerativa e subluxação(44 Ohrbach R, editor. Diagnostic criteria for temporomandibular disorders: assessment instruments. Version 15 May 2016 [Critérios de Diagnóstico para Desordens Temporomandibulares: protocolo clínico e instrumentos de avaliação: Brazilian Portuguese Version 25 May 2016]. RDC/TMD; 2016.). Cada diagnóstico possui critérios específicos para sua classificação, sendo o Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (RDC/TMD) um instrumento confiável e amplamente utilizado para classificar as disfunções temporomandibulares(44 Ohrbach R, editor. Diagnostic criteria for temporomandibular disorders: assessment instruments. Version 15 May 2016 [Critérios de Diagnóstico para Desordens Temporomandibulares: protocolo clínico e instrumentos de avaliação: Brazilian Portuguese Version 25 May 2016]. RDC/TMD; 2016.).

A DTM tem caráter etiológico multifatorial. Dentre os fatores causais, pode-se citar má-oclusão, traumas, doenças sistêmicas, hábitos orais deletérios, alterações posturais, estresse e ansiedade(55 Motta LJ, Bussadori SK, Godoy CLH, Biazotto-Gonzalez DA, Martins MD, Silva RS. Disfunção temporomandibular segundo o nível de ansiedade em adolescentes. Psicol, Teor Pesqui. 2015;31(3):389-95. http://dx.doi.org/10.1590/0102-37722015031899389395.
http://dx.doi.org/10.1590/0102-377220150...
). Os sintomas incluem dores na face, na ATM e/ou músculos mastigatórios, dores na cabeça e na orelha, sensibilidade à palpação na musculatura da ATM, ruídos articulares e dificuldades na mastigação. Dentre os sintomas mais prevalentes, destacam-se a dor e limitação da amplitude de movimentos mandibulares(66 Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Termo do primeiro consenso em disfunção temporomandibular e dor orofacial. Dental Press J Orthod. 2010;15(3):114-20. http://dx.doi.org/10.1590/S2176-94512010000300014.
http://dx.doi.org/10.1590/S2176-94512010...
,77 Torres F, Campos LG, Fillipini HF, Weigert KL, Vecchia GFD. Efeitos dos tratamentos fisioterapêutico e odontológico em pacientes com disfunção temporomandibular. Fisioter Mov. 2012;25(1):117-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502012000100012.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502012...
).

Várias são as abordagens terapêuticas empregadas no tratamento da DTM, as quais dependem, principalmente, do tipo e das características clínicas da disfunção. A bandagem elástica adesiva é um recurso terapêutico conservador, que pode ser utilizado na reabilitação de disfunções musculoesqueléticas, sob a lógica de que proporciona o aumento da estabilidade corporal, proteção articular, correção e alinhamento dos segmentos, modificações biomecânicas do movimento e promoção da propriocepção(88 Kase K, Wallis J, Kase T. Clinical therapeutic applications of the Kinesio Taping Method. 2nd ed. Tokyo: Ken Ikai; 2003. p. 19-39.). É constituída por polímero elástico envolto em fibras de algodão, o que permite a evaporação do suor, e caracterizada pela espessura, que se assemelha à da epiderme, e pela possibilidade de ser esticada longitudinalmente em relação ao seu comprimento inicial, podendo permanecer aderida à pele por vários dias(88 Kase K, Wallis J, Kase T. Clinical therapeutic applications of the Kinesio Taping Method. 2nd ed. Tokyo: Ken Ikai; 2003. p. 19-39.).

Autores relatam benefícios do uso da bandagem sobre o músculo masseter, associado à fonoterapia com técnicas tradicionais, em um caso clínico, atribuindo o alívio da dor, em poucas sessões, ao efeito desse recurso terapêutico(99 Hernandes NCJ, Ribeiro LL, Gomes CF, Silva AP, Dias VF. Speech therapy in temporomandibular dysfunction in two cases: comparative analysis of the effect of traditional therapy and the use of the therapeutic bandage associated. Distúrb Comun. 2017;29(2):251-61. http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.2017v29i2p251-261.
http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.201...
). Em outros grupos musculares, os cervicais, por exemplo, também foram relatados benefícios para alívio da dor(1010 Sobhani V, Shamsoddini A, Khatibi-Aghda A, Mazloum V, Kia HH, Meybodi MKE. Differences among effectiveness of dry needling, manual therapy, and Kinesio Taping® methods for the management of patients with chronic myofascial neck pain: a single-blind clinical trial. Trauma Mon. 2017;22(6):e39261.

