Colangite esclerosante primária em crianças e adolescentes

Eleonora Druve Tavares FAGUNDES Alexandre Rodrigues FERREIRA Caroline Caldeira HOSKEN Thaís Costa Nascentes QUEIROZ Sobre os autores

RESUMO

CONTEXTO:

A colangite esclerosante primária é uma doença rara, mas sua prevalência tem sido subestimada em crianças e adolescentes, tanto pela variedade de apresentação clínica quanto pela dificuldade diagnóstica neste período.

OBJETIVO:

Avaliar crianças e adolescentes com colangite esclerosante primária descrevendo seu quadro clínico, laboratorial, histopatológico e colangiográfico.

MÉTODOS:

Trata-se de um estudo descritivo observacional, de 2005 a 2016, de todos os pacientes atendidos no Ambulatório de Hepatologia Pediátrica do Hospital das Clínicas da UFMG, com o diagnóstico de colangite esclerosante primária até a idade de 18 anos. O diagnóstico foi estabelecido segundo os critérios clínicos, laboratoriais, radiológicos e/ou histopatológicos. Foi realizada investigação para exclusão de outras doenças hepáticas crônicas e causas secundárias de colangite. A análise dos dados foi efetuada com os recursos estatísticos do software SPSS. As variáveis foram expressas por meio de médias, desvio-padrão, frequência absoluta e porcentagem.

RESULTADOS:

Vinte e um pacientes preencheram os critérios de inclusão. Houve predomínio no sexo masculino (3,2:1). A média de idade ao diagnóstico foi 6,7±3,9 anos. Cinco (23,8%) pacientes apresentavam doença inflamatória intestinal associada, sendo quatro casos de colite ulcerativa e um de colite indeterminada. Na apresentação, os sinais e sintomas são variados, em geral discretos. O sintoma mais frequente foi dor abdominal (47,6%), seguido menos frequentemente por icterícia (28,6%) e prurido (14,3%). Em 33,3% dos pacientes, o motivo de início da investigação foi alteração de enzimas em pacientes assintomáticos ou oligossintomáticos. Todos os pacientes exibiam aumento das enzimas hepáticas: aminotransferases, gama glutamiltransferase e fosfatase alcalina. Vinte pacientes apresentavam alterações em exame colangiográfico, compatíveis com colangite esclerosante primária; um paciente não apresentava alterações na colangiorressonância, mas apresentava alterações histopatológicas compatíveis com colangite de pequenos ductos. Fibrose hepática já estava presente em 60% dos 15 pacientes com biópsia à admissão; com cirrose estabelecida em quatro pacientes. 28,5% dos pacientes tiveram evolução desfavorável, com dois (9,5%) óbitos e quatro (19%) pacientes transplantados.

CONCLUSÃO:

Colangite esclerosante primária é uma doença rara na criança e no adolescente, cujo diagnóstico inicial pode ser atrasado ou passar despercebido, principalmente por apresentar manifestações clínicas inespecíficas ou cursar de forma assintomática. É frequente a associação com doença inflamatória intestinal. O prognóstico pode ser reservado com o avançar da doença, sendo o transplante hepático o tratamento definitivo.

DESCRITORES:
Colangite esclerosante primária; diagnóstico; Criança; Adolescente; Cirrose hepática; Transplante de fígado

Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades - IBEPEGE. Rua Dr. Seng, 320, 01331-020 São Paulo - SP Brasil, Tel./Fax: +55 11 3147-6227 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: secretariaarqgastr@hospitaligesp.com.br