Eficácia do uso de um software para estimulação de habilidades de consciência fonológica em crianças

Effectiveness of using software for stimulation of phonological awareness abilities in children

Carolina Carneiro Farias Adriana Corrêa Costa Rosangela Marostega Santos Sobre os autores

Resumos

OBJETIVO: Verificar a eficácia do uso do software "Pedro no Parque de Diversões" no desenvolvimento da consciência fonológica e na construção da escrita alfabética. MÉTODOS: Participaram do estudo 12 crianças, com idades entre 4 e 5 anos, de uma escola particular de educação infantil da cidade de Porto Alegre. Cada criança foi avaliada individualmente quanto à consciência fonológica e hipótese de escrita. Por meio de sorteio, as crianças com hipótese de escrita pré-silábica foram divididas em dois grupos: o grupo estudo (GE) e o grupo controle (GC). As crianças do GE foram estimuladas com o uso do software e as do GC receberam, unicamente, a estimulação de linguagem e de consciência fonológica padrão da escola. Ao término da estimulação (dez encontros) as crianças foram reavaliadas. RESULTADOS: Os resultados evidenciaram diferença significativa no que se refere à consciência fonológica, no nível da sílaba e do fonema, e à mudança da hipótese de escrita dos participantes do GE, em relação ao desempenho dos participantes do GC. CONCLUSÃO: O estudo verificou que o software, tendo o fonoaudiólogo como mediador, foi eficaz para desenvolver a consciência fonológica e facilitou a mudança da hipótese de escrita pré-silábica para a silábica. Dessa forma, programas de estimulação usados na educação infantil devem ser cuidadosamente selecionados, para garantir maiores resultados.

Linguagem Infantil; Aprendizagem; Escrita Manual; Estimulação Auditiva; Validação de Programa de Computador; Fonoaudiologia


PURPOSE: To investigate whether the software called Peter in the Amusement Park is effective in both developing phonological awareness and building alphabetical writing. METHODS: Twelve children, aged 4-5 years, from a nursery school in Porto Alegre, participated in this study. Each child was individually assessed in terms of phonological awareness and had his/her writing hypothesis analyzed. Children whose writing hypothesis was considered pre-syllabic were randomly assigned to two groups: study group (SG) and control group (CG). Children belonging to SG were stimulated through the use of the software, while those from CG were given only standardized school stimulation. At the end of 10 stimulation meetings, children were reassessed. RESULTS: The results have shown a statistically significant difference in phonological awareness at the level of syllable and phonemes, as well as change in the writing hypothesis among SG children in comparison to the CG participants' performance. CONCLUSION: The study evidenced that the software, by having a speech and language pathologist as a mediator, was effective to develop phonological awareness and facilitated the change in the spelling hypothesis from pre-syllabic writing to syllabic writing. Therefore, stimulation programs used in children education should be carefully selected in order to guarantee better results.

Child Language; Learning; Handwriting; Auditory Stimulation; Software validation; Speech, Language and Hearing Sciences