11 Kavlak B, Bakar Y, Sarı Z. Investigation of the efficacy of different physiotherapy methods for neck pain. J Musculoskeletal Pain. 2012;20(4):284-91. http://dx.doi.org/10.3109/10582452.2012.733802.
http://dx.doi.org/10.3109/10582452.2012....
-1212 Dlkhoush CT, Bakhshi S, Farokhi ZS, MirmohammadKhani M. Comparison of dry needling and inhibitory kinesio taping on the pain and functional disability in females with myofascial pain syndrome in upper trapezius muscle. Koomesh. 2019;21(4):610-8.) e relaxamento muscular(1313 Silva AP, Carvalho ARR, Sassi FC, Silva MAA. Os efeitos da bandagem elástica no músculo trapézio em adultos saudáveis. CoDAS. 2019;31(5):e20180077. http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20192018077. PMid:31644716.
http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/2019...
). O uso da bandagem elástica na prática clínica fonoaudiológica tem crescido, assim como o número de pesquisas científicas sobre o assunto. Porém, a literatura sobre o tema ainda é reduzida, sendo importante verificar a efetividade desse recurso na prática clínica em dor orofacial, como técnica complementar a diversos outros tratamentos e modalidades, nas fases agudas e crônicas da reabilitação, bem como para medidas preventivas.

OBJETIVO

O objetivo do presente estudo foi verificar o efeito da aplicação da bandagem elástica sobre músculos mastigatórios no alívio da dor, em comparação com outras intervenções, em indivíduos com disfunções temporomandibulares.

ESTRATÉGIA DE PESQUISA

Foi realizada uma revisão sistemática com metanálise, desenvolvida de acordo com as diretrizes do Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA) (1414 Page MJ, McKenzie JE, Bossuyt PM, Boutron I, Hoffmann TC, Mulrow CD, et al. The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. BMJ. 2021;372(71):n71. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.n71. PMid:33782057.
http://dx.doi.org/10.1136/bmj.n71...
). A pesquisa foi registrada no International Prospective Register of Systematic Reviews (PROSPERO), sob o número CRD42021255214.

A pergunta que norteou a pesquisa foi construída utilizando-se os elementos da estratégia PICOT, sendo P (população) indivíduos com disfunção temporomandibular, independentemente do tipo; I (intervenção) bandagem elástica adesiva; C (comparador) outras intervenções conservadoras para tratamento da DTM; O (outcome/desfecho) intensidade da dor e T (tipo de estudo) ensaios clínicos. Sendo assim, a pergunta que norteou o presente estudo foi: “A bandagem elástica aplicada sobre músculos mastigatórios promove alívio da dor em indivíduos com disfunção temporomandibular?”.

Foi realizado um levantamento, na literatura nacional e internacional, publicada nos idiomas inglês, português ou espanhol, utilizando-se as bases de dados LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde) e IBECS (Índice Bibliográfico Español en Ciencias de la Salud) (via Biblioteca Virtual em Saúde - BVS), CINAHL (Cumulative Index to Nursing and Allied Health Literature), Scopus, Web of Science, Cochrane, Embase, e MEDLINE (via PubMed). O levantamento foi realizado em março de 2021 e atualizado em fevereiro de 2022. Uma busca manual foi realizada nas referências bibliográficas dos artigos selecionados. Para cada base de dados, foram utilizados descritores e termos livres específicos. Os descritores foram selecionados dentre os Descritores em Ciências da Saúde/Medical Subject Headings (DeCS/MeSH) e Embase Subject Headings (Emtree). Os termos livres foram obtidos dentre as palavras-chave de artigos sobre o tema, a partir de uma busca piloto. As estratégias de busca combinaram a população pesquisada e a intervenção. Os descritores e termos livres utilizados, bem como as estratégias de busca, estão presentes no Quadro 1.

