O ultrassom anorretal tridimensional pode ser incluído como um método diagnóstico na avaliação da fístula anal antes e após o tratamento cirúrgico?

Sthela Maria MURAD-REGADAS Francisco Sergio P REGADAS FILHO Erico de Carvalho HOLANDA Lara Burlamaqui VERAS Adjra da Silva VILARINHO Manoel S LOPES Sobre os autores

RESUMO

CONTEXTO:

Não há dados definitivos quanto a níveis diferentes na secção do complexo esfincteriano e o efeito na função do canal anal no tratamento das fístulas anais.

OBJETIVO:

Avaliar a aplicação do ultrassom anorretal tridimensional no diagnóstico da fístula anal, quantificando o comprimento da musculatura que será seccionada, selecionando pacientes para diferente abordagens e identificando cicatrização e recorrência após tratamento.

MÉTODOS:

Um estudo prospectivo incluindo paciente portadores de fístula anal criptoglandular, tipo trans-esfinctérica avaliados pelo escore de incontinência fecal, ultrassom anorretal 3D e manometria anorretal antes e após a cirurgia. De acordo com os dados do ultrassom, pacientes do sexo masculino com envolvimento ≥50% do esfíncter externo anterior ou esfíncter externo+puborretal e do sexo feminino com envolvimento ≥40% foram referidos para cirurgia de ligadura do trajeto no espaço inter-esfinctérico (LIFT) ou colocação do sedenho. Aqueles com envolvimento <50% em homens e <40% mulheres foram indicados para fistulotomia em um tempo. Após a cirurgia, a musculatura secccionada (fibrose) e o músculo residual foram medidos e comparados no pós-operatório.

RESULTADOS:

Um total de 73 pacientes foi incluído. A indicação para LIFT foi significativamente maior em mulheres (47%) e a fistulotomia em homens (46%) e o sedenho similar em ambos os sexos. Sintomas de incontinência leve foi identificado em 31% dos submetidos à cirurgia com divisão de esfíncter e similar em ambos os sexos. O ultrassom identificou sete casos que não cicatrizaram.

CONCLUSÃO:

O ultrassom anorretal tridimensional demonstrou ser um método efetivo na avaliação da fístula anal, quantificando o comprimento do esfíncter a ser dividido, como demonstrado no resultado pós-operatório, fornecendo um tratamento seguro de acordo com sexo e percentual de músculo envolvido. Adicionalmente, identifica o tecido cicatrizado, tipo de recorrência e a falha no tratamento.

DESCRITORES:
Malformações anorretais; Fístula retal; Incontinência fecal; Ultrassom

Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades - IBEPEGE. Rua Dr. Seng, 320, 01331-020 São Paulo - SP Brasil, Tel./Fax: +55 11 3147-6227 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: secretariaarqgastr@hospitaligesp.com.br