  • 1
    Cardoso-Martins C. A consciência fonológica e a aprendizagem inicial da leitura e da escrita. Cad Pesq. 1991;76: 41-9.
  • 2
    Moojen S, Lamprecht RR, Santos RM, Freitas GM, Brodacz R, Siqueira M, el al. CONFIAS – Consciência fonológica: Instrumento de Avaliação Sequencial. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.
  • 3
    Chard DJ, Dickson SV. Phonological awareness: instructional and assessment guidelines. Interv Sch Clin. 1999;34(5): 261-70.
  • 4
    Cielo C. A sensibilidade fonológica e o início da aprendizagem da leitura. Letras de Hoje. 1998;33(4): 21-60.
  • 5
    Capovilla AGS, Capovilla FC. Prova de consciência fonológica: desenvolvimento de dez habilidades da pré-escola à segunda série. Temas Desenvol. 1998;7(37): 14-20.
  • 6
    Cárnio MS, Santos D. Evolução da consciência fonológica em alunos de ensino fundamental. Pró-Fono. 2005;17(2): 195-200.
  • 7
    Alves U. O que é consciência fonológica. In: Lamprecht R, Blanco-Dutra AP, Scherer APR, Barreto FM, Bassols L, Brisolara, el al. Consciência dos Sons da língua. Porto Alegre: Edipucrs; 2009. p. 31-46.
  • 8
    Mota HB, Melo Filha MGC, Lasch SS. A consciência fonológica e o desempenho na escrita sob ditado de crianças com desvio fonológico após realização de terapia fonoaudiológica. Rev CEFAC. 2007;9(4): 477-82.
  • 9
    Moojen S, Santos RM. Avaliação metafonológica: resultados de uma pesquisa. Letras de Hoje. 2001;36(3): 751-8.
  • 10
    Morales MV, Mota HB, Keske-Soares M. Consciência fonológica: desempenho de crianças com e sem desvios fonológicos evolutivos. Pró-Fono. 2002;14(2): 153-64.
  • 11
    Cappelini SA, Ciasca SM. Eficácia do programa de treinamento com a consciência fonológica em crianças com distúrbio específico de leitura e escrita e distúrbio de aprendizagem. Temas Desenvol. 2000;9(52): 4-10.
  • 12
    Barrera SD, Maluf MR. Consciência metalinguística e alfabetização: um estudo com crianças da primeira série do ensino fundamental. Psicol Refl Crít. 2003;16(3): 491-502.
  • 13
    Freitas GCM. Consciência Fonológica e aquisição da escrita: um estudo longitudinal [dissertação]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Letras; 2004.
  • 14
    Costa AC. Consciência fonológica: relação entre desenvolvimento e escrita. Letras de Hoje. 2003;38(2): 137-53.
  • 15
    Maluf MR, Barrera SD. Consciência fonológica e linguagem escrita em pré-escolares. Psicol Refl Crit. 1997;10(1): 125-45.
  • 16
    Paula GR, Mota HB, Keske-Soares M. A terapia em consciência fonológica no processo de alfabetização. Pró-Fono. 2005;17(2): 175-84.
  • 17
    Rigatti-Scherer AP. Consciência fonológica e explicitação do princípio alfabético: importância para o ensino da língua escrita [tese]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Letras; 2008.
  • 18
    Capovilla AGS, Capovilla FC. O desenvolvimento da consciência fonológica, correlações com leitura e escrita e tabelas de estandardização. Ciênc Cogn. 1998;2(3): 113-60.
  • 19
    Cavalcante CA, Mendes MAM. A avaliação da consciência fonológica em crianças de primeira série alfabetizadas com metodologias diferentes. Rev CEFAC. 2003;5(3): 205-8.
  • 20
    Nunes C, Frota S, Mousinho R. Consciência fonológica e o processo de aprendizagem de leitura e escrita: implicações teóricas para o embasamento da prática fonoaudiológica. Rev CEFAC. 2009;11(2): 207-12.
  • 21
    Nunes CL. Desenvolvimento de um software de consciência fonológica [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida, Faculdade de Fonoaudiologia; 2008.
  • 22
    Dias NM. Alfabetização fônica computadorizada: usando o computador para desenvolver habilidades fônicas e metafonológicas. Psicol Esc Educ. 2006;10(1): 148-52.
  • 23
    Mautone JA, Dupaul GJ, Jitendra AK. The effects of computer-assisted instruction on the mathematics performance and classroom behavior of children with ADHD. J Atten Disord. 2005;9(1): 301-12.
  • 24
    Wilson R, Majsterek D, Simmons, D. The effects of computer-assisted versus teacher-directed instruction on the multiplication performance of elementary students with learning disabilities. J Learn Disabil.1996;29(4): 382-90.
  • 25
    Fuchs LS, Powell SR, Hamlett CL, Fuchs D, Cirino PT, Fletcher JM. Remediating computational deficits at third grade: a randomized field trial. J Res Educ Eff. 2008;1(1): 2-32.
  • 26
    Santos RM, Costa AC, Toffoli MB, Rosa DA, Drumond GP. Pedro no Parque de Diversões: desenvolvendo a consciência fonológica. Paraná: CTS Informática; 2008.
  • 27
    Cielo C. Habilidades em consciência fonológica em crianças de 4 a 8 anos de idade [tese]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Letras; 2001.
  • 28
    Dambrowsky AB, Martins CL, Theodoro JL, Gomes E. Influência da consciência fonológica na escrita de pré-escolares. Rev CEFAC. 2008;10(2): 175-81.
  • 29
    Ferreiro E, Teberosky A. A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas; 1991.
  • 30
    Yavas M, Hernandorena CLM, Lamprecht RR. Avaliação fonológica da criança: reeducação e terapia. Porto Alegre: Artes médicas; 1992.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    24 Jan 2014
  • Data do Fascículo
    Dez 2013

Histórico

  • Recebido
    12 Out 2012
  • Aceito
    16 Out 2013
Academia Brasileira de Audiologia Rua Itapeva, 202, conjunto 61, CEP 01332-000, Tel.: (11) 3253-8711, Fax: (11) 3253-8473 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@audiologiabrasil.org.br