Quadro 1
Estratégias de busca utilizadas para cada base de dados

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO

Constituíram os critérios de inclusão: artigos originais de pesquisa com delineamentos do tipo ensaio clínico, que fizeram o uso da bandagem elástica em músculos mastigatórios de humanos com disfunção temporomandibular, publicados em inglês, espanhol ou português, sem limite quanto ao ano de publicação. Foram excluídos da amostra os artigos que não abordavam o método de aplicação, que não avaliaram a intensidade da dor como desfecho e que não compararam o desfecho com grupo submetido a outro tipo de intervenção.

A seleção dos artigos foi realizada em etapas, por dois pesquisadores, de forma independente, e o gerenciamento dos dados foi feito no programa Microsoft Excel. Na primeira etapa, as referências duplicadas foram eliminadas. Na segunda etapa, por meio da leitura dos resumos, foram excluídos os artigos que não contemplavam os critérios de inclusão estabelecidos, por meio das respostas “sim” ou “não” de cada pesquisador. Os artigos que receberam “sim” dos dois pesquisadores foram incluídos para leitura na íntegra e aqueles que obtiveram resposta “não” de ambos foram excluídos. Em caso de discordância entre eles, foi realizada uma reunião de consenso e, permanecendo o impasse, um terceiro avaliador seria consultado.

Na terceira etapa da fase de seleção, foram analisados, também por dois pesquisadores, os textos completos dos artigos potencialmente relevantes para a revisão e aplicados os critérios de elegibilidade estabelecidos. Os pesquisadores novamente atribuíram as respostas “sim” ou “não”. Os artigos que receberam “sim” dos dois avaliadores foram incluídos na pesquisa e aqueles que obtiveram resposta “não” de ambos foram excluídos. Da mesma forma, na presença de discordância entre eles, foi realizada uma reunião de consenso e, permanecendo o impasse, um terceiro avaliador seria consultado.

ANÁLISE DOS DADOS

Os seguintes dados dos artigos selecionados foram coletados em um protocolo desenvolvido para a pesquisa: autor, ano de publicação, país onde o estudo foi realizado, características da amostra (sexo, idade, condição clínica e tratamento recebido), objetivo da aplicação, metodologia de coleta (número de aplicações, tempo do uso da bandagem, tempo de tratamento, local da aplicação, técnica empregada), resultados obtidos, relacionados à intensidade da dor, e conclusão. A extração dos dados foi realizada por dois pesquisadores, de forma independente, que se reuniram posteriormente para conferência.

Foram utilizados os testes Q e o índice I2 para avaliar a heterogeneidade entre os estudos. Para a metanálise, a medida de efeito da intervenção considerada foi a diferença da média de intensidade da dor, mensurada pela Escala Visual Analógica (EVA), entre os momentos antes e após a intervenção, que foi realizada por meio do método do inverso da variância no software estatístico STATA, versão 13.0. O gráfico tipo forest-plot foi utilizado para resumir as estimativas. Foi adotado nível de significância de 5% nas análises.

A avaliação da qualidade e do risco de viés dos estudos incluídos foi realizada por dois pesquisadores independentes, por meio da ferramenta JBI Critical Appraisal Checklist (1515 The Joanna Briggs Institute. JBI critical appraisal checklist for cohort studies [Internet]. 2020 [citado em 2020 Abr 10]. Disponível em: https://joannabriggs.org/ebp/critical_appraisal_tools
https://joannabriggs.org/ebp/critical_ap...
). O instrumento apresenta critérios para avaliação da qualidade metodológica de ensaios clínicos, com três possibilidades de resposta: “sim, este critério se verifica”; “não, este critério não se verifica” e “não está claro”. Atribuiu-se 1 ponto para cada resposta “sim” e 0 ponto para as demais respostas. Quanto maior a pontuação atingida, maior a qualidade interna e menor o risco de viés do estudo. As divergências entre os pesquisadores foram resolvidas em reunião para estabelecimento de consenso. Determinou-se que estudos com menos de 50% das respostas positivas seriam considerados de baixa qualidade metodológica, estudos entre 50% e 75% das respostas positivas considerados de média qualidade metodológica e estudos com mais do que 75% das respostas positivas seriam considerados de alta qualidade metodológica.

RESULTADOS

Foram localizadas, inicialmente, 344 referências (3 na LILACS, 43 na MEDLINE, 13 na CINAHL, 45 na Embase, 175 na Scopus, 4 na Web of Science, 60 na Cochrane e 1 na IBECS). Após a primeira etapa (eliminação das duplicatas), permaneceram 244 artigos. Após a segunda etapa (exclusão de artigos pela leitura do título e resumo), permaneceram 63, e, após a terceira etapa (análise do texto completo), permaneceram no presente estudo apenas 3 artigos, conforme apresentado na Figura 1. A busca manual nas referências dos artigos não resultou na inclusão de nenhum estudo.

Figura 1
Fluxograma com as diferentes fases da revisão baseada nas diretrizes do protocolo Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA). Fonte: Flow Diagram (1414 Page MJ, McKenzie JE, Bossuyt PM, Boutron I, Hoffmann TC, Mulrow CD, et al. The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. BMJ. 2021;372(71):n71. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.n71. PMid:33782057.
http://dx.doi.org/10.1136/bmj.n71...
)

As informações extraídas de cada artigo foram organizadas em uma planilha. O Quadro 2 contém o resumo dos principais achados.

Quadro 2
Dados extraídos dos artigos selecionados

Os artigos encontrados foram publicados entre os anos de 2016(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
) e 2019(1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
), sendo desenvolvidos por diferentes grupos de pesquisas, na Turquia(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
,1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
) e Polônia(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
), e a casuística variou de indivíduos com idades entre 18 e 35 anos, a maior parte composta por mulheres, com amostras que variaram de 33(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
) a 60(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
) indivíduos.

Todos os indivíduos selecionados apresentavam a dor como sintoma comum, contudo, as condições clínicas incluíram dor miofascial(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...

17 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
-1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
), artralgia(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
) e deslocamento de disco com redução(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
). Como critério diagnóstico, dois métodos foram utilizados: o Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (RDC/TMD)(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
,1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
) e o histórico médico com critérios clínicos específicos(1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
).

Os tratamentos tiveram a duração de 5 dias(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
) a 6 semanas(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
), com a troca das bandagens variando de uma vez na semana(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
,1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
) a diariamente(1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
). Em todos os estudos, a bandagem foi aplicada bilateralmente sobre a pele, na região de masseter, porém, as técnicas de aplicação variaram entre a técnica em Y(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
,1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
), em que uma das extremidades da fita é dividida em duas caudas, e técnica em I(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
), em que a fita não é dividida. Na técnica em Y, o ponto fixo foi posicionado na ATM, enquanto um ponto móvel foi posicionado na face, em direção ao nariz(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
), e o outro na direção do mento(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
), ou ambos na direção do ângulo e contorno da mandíbula(1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
), portanto, no sentido da origem para a inserção do músculo, ambos estirados com até 15% de tensão(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
), ou com 40% de tensão(1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
). Na técnica em I, duas fitas foram utilizadas para cada hemiface, ambas com o ponto fixo posicionado na ATM, sobrepostos, sendo uma delas com o ponto móvel sobre a bochecha, em direção ao nariz e a outra, em direção ao mento(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
).

A intensidade da dor, desfecho avaliado por todos os estudos(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...

17 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
-1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
), foi comparada entre grupos submetidos à aplicação da bandagem em masseter e às seguintes abordagens terapêuticas: aconselhamento e exercícios mandibulares(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
), inativação dos pontos de gatilho por compressão(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
) e uso de placa oclusal(1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
). Houve grupos de interesse que foram tratados com a bandagem de forma isolada(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
,1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
), ou associada às demais abordagens(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
).

Os 3 estudos, por apresentarem a variável “intensidade da dor avaliada”, utilizando EVA, antes e após uma semana de intervenção, foram incluídos na metanálise (Figura 2). O losango ao final do gráfico encontra-se à direita e não toca o eixo, refletindo que a aplicação da bandagem promove maior redução da intensidade da dor. O valor de I2 de 0%, bem como o valor de p (teste Q de Cochran) maior que 0,05, indicam que os estudos foram homogêneos quanto aos valores mensurados. O valor na coluna de diferença de médias revela que o grupo experimental apresentou valores maiores em 1,4 pontos de redução da intensidade da dor na EVA, com valor de p=0,013.

Figura 2
Forest Plot da metanálise dos estudos

Os artigos receberam pontuações entre 8 e 10 de 13 pontos totais. A qualidade metodológica dos estudos foi considerada média em 2 estudos e boa em 1 estudo. O principal viés dos estudos foi a falta de cegamento dos sujeitos da pesquisa e dos terapeutas, uma limitação condizente com o método terapêutico aplicado, que impede a realização de um grupo placebo. A avaliação dos resultados também foi um ponto importante de viés, pois o desfecho analisado foi obtido de forma autorreferida pelos sujeitos da pesquisa. A análise da qualidade metodológica e controle de viés é apresentada na Tabela 1.

Tabela 1
Qualidade interna e controle do risco de viés conforme escala JBI Critical Appraisal Checklist para ensaios clínicos randomizados

DISCUSSÃO

O estudo evidenciou as principais formas de aplicação da bandagem elástica em músculos mastigatórios para indivíduos com disfunção temporomandibular, com participantes com idades entre 18 e 35 anos e a prevalência de mulheres. Essa população apresenta alta prevalência de sintomas relacionados à disfunção temporomandibular(1919 Figueiredo VMG, Cavalcanti AL, Farias ABL, Nascimento SR. Prevalência de sinais, sintomas e fatores associados em portadores de disfunção temporomandibular. Acta Sci Health Sci. 2009;31(2):159-63.). A maior ocorrência de DTM em mulheres ainda não possui explicação concreta, contudo, estudos referem influência do hormônio estrogênio e do padrão comportamental das mulheres, pois buscam o tratamento com maior frequência(2020 Ferreira CLP, Silva MAMR, Felício CM. Sinais e sintomas de desordem temporomandibular em mulheres e homens. CoDAS. 2016;28(1):17-21. http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20162014218. PMid:27074184.
http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/2016...
,2121 Moreno AGUT, Bezerra AGV, Alves-Silva EG, Melo EL, Gerbi MEMM, Bispo MEA, et al. Influência do estrógeno na modulação da dor na disfunção temporomandibular e sua prevalência no sexo feminino: revisão integrativa. Res Soc Dev. 2021;10(2):e38510212453. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i2.12453.
http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i2.124...
).

Todos os artigos apresentaram como resultado a redução da dor após o uso da bandagem elástica, sendo que os resultados apresentados por Benlidayi et al.(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
) evidenciaram que o uso da bandagem, associado aos tratamentos tradicionais, reduziu o quadro álgico dos participantes em menor tempo.

A bandagem elástica, por meio dos fios elásticos de polímero envoltos por fibras de algodão, promove uma estimulação cutânea que atua na diminuição da pressão nos receptores sensoriais por meio de suas ondulações, ocasionando a elevação da pele, favorecimento da circulação sanguínea e linfática, com promoção da movimentação muscular, além de reduzir a dor por meio neural(99 Hernandes NCJ, Ribeiro LL, Gomes CF, Silva AP, Dias VF. Speech therapy in temporomandibular dysfunction in two cases: comparative analysis of the effect of traditional therapy and the use of the therapeutic bandage associated. Distúrb Comun. 2017;29(2):251-61. http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.2017v29i2p251-261.
http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.201...
,2222 Artioli DP, Bertolini GRF. Kinesio taping: aplicação e seus resultados sobre a dor: revisão sistemática. Fisioter Pesqui. 2014;21(1):94-9. http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/553210114.
http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/5532...
). As informações sensoriais, como tato, pressão, temperatura e dor são captadas por receptores denominados somatossensoriais, que estão localizados na pele e que se relacionam a neurônios aferentes, cujos corpos situam-se nos gânglios dorsais da medula espinhal. O estímulo mecânico gerado pela bandagem concorre nas vias aferentes com o estímulo doloroso, promovendo inibição deste e resultando, assim, no alívio da dor(2222 Artioli DP, Bertolini GRF. Kinesio taping: aplicação e seus resultados sobre a dor: revisão sistemática. Fisioter Pesqui. 2014;21(1):94-9. http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/553210114.
http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/5532...
,2323 Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.).

Os benefícios relacionados ao uso da bandagem elástica, reportados na literatura, incluem correção da função muscular pelo fortalecimento dos músculos debilitados, melhora da circulação sanguínea e linfática, diminuição da dor por supressão neurológica e favorecimento da propriocepção, por aumentar a excitação dos mecanorreceptores cutâneos(88 Kase K, Wallis J, Kase T. Clinical therapeutic applications of the Kinesio Taping Method. 2nd ed. Tokyo: Ken Ikai; 2003. p. 19-39.,2323 Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.). O alívio da dor, por sua vez, pode ter sido o responsável pelo aumento da abertura de boca, verificado nos participantes de dois estudos(1616 Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683. PMid:26966829.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683...
,1818 Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329. PMid:30475753.
http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329...
).

Nenhum dos artigos retornados na busca seguiu o método de direcionamento de aplicação da bandagem da inserção para origem do músculo, ou seja, com o ponto fixo sobre a região de inserção do músculo. Os resultados apresentados pós-intervenção foram positivos em todos os estudos, porém, a direção de aplicação da bandagem elástica divergiu da utilizada por alguns autores(99 Hernandes NCJ, Ribeiro LL, Gomes CF, Silva AP, Dias VF. Speech therapy in temporomandibular dysfunction in two cases: comparative analysis of the effect of traditional therapy and the use of the therapeutic bandage associated. Distúrb Comun. 2017;29(2):251-61. http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.2017v29i2p251-261.
http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.201...
) e dos princípios determinados por Kenso Kase, que indica a colocação da inserção para origem do músculo como estratégia para inibição da hiperfunção muscular, enquanto a aplicação da origem para inserção teria o objetivo de aumentar a atividade de músculos enfraquecidos(88 Kase K, Wallis J, Kase T. Clinical therapeutic applications of the Kinesio Taping Method. 2nd ed. Tokyo: Ken Ikai; 2003. p. 19-39.).

A técnica empregada pelos estudos, entretanto, não gerou impacto negativo aos participantes e foi eficiente, de acordo com os resultados reportados, sugerindo que o sentido da aplicação, ou seja, o local do ponto fixo, tenha menos importância para a obtenção dos efeitos terapêuticos. Tais efeitos parecem estar mais relacionados com a estimulação sensorial cutânea gerada pela bandagem do que com a direção da aplicação. Percebeu-se, assim, que, ao contrário da técnica empregada, a duração de uso e número de trocas variou consideravelmente entre os estudos, não sendo encontradas pesquisas específicas para definição desses critérios. Convém ressaltar que, mesmo com utilização por apenas cinco dias(1717 Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985. PMid:29861804.
http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985...
), benefícios já foram referidos.

Todos os estudos avaliaram o desfecho “dor” após uma semana de aplicação, o que possibilitou a metanálise considerando a diferença da intensidade da dor entre os momentos pré e pós uma semana de intervenção. O melhor resultado para o uso da bandagem, na comparação com as outras abordagens pesquisadas, deve ser interpretado considerando essa curta duração de intervenção. É possível que as outras abordagens terapêuticas sejam mais eficientes em situações de maior tempo de intervenção. Fazem-se necessárias, ainda, pesquisas que incluam, dentre as variáveis, a duração dos benefícios proporcionados pela bandagem, ou seja, por quanto tempo perdura a melhora dos sintomas depois de cessadas as aplicações. Os estudos demonstraram resultados positivos ao realizar a aplicação da bandagem, tanto associada a outro tratamento, como utilizada enquanto recurso único, o que sugere que sua utilização pode ser benéfica no tratamento das DTMs. Contudo, a quantidade de pesquisas com esse recurso é insuficiente para esclarecer os seus efeitos sobre os sintomas dolorosos, as amostras são reduzidas e os estudos apresentam vieses metodológicos. Novas pesquisas, especialmente ensaios clínicos randomizados, são necessárias para averiguar criteriosamente diferentes técnicas e durações de uso da bandagem.

CONCLUSÃO

Após a revisão da literatura, foi possível sugerir que o uso da bandagem elástica em masseter promove maior redução da dor após uma semana de tratamento, em comparação com outras intervenções conservadoras. Contudo, o número limitado de estudos e a presença de vieses nas pesquisas impedem que os reais efeitos desse recurso sejam identificados.

  • Trabalho realizado na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil.
  • Financiamento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), processo nº 137209/2021-5.

REFERÊNCIAS

  • 1
    List T, Jensen RH. Temporomandibular disorders: old ideas and new concepts. Cephalalgia. 2017;37(7):692-704. http://dx.doi.org/10.1177/0333102416686302 PMid:28068790.
    » http://dx.doi.org/10.1177/0333102416686302
  • 2
    Valesan LF, Da-Cas CD, Réus JC, Denardin ACS, Garanhani RR, Bonotto D, et al. Prevalence of temporomandibular joint disorders: a systematic review and meta-analysis. Clin Oral Investig. 2021;25(2):441-53. http://dx.doi.org/10.1007/s00784-020-03710-w PMid:33409693.
    » http://dx.doi.org/10.1007/s00784-020-03710-w
  • 3
    American Association of Dental Research. Temporomandibular Disorders (TMD) [Internet]. 2015 [citado em 2020 Abr 10]. Disponível em: https://www.iadr.org/aadr/about-us/policy-statements/science-policy/temporomandibular-disorders-tmd
    » https://www.iadr.org/aadr/about-us/policy-statements/science-policy/temporomandibular-disorders-tmd
  • 4
    Ohrbach R, editor. Diagnostic criteria for temporomandibular disorders: assessment instruments. Version 15 May 2016 [Critérios de Diagnóstico para Desordens Temporomandibulares: protocolo clínico e instrumentos de avaliação: Brazilian Portuguese Version 25 May 2016]. RDC/TMD; 2016.
  • 5
    Motta LJ, Bussadori SK, Godoy CLH, Biazotto-Gonzalez DA, Martins MD, Silva RS. Disfunção temporomandibular segundo o nível de ansiedade em adolescentes. Psicol, Teor Pesqui. 2015;31(3):389-95. http://dx.doi.org/10.1590/0102-37722015031899389395
    » http://dx.doi.org/10.1590/0102-37722015031899389395
  • 6
    Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Termo do primeiro consenso em disfunção temporomandibular e dor orofacial. Dental Press J Orthod. 2010;15(3):114-20. http://dx.doi.org/10.1590/S2176-94512010000300014
    » http://dx.doi.org/10.1590/S2176-94512010000300014
  • 7
    Torres F, Campos LG, Fillipini HF, Weigert KL, Vecchia GFD. Efeitos dos tratamentos fisioterapêutico e odontológico em pacientes com disfunção temporomandibular. Fisioter Mov. 2012;25(1):117-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502012000100012
    » http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502012000100012
  • 8
    Kase K, Wallis J, Kase T. Clinical therapeutic applications of the Kinesio Taping Method. 2nd ed. Tokyo: Ken Ikai; 2003. p. 19-39.
  • 9
    Hernandes NCJ, Ribeiro LL, Gomes CF, Silva AP, Dias VF. Speech therapy in temporomandibular dysfunction in two cases: comparative analysis of the effect of traditional therapy and the use of the therapeutic bandage associated. Distúrb Comun. 2017;29(2):251-61. http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.2017v29i2p251-261
    » http://dx.doi.org/10.23925/2176-2724.2017v29i2p251-261
  • 10
    Sobhani V, Shamsoddini A, Khatibi-Aghda A, Mazloum V, Kia HH, Meybodi MKE. Differences among effectiveness of dry needling, manual therapy, and Kinesio Taping® methods for the management of patients with chronic myofascial neck pain: a single-blind clinical trial. Trauma Mon. 2017;22(6):e39261.
  • 11
    Kavlak B, Bakar Y, Sarı Z. Investigation of the efficacy of different physiotherapy methods for neck pain. J Musculoskeletal Pain. 2012;20(4):284-91. http://dx.doi.org/10.3109/10582452.2012.733802
    » http://dx.doi.org/10.3109/10582452.2012.733802
  • 12
    Dlkhoush CT, Bakhshi S, Farokhi ZS, MirmohammadKhani M. Comparison of dry needling and inhibitory kinesio taping on the pain and functional disability in females with myofascial pain syndrome in upper trapezius muscle. Koomesh. 2019;21(4):610-8.
  • 13
    Silva AP, Carvalho ARR, Sassi FC, Silva MAA. Os efeitos da bandagem elástica no músculo trapézio em adultos saudáveis. CoDAS. 2019;31(5):e20180077. http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20192018077 PMid:31644716.
    » http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20192018077
  • 14
    Page MJ, McKenzie JE, Bossuyt PM, Boutron I, Hoffmann TC, Mulrow CD, et al. The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. BMJ. 2021;372(71):n71. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.n71 PMid:33782057.
    » http://dx.doi.org/10.1136/bmj.n71
  • 15
    The Joanna Briggs Institute. JBI critical appraisal checklist for cohort studies [Internet]. 2020 [citado em 2020 Abr 10]. Disponível em: https://joannabriggs.org/ebp/critical_appraisal_tools
    » https://joannabriggs.org/ebp/critical_appraisal_tools
  • 16
    Benlidayi IC, Salimov F, Kurkcu M, Guzel R. Kinesio Taping for temporomandibular disorders: single-blind, randomized, controlled trial of effectiveness. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2016;29(2):373-80. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683 PMid:26966829.
    » http://dx.doi.org/10.3233/BMR-160683
  • 17
    Lietz-Kijak D, Kopacz L, Ardan R, Grzegocka M, Kijak E. Assessment of the Short-Term Effectiveness of kinesiotaping and trigger points release used in functional disorders of the masticatory muscles. Pain Res Manag. 2018;2018:5464985. http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985 PMid:29861804.
    » http://dx.doi.org/10.1155/2018/5464985
  • 18
    Keskinruzgar A, Kucuk AO, Yavuz GY, Koparal M, Caliskan ZG, Utkun M. Comparison of kinesio taping and occlusal splint in the management of myofascial pain in patients with sleep bruxism. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2019;32(1):1-6. http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329 PMid:30475753.
    » http://dx.doi.org/10.3233/BMR-181329
  • 19
    Figueiredo VMG, Cavalcanti AL, Farias ABL, Nascimento SR. Prevalência de sinais, sintomas e fatores associados em portadores de disfunção temporomandibular. Acta Sci Health Sci. 2009;31(2):159-63.
  • 20
    Ferreira CLP, Silva MAMR, Felício CM. Sinais e sintomas de desordem temporomandibular em mulheres e homens. CoDAS. 2016;28(1):17-21. http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20162014218 PMid:27074184.
    » http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20162014218
  • 21
    Moreno AGUT, Bezerra AGV, Alves-Silva EG, Melo EL, Gerbi MEMM, Bispo MEA, et al. Influência do estrógeno na modulação da dor na disfunção temporomandibular e sua prevalência no sexo feminino: revisão integrativa. Res Soc Dev. 2021;10(2):e38510212453. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i2.12453
    » http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i2.12453
  • 22
    Artioli DP, Bertolini GRF. Kinesio taping: aplicação e seus resultados sobre a dor: revisão sistemática. Fisioter Pesqui. 2014;21(1):94-9. http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/553210114
    » http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/553210114
  • 23
    Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    23 Maio 2022
  • Data do Fascículo
    2022

Histórico

  • Recebido
    25 Jan 2022
  • Aceito
    16 Mar 2022
Academia Brasileira de Audiologia Rua Itapeva, 202, conjunto 61, CEP 01332-000, Tel.: (11) 3253-8711, Fax: (11) 3253-8473 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@audiologiabrasil.org.br